Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Florentino Avidos: estradas e pontes

Ponte Florentino Avidos.

“Governar é abrir estradas”. A frase é atribuída a um presidente brasileiro, Washington Luís, cujo mandato coincidiu com os últimos quatros anos da República Velha – 1926-1930. Seu autor, todavia, poderia perfeitamente ser o presidente Florentino Avidos, que administrou o Espírito Santo entre 1924 e 1928. Nesse quadriênio, os recursos disponíveis foram destinados à construção de rodovias pontes e pontilhões por todo o Estado, ligando vilas e cidades do interior entre si e à capital.

É bem verdade que, no governo de Bernardino Monteiro (1916-1920), iniciativas nesse sentido haviam sido tomadas. Recorrendo ao trabalho de presidiários, esse presidente levou a cabo a construção, entre outras, da estrada entre Santa Leopoldina e Santa Tereza. Antes mesmo que Vitória tivesse automóveis, pequenos caminhões trafegavam por essa via, transportando café até o porto do Cachoeiro, no Rio Santa Maria.

Entre as 35 estradas abertas no governo do presidente Avidos, as mais importantes, seja pela extensão seja pelas regiões interligadas, foram: Vitória a Cariacica, Cariacica a Santa Leopoldina, Santa Tereza a Vitória. Quase todas as regiões do Estado passaram a ter comunicação entre si.

Quanto às pontes, foram 29 no total. Destacam-se no conjunto, a interestadual sobre o Rio Itabapoana, em Bom Jesus do Norte, a sobre o Rio Doce na atual Colatina, e o pontilhão sobre o Rio Santa Maria, em Santa Leopoldina.

Na ilha de Vitória, foi montada a Cinco Pontes. Pela primeira vez, a capital estaria ligada ao continente por via terrestre. Batizada, com o tempo, de ponte Florentino Avidos foi, para a época, uma obra gigantesca. Sua estrutura, toda metálica, foi construída na Alemanha.
No processo de modernização e embelezamento de Vitória, o presidente Ávidos alargou e calçou ruas, planejou novos bairros, fez escadarias e construiu edifícios públicos: Mercado Municipal, Teatro Carlos Gomes, escolas etc. Continuando o trabalho de seu antecessor, Nestor Gomes (1920-1924), que havia instalados serviços telegráficos por cabos submarinos entre Vitória e Rio, Florentino Avidos deu impulso ao sistema de telefonia urbana.

O porto de Vitória sofreu mais uma reestruturação. Armazéns foram construídos e novas aparelhagens foram instaladas: guindastes, pontes rolantes, embarcações e linhas férreas. O cais foi dragado, alargado e dotado de serviço de rebocadores submarinos.
No interior do Estado, foram construídas escolas nas atuais cidades de Cachoiero, Alegre, Santa Tereza, Castelo, Baixo Guandu, Santa Leopoldina, Ibiraçu, Colatina, Muqui, Viana, Afonso Cláudio etc. O esforço pela expansão do ensino, iniciado no governo Jerônimo Monteiro, apresentava resultados surpreendentes. Os números oficiais indicam que, em 1908, havia 124 escolas e 3.672 alunos matriculados no Espírito Santo. Em 1928, existiam 1.001 estabelecimentos escolares e 49.313 matrículas. Foi de fato, como afirma Luiz Derenzi, “a mais bela cruzada” empreendida pelos governantes da época.

Para tantas realizações, Florentino Avidos contou com a alta do preço do café no mercado externo. A mesma sorte não teve o seu sucessor e herdeiro político. O presidente Aristeu Borges de Aguiar, empossado em 1929, enfrentou dois grandes problemas. Primeiro, a gravíssima recessão econômica, decorrente da crise mundial do capitalismo – o crack da Bolsas de Nova York – e que significou uma queda brusca nos índices de exportação do café. Secundariamente, o surgimento de uma frente política de oposição, que o levou ao exílio – era o feflexo dos acontecimentos em nível federal.

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – UMA ABORDAGEM DIDÁTICA E ATUALIZADA 1535 – 2002 
AUTOR: JOSÉ P. SCHAYDER

LINKS RELACIONADOS:

>> Jerônimo Monteiro: o culto à personalidade
>>
 
Pacto entre as elites
>>
 
Governador Aristeu de Aguiar 
>> Origem da família Monteiro
>>
 
A oligarquia dos Monteiro  
>>
 
Santa Leopoldina 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1560 – Por Basílio Daemon

Parte da Bahia, o governador geral do Brasil Mem de Sá, que ia ao Rio de Janeiro com o fim de expulsar Villegaignon e mais franceses  

Ver Artigo
Ano de 1558 ainda – Por Basílio Daemon

Fernão de Sá, desembarcou à margem do rio Cricaré, hoje São Mateus, unindo-se logo às forças que o donatário Vasco Coutinho enviara a auxiliar as de Mem de Sá   

Ver Artigo
Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Ver Artigo
Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo