Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Hic et nunc – Por Nena B.

Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853)

Aqui e agora. Maldição ou profecia? O naturalista francês August de Saint Hilaire, durante bordejos tropicais no século XIX, escreveu que "talento e instrução só chegarão à província do Espírito Santo com extrema vagareza". Passados mais de cento e cinqüenta anos, o que vemos? A cultura intelectual continua na província. Incapaz de criar situações além do previsível. Falta invenção. Falta ousadia. Vivemos de acompanhar a história, muito longe de interferências radicais. A dança continua careta. A música insossa - ou é mpburra, ou é jazz comportadinho, ou é subproduto de rock. O teatro... ah! o teatro. É verdade que as artes plásticas e a literatura saíram da ignorância e deram um pequeno passo além da normalidade. Mas ainda é pouco.

Numa retrospectiva poderíamos identificar apenas dois momentos em que a cultura de ponta" tentou se impor. Primeiro nos anos adjacentes ao hoje já obsoleto ano de 1968. Vitória tinha um eficiente Museu de Arte Moderna. O cinema vivia o seu único ciclo através da produção de mais de dez filmes de ficção realizados com tecnologia precária, porém com conteúdo rico e original. O teatro tinha qualidade e público. A música propunha estéticas novas. A poesia idem. Mais recentemente tivemos uma segunda tentativa. Numa dimensão menor - pois restrito praticamente à Ufes - o fenômeno "Balão Mágico" também mantinha a intenção de ruptura e ousadia criativa. E não restou nada. Ou muito pouco.

Hoje, além do sonho da Fundação Krajcberg, não se consegue identificar sinais de transformação por perto. Talvez uma boa promessa seja o vídeo, pelo seu poder e baixo custo.

Mesmo que ainda timidamente, têm sido realizadas produções que despertam interesse. A amplitude de sua aplicação como meio pode colocar a província em sintonia com o universo na área de cultura intelectual, e, queiram os deuses, longe do conservadorismo das teses pós-modernistas. Lembramos que Mc Luhan, via Shakespeare, já esclareceu que com a televisão "o palco é o mundo". Mundo que vive atualmente o seu momento crucial de contraste entre tecnologia e miséria.

No plano político nacional, os possíveis benefícios sociais dos ares renovados não garantem necessariamente um melhor ambiente para a arte de invenção. Além de possíveis mentiras impregnadas nos discursos, sabemos que historicamente a grande maioria das esquerdas têm medo das revoluções estéticas, como já dizia a vovó Glauber Rocha. A coisa tende a ficar restrita à cultura popular e ao realismo social. Precisamos de um panorama mais amplo.

Aqui na província talvez uma dieta resolva. Deverá incluir entre outras coisas - arroz integral, soja, cerveja e antenas parabólicas. Se liguem. Ou descolem um ticket para o Japão.

O autor é artista multimídia.

 

Fonte: Painel – Informativo Cultural, maio-junho/1989, Departamento Estadual de Cultura – Ano III – nº 05
Autor: Nena B.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2016

Curiosidades

Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo
Os açorianos em Viana/ES – Favores fiscais

A povoação foi oficialmente instalada a quinze de fevereiro de 1813

Ver Artigo
A transição para o caminhão – Por Ormando Moraes

O caminhão foi entrando mais lentamente, devido à falta de estradas, a partir da década de 20

Ver Artigo
A política brava – Por Jair Corrêa

Depois do fim do Estado Novo, em 1945, quando foram criados os novos partidos, eu entrei na política

Ver Artigo
As minhas histórias – Por Jair Correa

Meu pai era conhecido como "seu" Corrêa. O seu nome completo era Joaquim Corrêa. A minha mãe se chamava Vicenta Gimenez Corrêa

Ver Artigo