Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

Luiza Grinalda

Desprezada, nas doações das primitivas Capitanias, a famosa lei mental, contrária à sucessão de mulheres, pode uma, segundo dissemos, destacar-se como “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589, à viúva D. Luiza Grimaldi ou Grimalda. Serviu-lhe de adjunto Miguel Antônio de Azeredo, capitão de ordenanças.

Foi a doadora do sítio onde os franciscanos construíram, em Vitória, o convento; bem assim, o monte, com a ermida a S. Francisco e a capela N. S. da Penha, na vila do Espírito Santo, como tudo ficou registrado na Câmara de Vitória.

Não lhe correram os dias de governo sem graves cuidados, pois até piratas da expedição de Tomás Cavendish, de volta de Santos, atacaram em 1592 o Espírito Santo. Foram, porém, rechaçados, graças, em parte, a um forte, cuja construção, em Vitória, Anchieta aconselhara. Hostilizado foi também Olivier Van Noord; circunavegando o mundo, pretendera abastecer-se no rio Doce.

Tendo Francisco de Aguiar Coutinho obtido que a Capitania lhe fosse adjudicada com direito de senhorio, D. Luiza Grimaldi ou Grimalda entregou o governo a Miguel de Azeredo, com patente de Capitão-mor, e retirou-se para Portugal. Recolhida ao convento do Paraíso, em Evora, depois em 1626, contando 85 anos de idade, no processo da beatificação do Padre Anchieta. Nesse depoimento recordou como sempre se valera, na administração, dos conselhos desse jesuíta.

Nunca esse dedicado padre deixou de vibrar, interessado pelo progresso desta Capitania, donde, pouco depois de a Governadora haver partido, escrevia: Nesta, do Espírito Santo, encontro agora muita perturbação entre os portugueses, uns com os outros, sobre pretensões de ofícios e honras; e com os nossos, porque não lhes concedemos que façam dos índios cristãos à sua vontade, querendo servir-se deles a torto e a direito". Faleceu esse venerável jesuíta a 9 de junho de 1597, em Reritiba, depois Vila Nova Benevente, atual cidade de Anchieta. Foi a figura central de nossa história, nesse primeiro século da colonização, envergando modesta sotaina, por vezes, de retalhos de velas náuticas, mal tingidas... Sepultado em Vitória, à entrada da capela-mór, sob o arco cruzeiro da igreja de Santiago, em lugar assinalado hoje no Palácio do Governo, perderam-se seus restos mortais, depois que o Geral Aquaviva mandou, em 1611, transportá-los para a Bahia.

Miguel de Azeredo iniciara seu governo promovendo uma grande expedição contra os goitacazes, ao sul. Mais, uma vez fora preciso afastar o perigo dos índios vingativos. Oito engenhos viu, depois, Francisco de Aguiar Coutinho produzindo em sua donataria.

De par com as dissensões que Anchieta tanto combatia, outro jesuíta antevia próxima, de novo, a decadência da Capitania, pelas constantes expedições ao sertão, em busca de infelizes indígenas, descidos sob falsas promessas de virem, como os padres faziam, para os aldeamentos do litoral. Enaltecidos pelos jesuítas, teriam esses aldeamentos constituído quistos de diferenciação étnica e cultural, desfavoráveis à obra de unificação da colônia, malefícios que, no dizer de Fernando de Azeredo, as "bandeiras" depois evitaram e corrigiram.

Não deixaram de produzir alguns males as sucessivas jornadas que, na aventura dos descobrimentos, se internavam, de preferência, pelo rio Doce. Antes de findar esse primeiro século da colonização, ainda subira Diogo Martins Cão, o Matante Negro, a mando do governador geral; acompanhou-o Francisco de Proença, bandeirante do sul espírito-santense, filho de um degredado pelo rapto de uma freira, no Reino; seguira Diogo Gonçalves Laço, insistindo no roteiro de Diogo Cão; e aventurara-se, finalmente, Marcos de Azeredo Cantinho, sobrinho de Belchior de Azeredo, o rico fazendeiro a quem Mem de Sá confiara a capitania... Nem todos voltaram como este, trazendo da serra que resplandecia muito, junto de um grande rio, nas proximidades da temida lagoa de Vapabussu, pedras capazes de arrancar da Corte maravilhada, entre, outras mercês, uma tença anual de 40$000... Os outros voltaram, como Diogo Cão, na mais lastimável miséria...

Mais felizes, os jesuítas colhiam sempre bom êxito das entradas em prol do ideal cedo previsto pelo cronista da expedição de Cabral, diante dos primitivos habitantes da terra: — "O melhor fruto que nela se pode fazer me parece que será salvar esta gente; e esta deve ser a principal semente que V. A. em ela deve lançar"... Dessas entradas, contudo, pelo menos uma provocou um pleito judicial; a do Padre Antônio Dias. Partindo de Reritiba em 1594, recusou-se, na volta a entregar índios reclamados como escravos fugidos.

No Espírito Santo, a história desse primeiro século girou, como se viu, em torno da aventura das incipientes jornadas e do trabalho metodizado dos jesuítas. Aquelas acabaram desorganizando algumas grandes culturas, estabelecidas, a muito custo, com labor de numerosos escravos: no século seguinte os jesuítas lamentariam terem desaparecido extensas propriedades como as haviam tido, cultivadas, o donatário casado com D. Luiza Grimaldi, Belchior, Marcos e Miguel de Azeredo.

À entrada, a jornada ia, desde logo, fazendo sentir a influência depois atribuída às grandes bandeiras, guiadas com rumo a oeste: — "Desfeudalizava a economia da casa grande, golpeando de morte a aristocracia agrária do litoral". No Espírito Santo, desfariam elas, principalmente, os efeitos da obra jesuítica de segregação, em grandes aldeamentos. Não puderam, todavia, ser aqui, nesse primeiro século, fatores de fixação ou civilização. Visando sempre os pontos longínquos do sertão, onde afinal descobririam as Gerais, mesmo no tocante ao desenvolvimento material nenhuma importância tiveram na civilização do território, por último, espírito-santense.

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo, ano 1945
Autor: Mário Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho/ maio/2015

Matérias Especiais

As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
Vasco – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Em Vitória foi erguido um templo a N. S da Conceição. Foi construído no prolongamento da Rua da Praia no ponto onde a Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência 

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Vasco e os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo