Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Eugênio Pacheco de Queiroz

Eugênio Pacheco de Queiroz

Eugênio Pacheco de Queiroz foi prefeito de Vila Velha entre 1937 e 1943, em segundo mandato. A principal obra que realizou nesse segundo mandato foi de caráter urbanístio, corrigindo o traçado das ruas Municipal e Luiza Grinalda e prolongando-as até a orla da Prainha. Eliminou as ruas Sacramento e Padre Carneiro, que eram estreitas e tortuosas. À antiga rua Municipal deu o nome de Antônio Ataíde, em homenagem ao dinâmico administrador de 1920. Deu também o nome de Luíza Grinalda a toda a extensão do logradouro com trecho anteriormente denomindo Quatorze de Julho, ratificando a reverência à esposa do segundo donatário.

Modernizou o jardim da praça da Bandeira, na frente da igreja do Rosário e construiu, no mesmo padrão, o jardim da praça Otávio Araújo.

Definiu corretamente as caixas de várias ruas do centro, com a colocação de meio-fio e convidou todos os moradores a construírem calçadas nas frentes das suas casas. Chamou de Duque de Caxias o largo que tinha o nome de praça Vasco Coutinho. Obteve apoio do comando do Terceiro Batalhão de Caçadores para o resguardo da fábrica de Bombons Garoto, quando houve o popular "quebra-quebra" com a declaração do estado de guerra entre Brasil e os países do Eixo, durante a Segunda Guerra Mundial.

Foi o prefeito que teve a administração mais longa até que, em 31 de dezembro de 1943, o Decreto-Lei nº 15.177, que deu nova organização administrativa ao estado, mais uma vez, incorporou Vila Velha a Vitória.

Eugênio Queiroz era natural de Vila Velha. Foi um dos melhores administradores do município, segundo os seus conterrâneos ainda vivos. Foi importante dirigente do jornal A Gazeta durante 49 anos. Apesar da sua profícua administração, não existe nenhuma prova de reconhecimento dos vilavelhenses pelo que realizou.

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o ES, 1999
Autor: Jair Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010

História do ES

Marcelino Champagnat

Marcelino Champagnat

Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat nasce a 20 de maio de 1789, em Marlhes, aldeia de montanha no Centro-Leste da França, no início da Revolução Francesa

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Donatários e Capitães-Mores do Espírito Santo

Governantes do Espírito Santo no período Colonial (1535-1822)

Ver Artigo
Luiza Grinaldi?

D. Luiza "Grinaldi", a governadora, firmou a doação da Penha ao franciscano Baltazar Lisboa. D. Luiza "Grinaldi" era filha de Pedro Alves ou Álvares Correia e de Catarina "Grinaldi"

Ver Artigo
A Segunda Guerra

A Fábrica de Balas Garoto foi preservada dos ataques e saques, graças à intervenção do Comando do 3º Batalhão de Caçadores

Ver Artigo
Nossos heróis

O cabo Aylson Simões se especializara na localização e desativação de minas. À frente da tropa e com outros batedores ia explorando o terreno nessa espinhosa e difícil missão

Ver Artigo
A pirâmide metálica

Durante a Segunda Guerra Mundial, como todas as outras cidades do território nacional, Vila Velha foi chamada a participar da coleta de metais a que se convencionou chamar de Pirâmide Metálica

Ver Artigo
Antônio Francisco de Athayde

Antônio Francisco de Athayde foi prefeito de Vila Velha entre 1918 e 1921

Ver Artigo