Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Hermógenes - Ligação com as Criança

Ligação com as crianças

 

Hermógenes adorava as crianças, com as quais era sempre didático. Editou para elas as coletâneas Historinhas Ecológicas e Histórias de bichos contadas pelo povo. Além de formar leitores e contribuir para a consciência de uma relação de respeito e preservação am biental, essas obras de Hermógenes buscam também perpetuar lendas e estórias tradicionais, desenvolvendo nas crianças a imaginação, a criatividade e a percepção do fundo moral que elas contêm.

Hermógenes lamentava que a escola tradicional deixasse muito a desejar com a falta de tais ações, “porque a escola está muito distante da vida real”. Para ele, cultura popular é matéria que convém ser estudada na escola como disciplina obrigatória, todo dia, assim como a Matemática, o Português ou as Ciências. Isso porque considerava o que tanto asseverou o mestre folclorista Luís da Câmara Cascudo: “Ao lado da literatura, do pensamento intelectual letrado, correm as águas paralelas, solitárias e poderosas da memória e da imaginação popular”.  

Para o escritor e jornalista nativo da beira do Cricaré, Maciel de Aguiar, seu amigo Hermógenes “no fundo, foi criança de 10 anos a vida toda, debaixo de uma ingazeira no remanso de águas claras do Rio Angelim pescando... ouvindo o canto dos passarinhos pousados nas hastes dos juncos do brejo”.

Na crônica Diolindo, publicada na Revista Você, da Secretaria de Produção e Difusão Cultural da UFES, em junho de 1996, alguns dias após a morte de Hermógenes e em sua homenagem, tem-se uma idéia do garoto Hermógenes sertanejo já ambientado no folclore de sua terra. O texto é o seguinte:

Um dia mangangá entrou em casa, zunia, zunia, e saía pela janela e entrava de novo. Minha mãe disse: É visita que vai chegar. Meu pai acrescentou: É Diolindo que deu baixa e vem por aí com a cambada toda.

Quando chegou ao domingo, logo cedo eu fiquei inquieto. Ia lá ao porto e voltava, tornava a ir e voltava. Parava pra escutar se ouvia tropel de cavalo e nada. Minha mãe disse: Que tem esse menino hoje que não senta o cabo em casa?

Sentei num toco com os calcanhares na beira do toco, com a cabeça baixa, as mãos segurando as pernas, os ouvidos afinados pra ouvir qualquer barulho. Sereia deitada perto. Daqui um pouco ela levantou as orelhas e a cabeça. Ouvi também um barulho que vinha de longe, de muito longe, trazido pelo vento. Pulei do toco e subi correndo e gritando: Tão chegando! Tão chegando!

Quando desembocaram a vista da casa, eu vi que Diolindo vinha na frente, num cavalo ruço bonito. Riscaram os cavalos no terreiro e Diolindo me agarrou pelo braço e jogou no cabeçote do arreio, deu umas voltas pelo pasto, empinou o cavalo, saltou e me apanhou nos braços. – Tá doido, homem. Você mata meu filho! – meu pai gritou.

Todo mundo apeou tilintando espora. Diolindo largou as rédeas na minha mão e se agarrou com meu pai num abraço de alegria que não acabava mais de um suspendendo o outro. Depois sentaram nos bancos da sala e minha mãe serviu o café nas canecas de ágata, sem interromper o falatório e as gargalhadas. Eu estava em pé numa perna e o outro pé na parede, sem perder um movimento, e pensando quando eu ia crescer e ficar do tamanho deles pra ter um cavalo bonito de arreio enfeitado pra andar todo santo dia naquele mundo bom.

– E o Exército, Diolindo?

– Olha, Duca, no princípio eu me arreliei de andar ensapatado o dia inteiro e de perneira nas pernas. É o mesmo que botar arreio em cavalo novo. A gente fica desajeitado, todo apertado de tanta coisa que botam em cima da gente. Mas quando a gente acaba de aprender tudo que eles ensinam aí a vida fica boa. É só dar umas guardazinhas, comer, conversar fiado e dormir. A gente fica só esperando o dia da baixa.

Depois de toda aquela conversa, resolveram botar jogo de braço. No pulso e na cana ninguém conseguia dobrar o Diolindo. Meu pai, porém, botou o braço na mesa e levou o Diolindo no pulso e na cana, depois de alguns minutos medindo força. Rapaz, você precisa pegar de novo no cabo do machado pra criar sustança no braço, disse meu pai.

– Como é Duca, já ta na hora de começar a ensaiar o reisado. Tem um menino aí bom de goela que a gente tem de trazer pro nosso Reis. É o filho de Lindaurora, Pedro.

– É o Pedrinho de Aurora. É um moleque bom. Vai dar pra coisa. Mas os pandeiros tão aí, eu já fiz uns oito. Vamos mandar arranjar uma cabeça-de-boi. Um fole bom quem tem é o pessoal do Davi. Vamos esquentar os pandeiros, que cera de abelha eu tenho também. Tô prevenido pra tudo.

Riscaram os pandeiros e a cantoria começou. Pararam pro almoço e depois foi até a boca da noite, quando eles foram embora e ficou aquela zoeira da cantoria de toadas, de coco, de martelo, que parecia que ainda estava reboando pelas matas e pelo outro lado do rio.

 

Fonte: Coleção Grandes Nomes do Espírito Santo - Hermógenes Lima Fonseca, 2013
Texto: Bartolomeu Boeno de Freitas
Coordenação: Antônio de Pádua Gurgel/ 27-9864-3566 

Onde comprar o livro: Editora Pro Texto - E-mail: pro_texto@hotmail.com - fone: (27) 3225-9400

Matérias Especiais

Torta Capixaba Literária

Torta Capixaba Literária

A Torta Capixaba era composta por ingredientes culturais de peso como Guilherme Santos Neves, José Paulino Alves Júnior, Nelson Abel de Almeida, Renato Pacheco e outros mais

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Este livro não tem pretensões literárias. Aviso logo, de antemão ao Dr. Austregésilo de Athaíde, presidente da Academia Brasileira de Letras, que não me convide para concorrer a uma cadeira 

Ver Artigo
Dia da Mulher - Origem

O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher!

Ver Artigo
Dia Internacional da Mulher

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco

Ver Artigo
Raul Farol - Por Sérgio Figueira Sarkis

Era intermediário de agiotas, agenciando empréstimos às pessoas necessitadas; ora, fornecedor de navios aqui aportados

Ver Artigo
O assassinato de Reneê Aboab - Por Sérgio Figueira Sarkis

Uma dessas festas foi no Parque Moscoso, no casarão do desembargador Eurípedes Queiroz do Valle

Ver Artigo