Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Rua 7 de setembro e Forte São Diogo - Fonte: Arquivo Restaurado José Tatagiba, Vitória ES

Iniciou-se, no Espírito Santo, o decênio que ia findar com a expulsão dos jesuítas, vendo-se, em Vila Velha, transmudada a tradicional igreja do Rosário em vigararia "colada". No começo do século, já a carta régia de 18 de novembro de 1709 mandara auxiliar, com 200$000, as obras de conservação desse templo, um dos mais antigos do Brasil.

A concessão de 1750, em favor dessa modesta paróquia, seguiu-se, no ano seguinte, igual benefício para a de S. Mateus.

A relação do Rio de Janeiro, fundada em 1751, ficara, como dissemos, com jurisdição até Porto Seguro.

O desenvolvimento de Guarapari ou talvez uma simples questiúncula apaixonada, dessas muito comuns em lugares pequenos, determinou a edificação, nessa época, de uma capela do Coração de Jesus, muito próxima e em frente à da Residência que os jesuítas ocupavam.

A devoção do Coração de Jesus foi a última que os jesuítas introduziram no Brasil.

Em Vitória, acanhada vila que os aterros iam fazendo crescer, o ajudante militar Dionísio Francisco Frade obteve provisão para erguer um pequeno templo a N. S da Conceição. Foi  construído no prolongamento da Rua da Praia, vulgarmente denominado — Prainha, mais ou menos, no ponto onde a moderna Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência. Dionísio Francisco Frade foi, a esse tempo, estrênuo defensor do que ainda restava aos beneditinos, cujo mosteiro, nas proximidades dessa capela, tivera também o título de N . S. da Conceição. Adiante, nas marinhas do Sacramento, uma concessão de 1746 permitira estabelecer o cais do Santíssimo.

Buscando uma renda, que em outros lugares os franciscanos já haviam obtido, requereu o guardião frei Amaro da Conceição, em 1752, a matrícula de Santo Antônio como soldado raso na Companhia da Infantaria de Vitória. Em reunião, a que estiveram presentes, além dos oficiais e praças, o Provedor do Presídio e o Capitão-mór José Gomes Borges, todos reconheceram o grande merecimento do milagroso candidato; mas, atendendo à pobreza da Capitania, deliberaram que, enquanto o Rei não aprovasse essa resolução, vencesse o Santo apenas soldo e soldada, pagos mediante subscrição mensal, na base de dois vinténs, por oficial; e um, por soldado!... Não consta houvesse o Rei jamais aprovado essa matrícula.

No mesmo decênio foi, em 1752, instituída a paróquia da Serra; dois anos depois, a de N. S. da Conceição das Minas do Castelo; em 1757, a de Nova Almeida, seguida em 1759 da de Nova Benevente. Com esse nome foi, no mesmo ano, erigida em vila a primitiva aldeia de Reritiba, localizada numa zona onde a mandioca dava safras ao cabo de seis meses. Nessa aldeia haviam os jesuítas conseguido manter até 12.000 indígenas...

Uma carta régia de 1758 proibira nomes indígenas, como Reritiba, em novas povoações.

Para a reconstrução de Lisboa, após o terremoto de 1755 a Bahia e as Capitanias que lhe estavam subordinadas foram obrigadas a contribuir com 875 contos, mediante um aumento geral nos impostos. Para agravar a situação, um alvará de 1756 criou a Companhia Geral do Comércio, que perdurou por 20 anos, com grandes privilégios e regalias.

Oliveira Martins registra a vinda para o Brasil, na época pombalina, de numerosos colonos, principalmente do Alentejo, a cuja influência atribui a contemporânea denominação de algumas vilas, como, no Espírito Santo, as de Nova Almeida e Nova Benevente. Assim ainda se chama a primeira. Na "Marcha para Oeste", imagina Cassiano Ricardo como devia ser curiosa a transformação de uma primitiva aldeia, como Reritiba, em vila: — "levantava-se o pelourinho como sinal de jurisdição, designando-se o lugar para Casa da Câmara e Cadeia, com a presença dos índios e os oficiais que os governam, para em alternativo júbilo confessarem obediência ao fidelíssimo Monarca. Missa em seguida, com a ladainha de N. S., a canto de órgão, com a música dos índios, afim de que tivessem esperança de felicidades futuras. Estabeleciam-se os respectivos limites, e estava pronta a cerimônia. A aldeia passara a ser vila para todos os efeitos"...

