Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Cerâmica tupi-guarani de 1.200 anos (Piúma) - Foto: Celso Perota

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos, na divisa dos municípios de Santa Maria do Jetibá e Santa Leopoldina.

Esses índios eram caçadores, com armas adequadas para matar animais de grande e médio porte, que estavam em vias de extinção. Nessas antigas habitações foram encontrados utensílios (artefatos) como pontas de projétil (flecha/lança), em pedra lascada. Estavam junto às inúmeras lascas que serviram como facas, raspadores, perfuradores, etc.

Essas pesquisas revelaram que, no período que vai de 7.000 a 6.000 anos antes da data presente (de 5.000 a 4.000 antes de Cristo), outras partes do Espírito Santo também eram habitadas por populações pré-históricas. Uma delas vivia na região dos rios formadores do Rio Jucu, no Município de Domingos Martins, e outra no vale do rio Fruteiras, nos municípios de Cachoeiro do Itapemirim e Vargem Alta. Antes de 5.100 anos atrás, o litoral tinha outro contorno. A partir dessa data, ele começa a ter a atual feição. As águas do mar sobem, proporcionando a formação das atuais baías, como a de Vitória, Guarapari e Nova Almeida.

Nas outras regiões litorâneas, as praias foram formadas com sedimentos arenosos que vieram dos rios Doce, Itapemirim e Itabapoana. Quando os contornos litorâneos se definiram, com a formação dos mangues e das restingas e, conseqüentemente, com um aumento considerável de recursos alimentares, essa região atraiu um grande contingente de populações indígenas para a região.

A maior parte das informações desse período vem de .antigas aldeias, que os índios chamavam de "sambaquis", que são depósitos de conchas, com restos de cozinha e esqueletos (o atual lixo). Eles estão localizados principalmente na baía de Vitória, na região dos rios Piraquê-Açu (Fundão e Aracruz) e Reis Mago: (Fundão e Serra) e no "delta" do rio Doce (Linhares e São Mateus).

No interior, as aldeias estavam localizadas em Castelo (Gruta do Limoeiro), Santa Teresa (Gruta em Nova Lombardia), Domingos Martins (Vale do rio Jucu) e entre os municípios de Santa Leopoldina e Santa Maria do Jetibá (Vale do Rio Santa Maria).

As pesquisas e datações a partir dos "sambaquis" da região da planície litorânea do rio Doce mostram que ela foi habitada pelos índios entre 4.600 - 4.200 anos atrás.

No período entre 4.000 e 2.500 da presente data, índios que ainda não conheciam a cerâmica, ou seja, não utilizavam utensílios feitos de barro, já estavam habitando as restingas litorâneas, nas proximidades dos mangues, lagunas e zonas pantanosas. Amplia-se a área de ocupação que cobre quase todo o litoral, desde o rio ltaúnas até o Rio Itabapoana. Nesse mesmo período, por outro lado, no interior do Estado o que havia eram índios caçadores, que moraram nos vales dos rios Reis Magos, Jucu, ltaúnas e Santa Maria.

Depois, entre o período de 2.500 a 1.500 anos atrás, a cerâmica já era utilizada pelos índios. E eles vão morar preferencialmente as áreas de restinga (terra boa para plantar mandioca), nas proximidades dos mangues e áreas pantanosas, por causa da pesca. Essa forma de vida perdurou por muito tempo. Essas aldeias estavam localizadas na faixa costeira do litoral norte, na Baía de Vitória e no vale dos rios Jucu, Benevente e ltaúnas.

No final desse período, a população indígena começou a ter aldeias fixas, habitadas por um período de três a quatro anos. Quando a terra cansava, procuravam outros locais para plantio e mudavam as aldeias para as proximidades. Assim, a coleta de frutos do mar deixa de ser a principal atividade dos índios do citado período. E a caça de animais de pequeno porte e o uso de milho, amendoim, mandioca e batata doce passam a ser sua principal fonte de alimentação.

As aldeias desse período estavam concentradas no litoral (baía de Vitória e Jacaraípe) e vales dos rios Reis Magos, Doce, Cricaré, Jucu e Itaúnas. Na planície litorânea os índios preferiam as áreas de restingas. Mas as pesquisas feitas no Município de Ecoporanga mostram que os índios também já habitavam a parte Noroeste do Espírito Santo.

A pedra é a matéria-prima para o fabrico de instrumentos dos índios e dentre elas o quarto é a rocha preferida para uma série de objetos, como' perfuradores, raspadores diversos e, no final do período, já ocorrem pedras com alteração pelo polimento.

A cerâmica encontrada em algumas aldeias não decoração. Suas formas também são simples.

