Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Festas Juninas – Por Seu Dedê

Festa Junina na Barra do Jucu - 1980. Mestre Clê e sua sobrinha Joana Maria. Acervo: Francsico Mascarenhas de Barcellos

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho.

Havia sempre uma ou outra casa para comemorar esses dias.

Com frequência a casa do Barros, pai de Amilton, era para nós a mais perto e preferida. Lá, se brincava a noite toda comendo e bebendo. Havia, em abundância, a genipapina, o leite de onça e o quentão para beber; para comer, pés de moleques, cocadas, cuscuz, canjica, doces de aipim e de milho verde, milho cozido em espigas, batata doce e cana de açúcar assadas na fogueira e tudo o que se pode ter para que a festa seja a melhor e a mais divertida possível.

No meio da rua, uma grande fogueira crepitava enquanto soltavam bombas e foguetes, e eram preparados balões de diversos formatos e tamanhos.

Em volta da fogueira brincávamos de roda e cordão do Itororó. No final, quando a fogueira já estava quase toda queimada, era a hora de batizá-la e pular por cima. Um casal circulava a fogueira, sendo o homem num sentido e a mulher no outro; ao se encontrarem diziam:

- São (o nome do santo do dia), mandou que batizássemos a fogueira: quer ser meu compadre?

- Sim!

- Agora somos compadre e comadre para toda a vida.

De fato, tive muitas comadres e as chamadas de comadre.

Não podemos esquecer as célebres quadrilhas, que eram disputadíssimas. Pouca mudança para as de hoje, porém, a famosa era sempre a de Aribiri que ocorria no dia de São João, no pasto do sítio da família de Dona Maria Vereza. Incentivada pela família, era organizado o festejo. Uma grande arena era cercada com varas enfolhadas de bambu, tendo ao centro a tradicional fogueira, ao redor da qual a garotada se divertia. A platéia, ansiosa, aguardava a hora do casamento, depois do qual havia a apresentação da quadrilha.

Já se ouve ao longe o som do berrante anunciando a chegada da noiva acompanhada de seus pais. Dentro da arena o padre e o delegado retém o noivo que tenta escapulir. Eis que surge a caravana com os integrantes da quadrilha cantando “Mestre carreiro como se chama esse boi? – É a saudade de um amor que já se foi...”, vão seguindo atrás do  carro de bois, a condução da noiva e de seus pais.

Ao saltarem do carro, começa a representação do noivo que quer fugir e do delegado e pai da noiva portando uma grande espingarda de cano grosso (cravinote), tenta e consegue convencer o rapaz a se casar. Oficializado e realizado o casamento, começa a apresentação da quadrilha ao povo.

 

Nota: O autor era carinhosamente conhecido por Seu Dedê

 

Fonte: Memória do Menino... e de sua Vila Velha – Casa da Memória Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha-ES, 2014.
Autor: Edward Athayde D’ Alcântara
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2020

 


Folclore e Lendas Capixabas

O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo