Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Heitor de Paula Beiriz - Por: Idalgizo Simão

Armazém da Família Beiriz em Iconha, ES

Ele faleceu numa data muito importante, 25 de março, dia da emancipação política de Cachoeiro de Itapemirim. E no dia seguinte foi sepultado no Jardim parque da Saudade, IBC, nesta cidade, onde estavam presentes amigos e familiares. A família deu uma demonstração de firmeza e fé: as despedidas foram muito comoventes. Não morreu, viajou, foi ao Pai.

O Prefeito José Tasso e outras autoridades compareceram ao velório na Capela Mortuária.

Iconhense e piumense de nascimento e de coração pois, no passado, Iconha e Piúma eram um só município e hoje são dois num só povo.

O Sr. Heitor era filho do Capitão Otávio Olegário de Paula Beiriz e Sra. Lucinda Bourguignon Beiriz, sendo neto do Coronel José Gonçalves da Costa Beiriz, um dos fundadores de Iconha.

Foi grande líder, articulador e estrategista político. Secretário e Tesoureiro da Prefeitura, Juiz de Paz ou distrital e Delegado de Polícia, cujas funções exerceu com muita lisura e honestidade.

Eleito vereador e bem votado, teve excelente atuação na Câmara Municipal de Iconha, onde sempre defendeu os interesses do povo. E apoiou, com muito entusiasmo, a luta pela emancipação de Piúma.

Era proprietário, com outros sócios, da firma Heitor & Cia, em Iconha, na rua Muniz Freire, sendo muito solicitado para dar informações, conselhos sobre leis e histórias, acatado e respeitado por todos. Mesmo já residindo em Cachoeiro as pessoas o procuravam.

Casado no primeiro matrimônio com a Sra. Lilia Cardoso Beiriz, de saudosa memória, seus filhos: Zilá, Sely e Otávio. Com o falecimento da primeira esposa, casou-se com a Sra. Ricardina Miranda Beiriz, sendo seus filhos: Hericésio e Heitor e mais genros, noras, netos, netas e bisnetas.

Como grande historiador conservou e guardou, com muito carinho, um acervo histórico de Piúma, Iconha, Cachoeiro de Itapemirim, Presidente Kennedy (Igreja das Neves) e outros municípios.

Sem a sua colaboração, seria quase impossível a publicação do livro História de Uma Colonização – Iconha e Piúma.

Residia aposentado na rua Alziro Viana, 107, Aquidabam, na cidade de Cachoeiro, tendo dado valiosa cooperação à Edição História de Cachoeiro de Itapemirim – 1976, em cujo livro está a sua fotografia.

Sugiro às autoridades municipais que seja colocado o seu nome em uma das ruas de Cachoeiro, Piúma e Iconha, pois seria uma justa e merecida homenagem a um grande homem, que prestou inestimáveis serviços à coletividade e à cultura histórica do Sul do Estado.

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, nº 45, 1995
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2012 

Personalidades Capixabas

Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

A ausência de arquiteto foi lacuna marcante na reconstrução dos prédios. Poucas fachadas justificam sua presença nas paredes, que arrematam

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Doutor Lucilo, o Rei da Praia do Suá

Entre os anos cinqüenta e sessenta, duvido que existisse alguém em Vitória que vivesse a vida mais intensamente do que ele

Ver Artigo
O Centro de Vitória e sua revitalização - Por Gabriel Bittencourt

Muito do patrimônio histórico-arquitetônico, de que vale a pena preservar para a memória capixaba, localiza-se no Centro de Vitória

Ver Artigo
Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo
Carlos Fernando Monteiro Lindenberg (Nêni) e os Monteiro

Nêni recebeu da avó Riqueta, em 1919, uma função: “fazer o levantamento da escrita” da Fazenda Monte Líbano

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo III

Nasceu Jerônimo a 4 de junho de 1870, na casa-grande inaugurada em 1869, no batizado de Helena

Ver Artigo