A partir de 1.500 anos atrás começa o período cerâmico, de intenso povoamento do Espírito Santo e da ampliação das diversas manifestações ceramistas. É o período pré-histórico mais conhecido onde aparecem várias fases das três grandes tradições ceramistas da arqueologia brasileira: a tupi-guarani, aratu e a una.

O clima nesse período é praticamente estável, não sofrendo alterações consideráveis.

A agricultura é intensificada, nesse período, e desenvolvem-se outras formas de outras tecnologias básicas, notadamente a cerâmica.

A tupi-guarani é uma tradição arqueológica que se encontra em todos os estados brasileiros. No Espírito Santo é estudada através de três fases: a cricaré, a tucum e a itabapoana.

As aldeias tupi-guaranis eram constituídas de grandes casas que abrigavam de 60 a 70 pessoas, de uma mesma família.

A agricultura era praticada em larga escala, com o plantio de mandioca, e, no final do período, o milho, presença desse cereal é comprovada pela decoração plástica da cerâmica denominada "escovado", que resultado da impressão dos sulcos do sabugo de mi na pasta da cerâmica.

A tradição tupi-guarani é encontrada no vale do rio Doce e seus afluentes, no vale do rio São Mateus, no vale do rio Cricaré e em toda a faixa litorânea do Estado.

Pesquisas chegaram a uma data de 1.150 anos para a fase cricaré.

Essa cerâmica está associada etnograficamente aos índios falantes da língua tupi-guarani.

Outra tradição ceramista no Espírito Santo é a que tem uma delimitação geográfica entre a faixa litorânea, desde a baía de Vitória até a foz do rio São Francisco, pelo interior dos Estados da Bahia, Sergipe, Piauí e Goiás.

A tradição aratu está representada no Estado do Espírito Santo por quatro fases: jacaraípe, itaúnas, guarabu e camburi. Sobre essas duas últimas fases não há estudos detalhados devido à pequena quantidade de sítios encontrados. Foram obtidas duas datações para esta tradição: 850, 700 e 350 anos. Pelos dados etnográficos e etnológicos, a filiação dessa tradição é com os índios classificados na família lingüística malali, maxacali e pataxó.

A tradição una é estudada a partir de dados levantados no Estado do Rio de Janeiro, partes de Minas Gerais e do Sul do Espírito Santo. É das demais pelas características da cerâmica e pelo constante de sítios funerários.

A tradição una está representada no Estado pela tangui. Datações revelaram que entre 1200 e 1250 atrás ela já estava em desenvolvimento no Sul do Espírito Santo. Os índios que desenvolveram essa tradição foram os puris-coroados.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 19/08/1999
Autor do texto: Celso Perota
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

Índios

O Mestre Alvo, Vila de Almeida e os índios – Por Saint-Hilaire

O Mestre Alvo, Vila de Almeida e os índios – Por Saint-Hilaire

Em minha estada na Vila da Vitória, apresentei-me em casa do Governador da Província, ao qual fora recomendado

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

Os topônimos indígenas que identificam os nomes de rios, montanhas, serras, povoados e cidades no ES

Ver Artigo
A Igreja de São Tiago e a lenda do tesouro dos Jesuítas

Um edifício como o Palácio Anchieta devia apresentar-se cheio de lendas, com os fantasmas dos jesuítas passeando à meia-noite pelos corredores

Ver Artigo
As aldeias e os jesuítas no ES – Por Celso Perota

Um tema que está para ser estudado com maior profundidade é a atuação dos jesuítas na Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé

Ver Artigo
José de Anchieta e o Espírito Santo

O jesuíta visitou mais de uma vez o Espírito Santo quando em trabalho de inspeção aos colégios dos padres e seminários de instrução

Ver Artigo
Capitania melhora com a vinda de missionários

Primeiro foi Frei Pedro Palácios, franciscano. Depois vieram os padres jesuítas, o rei pediu sua ajuda para civilizar colonos e índios no Brasil

Ver Artigo
Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Entre os jesuítas que atuaram no Espírito Santo, destacaram-se Brás Lourenço, Diogo Jácome, Pedro Gonçalves e Manuel de Paiva, além do Padre José de Anchieta 

Ver Artigo
Anchieta, Cultura e Santidade

Ele veio para o Brasil com 19 anos, na companhia do segundo governador-geral, Duarte da Costa 

Ver Artigo
Jesuítas fundam o primeiro colégio

Afonso Brás foi assim o fundador do primeiro colégio da Capitania do Espírito Santo e também o primeiro professor de letras

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo
Os vários grupos de índios – Por Celso Perota

Habitaram a área do atual Estado do Espírito Santo representantes de dois troncos lingüísticos: o tupi-guarani e o jê

Ver Artigo