Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Festa de São Pedro - José Carlos Mattedi

Festa de São Pedro,1935 - Nos tempos do Bley

A comemoração ao santo de devoção dos pescadores na Praia do Suá é, depois da Festa de Nossa Senhora da Penha, o mais popular festejo religioso do Espírito Santo e a mais antiga festa comunitária do município de Vitória. Iniciada na década de 20 pelos marujos de origem portuguesa, serviu durante todos esses anos para manter as tradições históricas do bairro e para reafirmar os valores de irmandade da comunidade praiana. Aquilo que começou apenas como um ato de louvação a São Pedro, então comemorado modestamente numa enseada tranquila, porto de barcos e pouso de redes, acabou ganhando impulsos impensados pelos primitivos pescadores.

Um dos objetivos dos festeiros do arrabalde era levantar fundos para a construção de uma capela — um sonho concretizado. No princípio, a festividade tinha ares de quermesse e acontecia em área que ia da areia da praia até a Rua Almirante Tamandaré, então de terra batida. O chão era coberto por folhas de mangueira, enquanto muros e postes eram enfeitados com palmas de coqueiro e varas de bambu. E, como a data de devoção a São Pedro é no mês de junho, coincidindo com dois outros santos (São João e Santo Antônio), a festa tinha espírito junino, com fogueiras, bandeirolas coloridas, barraquinhas, pau-de-sebo, leilões de prendas, balões, animadas quadrilhas, comidas típicas e quentões. Havia, ainda, danças capixabas típicas como o rancho de boi e o congo.

O rancho de boi, ou teatro do boi, bailado popular com origem no bumba meu boi, tinha seu espaço no festejo. Conta Maria Assumpção que a dança girava em torno da morte e ressurreição do boi, uma peripécia acompanhada por marchinhas conforme as quadras do momento. Parte de uma das músicas ela não esqueceu, que dizia assim:

 

Levanta boi, levanta boi

Levanta e não sapateia

Que na Praia do Suá

Os teus olhos 'alumeia'

 

Na ponta do meu punhal

Eu vi uma estrela reluzir

Se encontrares com o boi estrela,

Temos guerra no 'Brasir'...

 

No cais da praia, aportava uma baleeira já trazendo um altar, onde era colocada a imagem do apóstolo padroeiro. O padre celebrava a missa, ocorrendo também muitos batizados. Mais tarde, aconteciam as regatas de pescadores e de moças à beira da praia com numerosa assistência. Em seguida vinha a procissão pelas ruas do bairro, para só depois sucederem os animados leilões de prendas. À noite, iniciava-se a festa religiosa-profana. Com o passar dos anos, a comemoração tornou-se um dos maiores eventos comunitários da Ilha de Vitória, atraindo grande público ao Suá, incluindo autoridades. De 1938 a 1940, o governador Punaro Bley esteve presente.

Com o tempo, incluiu-se a procissão marítima. A terrestre saía da sede da Colônia, com a imagem de São Pedro carregada em andor e acompanhada pelos devotos em prolongados cantos litúrgicos pelas ruas do bairro. A partir de 1937, com a construção da igreja, passou a sair da Rua Neves Armond. A cerimônia marítima entrou na programação com a chegada dos barcos a motor, nos anos 50. Dezenas de baleeiras seguiam a barca-mãe que levava o padroeiro da prainha até a Ilha do Príncipe. Depois, dirigiam-se para a frente do Convento da Penha, onde se estendia a rede de São Pedro e os anzóis eram benzidos. Com o aterro, no início da década de 70, o cortejo passou a sair do terminal pesqueiro. No final dos anos 80, devido à tragédia do Bateau Mouche, na Baía da Guanabara, a Capitania dos Portos suspendeu a procissão por alguns anos, só retornando em 1993.

Anos antes, porém, a festa, que então era organizada com sucesso pela igreja e pela Colônia de Pescadores, deixou de ser uma só: uma — a da paróquia — passou a ocupar o espaço físico da rua Neves Armond, e a outra, a rua Almirante Tamandaré, sob os auspícios dos pescadores. Recentemente, a partir de 1997, o festejo deixou o centro do bairro e mudou-se para a Praça do Papa, na Enseada do Suá, numa parceria entre a colônia e a prefeitura de Vitória. O evento, assim, perdeu o caráter comunitário e ganhou contornos cosmopolitas, arrastando multidões para os shows artísticos e culturais nos quatro dias de comemoração. "Hoje é uma festa da cidade, e não mais só da Praia do Suá", ressalta Zezito Maio.

O fato é que a igreja preferiu dar à manifestação festiva um cunho mais comunitário, achando na época que a comemoração estava dando mais ênfase ao profano e ao comercial do que ao religioso. Já os pescadores decidiram seguir o processo de crescimento do bairro, dando novas características à parte popular da Festa de São Pedro. Logo, é difícil prever se os dois lados voltarão a se unir. Mas, como para o santo apóstolo nada é impossível...

 

Fonte: Praia do Suá – Coleção Elmo Elton nº 9 – Projeto Adelpho Poli Monjardim, 2002 – Secretaria Municipal de Vitória, ES

Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas

Secretária de Cultura: Luciana Vellozo Santos

Subsecretária de Cultura: Joca Simonetti

Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato

Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lígia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira

Editor: Adilson Vilaça

Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier

Revisão: Djalma Vazzoler

Impressão: Gráfica Sodré

Texto: José Carlos Mattedi

Fotos: Raquel Lucena

Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Folclore e Lendas Capixabas

A campina do ouro - Por Maria Stella de Novaes

A campina do ouro - Por Maria Stella de Novaes

Aventuravam-se apenas os colonizadores a algumas entradas, para a descoberta de minas auríferas e pedras preciosas. Dirigiam-se, porém, quase todas, para o Castelo e o Rio Doce

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo
Por que Peroás e Caramurus? - Por Areobaldo Lellis Horta

À garrida "oficialidade" ao passar a igreja da Misericórdia, onde está hoje o edifício da Assembléia, a guarda, postada à porta do Palácio, bradou "às armas" e o pequeno pelotão ali existente, formou, sob o comando de um sargento

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Ver Artigo