Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Festa de São Pedro - José Carlos Mattedi

Festa de São Pedro,1935 - Nos tempos do Bley

A comemoração ao santo de devoção dos pescadores na Praia do Suá é, depois da Festa de Nossa Senhora da Penha, o mais popular festejo religioso do Espírito Santo e a mais antiga festa comunitária do município de Vitória. Iniciada na década de 20 pelos marujos de origem portuguesa, serviu durante todos esses anos para manter as tradições históricas do bairro e para reafirmar os valores de irmandade da comunidade praiana. Aquilo que começou apenas como um ato de louvação a São Pedro, então comemorado modestamente numa enseada tranquila, porto de barcos e pouso de redes, acabou ganhando impulsos impensados pelos primitivos pescadores.

Um dos objetivos dos festeiros do arrabalde era levantar fundos para a construção de uma capela — um sonho concretizado. No princípio, a festividade tinha ares de quermesse e acontecia em área que ia da areia da praia até a Rua Almirante Tamandaré, então de terra batida. O chão era coberto por folhas de mangueira, enquanto muros e postes eram enfeitados com palmas de coqueiro e varas de bambu. E, como a data de devoção a São Pedro é no mês de junho, coincidindo com dois outros santos (São João e Santo Antônio), a festa tinha espírito junino, com fogueiras, bandeirolas coloridas, barraquinhas, pau-de-sebo, leilões de prendas, balões, animadas quadrilhas, comidas típicas e quentões. Havia, ainda, danças capixabas típicas como o rancho de boi e o congo.

O rancho de boi, ou teatro do boi, bailado popular com origem no bumba meu boi, tinha seu espaço no festejo. Conta Maria Assumpção que a dança girava em torno da morte e ressurreição do boi, uma peripécia acompanhada por marchinhas conforme as quadras do momento. Parte de uma das músicas ela não esqueceu, que dizia assim:

 

Levanta boi, levanta boi

Levanta e não sapateia

Que na Praia do Suá

Os teus olhos 'alumeia'

 

Na ponta do meu punhal

Eu vi uma estrela reluzir

Se encontrares com o boi estrela,

Temos guerra no 'Brasir'...

 

No cais da praia, aportava uma baleeira já trazendo um altar, onde era colocada a imagem do apóstolo padroeiro. O padre celebrava a missa, ocorrendo também muitos batizados. Mais tarde, aconteciam as regatas de pescadores e de moças à beira da praia com numerosa assistência. Em seguida vinha a procissão pelas ruas do bairro, para só depois sucederem os animados leilões de prendas. À noite, iniciava-se a festa religiosa-profana. Com o passar dos anos, a comemoração tornou-se um dos maiores eventos comunitários da Ilha de Vitória, atraindo grande público ao Suá, incluindo autoridades. De 1938 a 1940, o governador Punaro Bley esteve presente.

Com o tempo, incluiu-se a procissão marítima. A terrestre saía da sede da Colônia, com a imagem de São Pedro carregada em andor e acompanhada pelos devotos em prolongados cantos litúrgicos pelas ruas do bairro. A partir de 1937, com a construção da igreja, passou a sair da Rua Neves Armond. A cerimônia marítima entrou na programação com a chegada dos barcos a motor, nos anos 50. Dezenas de baleeiras seguiam a barca-mãe que levava o padroeiro da prainha até a Ilha do Príncipe. Depois, dirigiam-se para a frente do Convento da Penha, onde se estendia a rede de São Pedro e os anzóis eram benzidos. Com o aterro, no início da década de 70, o cortejo passou a sair do terminal pesqueiro. No final dos anos 80, devido à tragédia do Bateau Mouche, na Baía da Guanabara, a Capitania dos Portos suspendeu a procissão por alguns anos, só retornando em 1993.

Anos antes, porém, a festa, que então era organizada com sucesso pela igreja e pela Colônia de Pescadores, deixou de ser uma só: uma — a da paróquia — passou a ocupar o espaço físico da rua Neves Armond, e a outra, a rua Almirante Tamandaré, sob os auspícios dos pescadores. Recentemente, a partir de 1997, o festejo deixou o centro do bairro e mudou-se para a Praça do Papa, na Enseada do Suá, numa parceria entre a colônia e a prefeitura de Vitória. O evento, assim, perdeu o caráter comunitário e ganhou contornos cosmopolitas, arrastando multidões para os shows artísticos e culturais nos quatro dias de comemoração. "Hoje é uma festa da cidade, e não mais só da Praia do Suá", ressalta Zezito Maio.

O fato é que a igreja preferiu dar à manifestação festiva um cunho mais comunitário, achando na época que a comemoração estava dando mais ênfase ao profano e ao comercial do que ao religioso. Já os pescadores decidiram seguir o processo de crescimento do bairro, dando novas características à parte popular da Festa de São Pedro. Logo, é difícil prever se os dois lados voltarão a se unir. Mas, como para o santo apóstolo nada é impossível...

 

Fonte: Praia do Suá – Coleção Elmo Elton nº 9 – Projeto Adelpho Poli Monjardim, 2002 – Secretaria Municipal de Vitória, ES

Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas

Secretária de Cultura: Luciana Vellozo Santos

Subsecretária de Cultura: Joca Simonetti

Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato

Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lígia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira

Editor: Adilson Vilaça

Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier

Revisão: Djalma Vazzoler

Impressão: Gráfica Sodré

Texto: José Carlos Mattedi

Fotos: Raquel Lucena

Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Folclore e Lendas Capixabas

Como a noite reinou sobre a Terra - 2ª versão

Como a noite reinou sobre a Terra - 2ª versão

A terra era um maravilhoso jardim de eterna Primavera, em que reinava a Aurora, envolvida em seu manto de gás, resplandecente à primeira luz do dia...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Folclore, cinema e teatro - Por Luiz Buaiz com texto de Sandra Medeiros

O teatro que sucedeu o Melpômene foi o Carlos Gomes, inaugurado em 1927, seis anos depois do nascimento de Luiz Buaiz

Ver Artigo
Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo