Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Guaxindiba – Por Maria Stella de Novaes

Itaunas - 2012

Na sinuosa curva do litoral distante, aparece, ao norte de Conceição da Barra, a Praia de Guaxindiba, extenso lençol de areia, beijado, a leste, pelo Atlântico, e bordado, no cômoro, de vegetação rasteira. Forma, na fímbria alvacenta, uma orla verde-escura, serpenteante, pelo litoral em fora.

Local admirável!

Infunde um infinito de atração, ao olhar que a devassa; graciosamente soltas, descuidosamente esparsas, as mimosas conchinhas bivalves, estriadas, espiraladas, ebúrneas, etc. marchetam a esteira ampla da costa.

Apolo doira-lhe do seu áureo carro, quando nascente, e ressalta um oásis, que a imaginação matiza, com as miragens da ilusão. Depois, do zênite descem ígneos e tremeluzentes os estos, em ziguezagues: formam espirais, num quadro forte e singular.

Na predisposição do nosso pensamento, no estado apreensivo do espírito ou na visão da nossa alma, aparecem, além, figuras, panoramas e cenas que, de longe, se nos afiguram belas e, às vezes, trágicas!

Primaveril, ou verânica, bafejada pela brisa do nordeste, à tarde, Guaxindiba é linda, linda, sonhadora, cheia de mistérios!...

 

* * *

 

O viajante, que percorre o sertão de Itaunas, procura, certamente, visitar a GRUTA MARAVILHOSA, porque, além de admirável, apresenta-se-lhe como acervo de raridades interessantes e preciosas.

Sombreada de gigantes e frondosas árvores, engasta-se na base de íngreme encosta, que apresenta largo e tosco pórtico, para o ingresso no seu recinto, extensa galeria onde correm, entre estalagmites, fios gélidos de água puríssima.

Do teto úmido, pendem estalactites brilhantes. Encontra-se, adiante, uma sala rústica e ampla, em cujas paredes estão caracteres e esculturas, talvez, milenares.

Existem, além, outros compartimentos inexplorados ainda, em conseqüência da rarefação do ar e intensa escuridão. Ouve-se, daí, um murmúrio semelhante ao cachoar de uma queda longínqua. Dir-se-iam doridos queixumes, perdidos nas noites do Tempo.

Empecilhos à exploração da gruta são a falta de acessórios próprios e o receio de répteis e insetos venenosos. Entretanto, pensamos; — quantas cenas, festas e sentenças, quantos conselhos não foram dados naquele rústico lar, entre as tribos aborígines, através dos tempos?

Dizem que foi residência dos pajés.

Denominaram-na: — GRUTA MARAVILHOSA.

 

* * *

 

Tempos remotos.

Cuidadosas, as tribos nômades dos aimorés velavam constantemente sobre — ao que diziam — a vinda dos homens brancos. Em todo o seu domínio, corria a notícia de que Itaunas, o jovem guerreiro valente e audaz, havia três luas, avistara além, no Grande Rio, velas pandas de naus lusitanas, — asas brancas de grandes aves, em demanda da terra, o que, na alma rude do íncola despertara apreensões e planos de revide. Por isso, intenso era o preparativo, para uma batalha próxima e temerosa.

Na azáfama dos guerreiros hábeis, na previsão dos velhos adivinhos dos tempos idos, de par com a glória de seus maiores, vencedores, nunca vencidos, demonstrava-se, em tudo, o desejo de castigar o hóspede importuno, que ousava transpor os umbrais da sua pátria. Moças ativas teciam canitares de penas tricolores, ao passo que as velhas fiavam os verde-amarelos fios de tucum, para as cordas fortes dos grandes arcos, até que, ao longe, na amplidão imensa da floresta ressoasse o canto delicioso do sabiá, despedindo-se do Astro-Rei.