Findara a época dos "descimentos"... Sucessivas resoluções de Pombal preparavam a abolição vermelha ou dos indígenas. A permissão para casamentos mistos ou entre colonos e indígenas, seguiu-se, em 1757, a extinção do poder temporal dos eclesiásticos sobre os índios, daí por diante governados por figuras ou elementos mais destacados dos  próprios aldeamentos. Mandou-se ainda, três anos depois, aplicar a todo o Brasil o "Diretório", isto é, uma compilação das várias ordens régias, sobre os indígenas, a princípio vigente só no Maranhão.

Caíra em desuso uma lei de 1611, que permitia confiar a administração das aldeias de indígenas a seculares casados; a partir de D. João IV recomendou-se aos Capitães-móres que se abstivessem de fazer novas nomeações dessa natureza, e deixassem os índios governados por seus principais.

Ao resumir esses fatos significativos, salienta Caio Prado Junior como a orientação, por muitos aspectos humanitária e sempre digna e piedosa dos jesuítas, contrariava, de fato, os interesse ou a diretriz da única política que Portugal devia ter nessa matéria: — sem população para povoar, explorar e cultivar uma colônia com a extensão do Brasil, não podia a metrópole achar razoável a segregação, em aldeamentos fechados, de numerosos elementos de trabalho, já aclimados e aproveitáveis... Verdadeiros quistos de diferenciação étnica e cultural, teriam comprometido a unificação da colônia, observa Fernando de Azevedo, se outros fatores, como as bandeiras e jornadas não lhes atenuassem os malefícios.

Para isolar ainda mais os índios, os padres exageravam; e, de preferência a ensinar-lhes o português, porfiavam ao contrário, em aprender-lhes o rústico idioma... Assim — "o missionário reagia, à frente dos bárbaros arrancados às selvas, contra os bárbaros oriundos das terras civilizadas..."

Ainda mesmo que os jesuítas, deixados sem o antigo poder temporal nos primitivos aldeamentos, como supõe o ilustre autor da "Formação do Brasil Contemporâneo", não tivessem provocado uma sistemática sabotagem da nova legislação, bastou o que provavelmente lhes foi atribuído, em informações nem sempre desapaixonadas, para diversos atos contra eles; e, por último, para a carta régia de 4 de novembro de 1759, mandando expulsá-los do Reino.

Em dezembro seguinte, Vitória, assistiu à prisão do Reitor e de 5 padres, aos quais vieram juntar-se os que foram encontrados na Capitania; e, por último, 3 enviados também para cá. Na primeira leva, constituída de 199, embarcada no Rio de Janeiro em março seguinte, seguiram 17 remetidos do Espírito Santo.

Apreciando os persistentes esforços dos inacianos em prol desta atribulada Capitania, especialmente na catequese, pode-se concluir que se, no meio da pobreza quase geral, não constituíram, como julga Rocha Pombo, o único elemento de vida econômica, foram contudo, no primitivo Espírito Santo colonial, o melhor e o mais seguro fator de progresso. E, quando outros motivos não houvesse para nos fazer recordar-lhes, reconhecidamente, os grandes benefícios, bastava o que devemos a Anchieta, o grande missionário que, no dizer de Euclides da Cunha, reconcilia-nos, a todos, com a Companhia de Jesus, e "cujo nome tem, na nossa terra, a propriedade de fundir todas as crenças e opiniões, numa veneração comum"...

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo, ano 1945
Autor: Mário Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2015

História do ES

O fazedor de pontes: Breve notícia histórica

O fazedor de pontes: Breve notícia histórica

Devemos a ele, especificamente, a construção das três pontes que contribuíram de maneira mais acentuada para o escoamento de três pontos-chave para o desenvolvimento do Espírito Santo: a ligação da capital ao continente; a ligação entre as margens da cidade de Santa Leopoldina, a mais progressista cidade capixaba da época; a ligação entre as margens do Rio Doce, na época a última fronteira da civilização no rumo do norte do território

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

A “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo
Viagem de Pedro II ao Espírito Santo - Por: Mário Freire

Excelente o trabalho de Levi Rocha, na “Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”, sobre a visita, em 1860, do Imperador, com a reprodução dos seus curiosos desenhos e observações

Ver Artigo