Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Guananira - Por Marilena Soneghet

Mestre Álvaro visto do Morro do Moreno

Todo ilhéu vive impregnado de mar, sol e céu. É uma relação profundamente amorosa.

Para nós, capixabas, esse abraço do mar é puro aconchego. Quase um ninho. Em torno da ilha, lá pela Estrada do Contorno, não é o "açudão danado de grande" - como disse o caipira ao ver o mar pela primeira vez -, o que vemos; é só um a/braço desse mar, o suficiente para cingir a ilha com ternura e trazê-la ao continente, num eterno namoro.

De aspecto totalmente diferente do das praias de areias douradas do lado leste, ali o manguezal extenso, de rica fauna, com sururus, mexilhões, camarões, caranguejos, peixes vários, possui uma floresta de troncos e raízes expostas retorcidas, através de cuja folhagem, que os raios do sol mal trespassam, entre silêncio e solidão, brincam luzes, sombras, silhuetas. Brinca a vida!

Dali, a espraiar-se, algumas campinas verdejantes e, logo, palafitas, o casario, o comércio, o movimento intenso até chegar-se - por um lado ao porto, pelo outro às praias e ao mar. Ao mar, mar, mar e mais mar a alongar nossa vista aos confins de um céu pincelado dos mais belos azuis. De madrugada, em laivos dourados; ao sol a pino, em azul profundo; ao entardecer róseo, lilás e - imprevistas e inacreditáveis, entre nuvens -, nesgas de céus esmeraldinos, translúcidos, como se o olho verde de Deus viesse dar uma espiadinha. A cada momento mutantes luzes, claridades, nuvens viajeiras. E o vento...

Ah, os ventos que brincam pela ilha, levantam areia, silvam, despenteiam, derrubam, travessos, as roupas do varal, sacodem palmeiras, sopram frios do sul, trazem chuva, vêm quentes do norte e do nordeste assoviando cantigas. Os ventos do mar afoitos, selvagens!...

E chegamos à orla. Vestida como uma fortaleza com sua muralha de arranha-céus, quem sabe no afã de defender-se - ainda - de velhos conquistadores: holandeses, franceses (que hoje vêm como turistas - e são bem-vindos) sim, porque "conquistadores" dons juans não faltarão para essa donzela faceira, cheia de charme e poesia.

Charme e poesia que se repetem subindo escadarias e ladeiras, aninhando-se nos morros de coloridas casinhas, varandas, balcões, que lá do alto se extasiam com a visão única de suas sensuais sinuosas enseadas, seus filhotes de ilha, a beleza feérica de luzes ao anoitecer.

Charme e poesia que lhe conquistaram o epíteto de "cidade presépio". Assim é! Um lindo presépio onde um povo acolhedor, simpático, educado e pacífico (por vezes um pouco reservado) vive e constrói seu dia-a-dia com garra.

Se de um lado é o mar, é o mar, é o mar e o sem fim de horizontes, que atrai o olhar, do outro, são os morros, os morros, os morros e as serras.

Morro do Martelo, Morro da Fonte Grande, Pedra dos Olhos, Pedra da Cebola, Morro da Piedade, e emoldurando a paisagem, o Penedo, de sentinela, o Moreno de tantas travessuras, o Morro do Convento, o Mestre Álvaro com ares de avô e, complacente olhar (põe chapéu, tira chapéu de nuvens, comandando as chuvas)... a Serra do Mar a azular o infinito - que infinito é o olhar de sonho que vagueia e amorosamente viaja sem sair do lugar.

Sim; eu me desmancho em louvores. Porque como todo capixaba sou enamorada; sou "coruja" dessa ilha deliciosa - nossa ilha maravilha (brilha, trilha, bilha, filha, milha, pilha, quilha, novilha. cartilha, lentilha... e haja "ilha"! ) porque para louvá-la são "precisas" todas as palavras - não apenas no sentido de precisão, mas no de exatidão. Porque na minha cart/ilha (ouve filha), no quilha do amor que sustenta esse barcoração que nos navega por m/ilhas e m/ilhas, Vitória, nossa Guananira - como a chamavam os índios - era e continua a ser a "ilha do mel" - doçura que se espraia, que invade a Grande Vitória, que cativa a quem desse mel prova - e comprova seu feitiço e seu quebranto.

Morei uma vida no coração de Vitória, ao lado do Carmo (colégio que frequentei dos quatro aos dezessete anos), me vesti de anjo nas procissões, pulei carnaval no Clube Vitória, andei de bonde pra baixo e pra cima, brinquei e namorei no Parque Moscoso, pulei corda na pracinha, desci ladeira em carro de rolimã (atropelei o professor de inglês - Luis Von Schilgen), tomei banho de mar na Praia do Suá, mansa que nem, sorvete no Bob's, dei uma "esticada" no Blitz, fiz "footing" toda arrumadinha e cheirosa pela Jerônimo Monteiro, assisti Eva Tudor no Teatro Glória, "Tarde demais para esquecer" no Cine Santa Cecília, fui professorinha no "Ernestina Pessoa", entusiasta bandeirante - "semper parata" -, aluna da "Fafi" (onde era a faculdade), casei na Igreja de São Francisco (na capela particular do Arcebispo, então Dom João Batista da Motta e Albuquerque), depois sumi pelo mundo com a nova família que formei (tivemos cinco filhos), levando sempre a saudade imensa, o visgo do mel, o sal do mar, o calor do sol, o vento nos cabelos (por isso jamais estou penteada), os lampejos do mar nos olhos, o amor no coração.

Vitória, te amei, te amo, te amarei. E, mesmo que jamais voltasse, seria tarde demais pra te esquecer!

 

Fonte: Vitória, Cidade Sol – Escritos de Vitória nº 25, Academia Espírito-Santense de Letras e Secretaria Municipal de Cultura, 2008
Autora do texto: Marilena Soneghet, nasceu em Vila Velha – ES, em 1938. Formada em Pedagogia. É pintora, poeta e cronista. Pertence à AFEL.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2020

Curiosidades

A Lagoa Juparanã  – Por Monsenhor Pedrinha, em 1891

A Lagoa Juparanã – Por Monsenhor Pedrinha, em 1891

Juparanã, Juparanã, deu-te tudo a natureza, só te não deu lágrimas para chorares o desprezo dos teus!...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De um céu sempre azul - Por Marlusse Pestana Daher

Os "lambe-lambes", que entregavam fotos de tal qualidade que contam hoje com mais de setenta anos em perfeito estado

Ver Artigo
Guananira - Por Marilena Soneghet

O Mestre Álvaro com ares de avô e, complacente olhar (põe chapéu, tira chapéu de nuvens, comandando as chuvas)...

Ver Artigo
Ano de 1799- Por Basílio Daemon

Obtendo por muito favor a que fossem postas do outro lado da vila, no lugar chamado Pedra d’Água, e com mais dois filhos do mesmo Brás Gomes

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Moritz Rugendas

Permanece a curiosidade em identificar os desenhos que Moritz Rugendas executou no Espírito Santo

Ver Artigo
Ano de 1771 - Por Basílio Daemon

Abrindo um largo canal em rocha viva e em uma grande extensão, como se vê no campo da Fazenda do Centro

Ver Artigo