 

* * *

 

Sentada numa rede de fibras sedosas, estava uma formosa brasileira, jovem e morena. Seus longos cabelos negros desciam, em madeixas bastas, pelo colo desnudo, onde brilhavam a riqueza das pedras num colar que herdara dos seus avós. Corpo esbelto e feições simpáticas formavam-lhe um conjunto de graça feminina. Tinha, nos lábios, o tom nacarado da flor de maracujá e, no sorriso angélico, o delicioso mel do uruçu.

Filha do pajé, aparentava dezoito anos de idade e chamava-se Guaxindiba. Era noiva de Itaunas, o jovem e audaz guerreiro.

 

* * *

 

Partira a expedição.

Dez vezes, o Sol beijara a terra de Cajubi, onde as mulheres rogavam a Tupã pela volta gloriosa dos seus homens queridos, esperançosas, no convívio das crianças e dos velhos combatentes, quando foram surpreendidas, com a chegada de Angelim, o guerreiro negro do Cricaré, que, ciente da ausência dos guerreiros de Cajubi, viera, com os seus, raptar Guaxindiba.

Debalde foram seus rogos e pedidos. E parece que a própria Natureza se associou ao sofrimento da virgem íncola, porque vieram a chuva e o frio do inverno, de par com o granizo, romper as frondes enormes e cair, rasgando as folhas da floresta opulenta. E, assim foi Guaxindiba!..

 

* * *

 

Uma tarde...

Iludindo a infame vigilância dos seus algozes, Guaxindiba conseguiu evadir-se.

Ágil, fugiu célere pela floresta, em busca do mar, onde julgava encontrar a expedição dos seus coirmãos. Aproximava-se do litoral, quando pressentiu a perseguição do nefando inimigo, ao seu encalço.

Desalentada, semilouca, lançou-se ao oceano! Perdeu-se, na fúria das ondas, em maré de plenilúnio. Preferia lutar com a morte, a trair a fé jurada ao noivo querido!...

Malograda, a expedição, veio encontrar o desânimo, a dor, a morte, na Gruta do Pajé. Mas, indômito, Itaunas procurou, logo, na floresta, os rastros do seu cruel inimigo, até que, exausto e triste, soube do inditoso fim da sua prometida! E a brisa levou os gemidos e os brados de vingança do seu coração dolorido, até que, um dia, entre o granito das rochas de um elevado cume, recurvado sobre o velho arco, pranteou sua amargura. Chorou, chorou tanto que se afogou no seu próprio pranto! E, de suas lágrimas, formou-se um rio que, serpenteante pela encosta, veio, murmuroso, pela floresta, em busca do mar.

Angelim, ao ver o cadáver de sua vítima inocente, chorou, de dor e remorso. E, transpassando o coração com uma aguda seta, morreu arrependido. De suas lágrimas, resultou igualmente um rio, pequeno e negro, que vem, súplice, lançar-se nas águas do Itaunas. Descem, unidos os seus cursos, até o Atlântico, em que ambos, irmanados, beijam a praia, onde se finou a virgem dos seus amores!

E, assim, na curva sinuosa do litoral distante, aparece, ao norte de Conceição da Barra, a Praia de Guaxindiba!

(Esta lenda foi colhida, pelo Sr. Manuel Cunha, em Conceição da Barra, e a nós oferecida pela Professora Glorinha Cunha, para este livro.)

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

A Lanterna do Itabira – Por Maria Stella de Novaes

A Lanterna do Itabira – Por Maria Stella de Novaes

Encerrava algo de misterioso aquele sítio distante, junto ao Itabira, em Cachoeiro do Itapemirim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carnaval em Muqui

Veja como participar do carnaval folclórico de Muqui!

Ver Artigo
Carnaval - Por Renato Pacheco

Segundo Paulo Vellozo, grande folião da década de 30, depois que se extingüiu o Pega a Nega, no Clube Vitória, surgiu o Solta a Nega, bloco de rapazes, que substituiu a velha guarda

Ver Artigo
Anchieta e seus milagres – Por Adelpho Monjardim

Muitos os milagres realizados por Anchieta; assim como os sucedidos com ele, reveladores do seu estado de Graças

Ver Artigo
O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo