Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Governos “de esquerda”?

Partidos Políticos

A chegada de Gerson Camata ao Palácio Anchieta, em 1983, restaurava a democracia no âmbito estadual. Ele representou, para os eleitores, a renovação na vida política capixaba: era jovem, “peemedebista” e primeiro descendente de italianos a governar o Estado.

Um articulista do jornal A Gazeta assim definiu o novo governador: “embora seja considerado uma espécie de ‘filho do milagre econômico’, com origens políticas na Arena do ex-governador Eurico Rezende, Camata foi uma das caras novas colocadas pela oposição no poder”.

As outras “caras novas” colocadas no poder foram, pela ordem: Max Mauro (1987-1990), Albuíno Azeredo (1990-1994) e Vitor Buaiz (1994-1998). Todos foram eleitos, democraticamente por partidos considerados progressistas ou, como se diz no linguajar político, “partidos de esquerda” ou de “centro-esquerda”. Os partidos desses governadores eram, respectivamente, o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), o PDT (Partido Democrático Brasileiro) e o PT (Partido dos Trabalhadores).

Na doutrina e nos programas dos partidos, “de esquerda”, a preocupação central é o bem-estar social da população. Chegando ao poder, deviam, portanto, priorizar os investimentos na área de saúde, educação e segurança pública. A questão, para eles, era resolver o seguinte dilema: adiantava haver progresso na economia estadual se a população não se beneficiava dele? Concluiu-se que não fazia sentido o progresso econômico sem os correspondentes benefícios sociais.

Nesse sentido, era preciso tomar medidas para compensar a “dívida social” herdada do “milagre econômico”, que contribuiu para a concentração de riquezas e de rendas nas mãos de pessoas e de grupos.

Será que os “governadores de esquerda” cumpriram as doutrinas e os programas dos seus partidos? Vamos confrontar algumas opiniões.

Em 2000, em artigo publicado em O Estado de S. Paulo, o cientista político João Gualberto fez uma análise retrospectiva dos governos capixabas desde o fim da ditadura. Segundo ele, esses governos representaram “uma sucessão de nomes impensável no passado agrário e coronelesco do Estado”.

Se essa análise contém uma interpretação coerente dos fatos, o que dizer desta outra, feita em abril de 2001, pelo colunista André Hess de A Gazeta:

“O PDT e o PT não chegaram a governar de fato o Espírito Santo. Os governadores Albuíno Azeredo e Vitor Buaiz foram eleitos numa frente de centro-esquerda, com propostas progressistas, mas, uma vez no poder, fizeram alianças com as forças mais conservadoras, incrustadas na Assembleia Legislativa.”

Tratando-se de um passado muito recente da história capixaba, faltam-nos elementos para tirar conclusões definitivas. Mesmo porque, em história, nada é definitivo, tudo está em construção.

 

Fonte: História do Espírito Santo – Uma abordagem didática e atualizada 1535 – 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012 

Especiais

UFES - Discurso do Reitor na visita do Presidente Castello Branco (1964)

UFES - Discurso do Reitor na visita do Presidente Castello Branco (1964)

Não logrou a Universidade do Espírito Santo a sua sede própria e angustiada por problemas de difícil solução.Com exceção das Faculdades de Medicina, Politécnica e de Odontologia, todas as demais, inclusive a Reitoria, funcionam em acomodações tomadas de aluguel

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Oferecido pelo sócio Basílio Daemon Carvalho,1800

Termo de batismo de Rodrigo, filho legítimo do governador da capitania do Espírito Santo, Antônio Pires da Silva Pontes Leme

Ver Artigo
A volta do presidencialismo

A relativa calmaria política trazida com o parlamentarismo logo cedeu lugar ao clima de golpe

Ver Artigo
A dobradinha Jan-Jan – Por Vitor Amorim de Angelo

Durante todo seu governo, Juscelino Kubitschek tentou equilibrar-se entre os dois projetos em jogo

Ver Artigo
Campanha da Legalidade – Por Vitor Amorim de Angelo

João Goulart estava em Cingapura quando recebeu a notícia de que Jânio havia renunciado 

Ver Artigo
Democracia e golpe

Henrique Teixeira Lott deixou o ministério da Guerra no início de 1960 para disputar as eleições presidenciais de novembro

Ver Artigo