Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Histórias dos craques - Por Július César Carvalho Silva

Beto Pretti quando ainda era jogador do Rio Branco, anos 1950

Ouvir e contar histórias sempre é um bom passatempo. Quem não tem fatos interessantes para contar? Imagine, então, pessoas que foram consideradas ídolos no passado e que levavam multidões aos estádios. Estou falando de craques do nosso futebol, que fizeram a alegria de nossos pais e avós, e hoje não se cansam de falar das suas proezas nos campos. Craques que ajudaram a escrever parte da história do esporte capixaba.

São histórias maravilhosas como a que seu Adjalma gosta de lembrar. Ele, considerado um dos melhores goleiros de todos os tempos do futebol capixaba, se recorda com carinho do dia em que um time do Espírito Santo pisou pela primeira vez no sagrado gramado do Macaranã. Foi em 1955. Goleiro do Santo Antônio, não evitou a derrota para o Flamengo por 3 a 0. Mesmo assim, recebeu elogios da crônica esportiva carioca pelo seu desempenho. Hoje, seu Adjalma tem 69 anos e é administrador do Estádio Engenheiro Araripe, da Desportiva, último clube que defendeu.

Outro que também fez misérias embaixo das traves foi Jorge Reis. Goleiro do Rio Branco, conseguiu na década de 70 bater o recorde mundial de 1.604 minutos sem tomar gol, feito noticiado pela imprensa nacional na época. O recorde mundial já não pertence mais a ele, mas Jorge continua sendo lembrado e contando suas proezas. Hoje, aos 57 anos, continua trabalhando para evitar que a bola chegue às redes: é treinador de goleiros.

Já que o gol é o maior momento do futebol, o clímax, o gozo, Beto Careca, que jogou na cabeça-de-área do Rio Branco, fez um que certamente mereceria uma placa. Ele não se lembra bem quando foi. Sabe que aconteceu na década de 70, no Governador Bley, estádio do clube, que depois foi vendido para a Escola Técnica. O jogo era contra o Cruzeiro. Beto arriscou um chute quase do meio-de-campo e a bola encobriu o goleiro Raul, considerado como um dos melhores do futebol brasileiro. O gol Beto Careca não esquece. E certamente nem o Raul. O ex-jogador, com 44 anos, é fiscal da Prefeitura de Vitória.

Apesar de dono de um futebol requintado, o ex-ponta-de-lança do Rio Branco, João Francisco, prefere não contar detalhes dos gols que marcou. Ele gosta de contar a confusão em que o time se envolveu na Grécia, durante uma excursão, em 1974. O jogo era contra o Sparnatinakus e, quase no fim, o goleiro Pereira foi atingido por um jogador grego. Os ânimos se exaltaram, mas o pior foi evitado.

Tudo acalmado quando o treinador Beto Pretti resolveu se virar para a torcida, levantar a mão e fazer o sinal do V, numa alusão à paz e o amor. Os torcedores se revoltaram, jogaram foguetes contra os jogadores do Rio Branco e invadiram o campo. O pior só não aconteceu graças à intervenção da polícia. No hospital, onde alguns foram atendidos, o técnico foi informado que o sinal do V na Grécia era sinônimo de chifrudo, ou corno, como melhor desejar.

A história do futebol também é a história de quem fez o futebol. De quem tornou o esporte mais belo nos campos. Histórias de quem brindou olhos com lances mágicos, dribles divinos, gols sensacionais, defesas milagrosas, vitórias e derrotas memoráveis. Alguns desses magos do esporte, hoje simples mortais como nós, não se cansam de contar suas histórias, maravilhosas e deliciosas histórias que gostamos de ouvir.

 

ESCRITOS DE VITÓRIA — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Diretor do Departamento de Cultura - Rogerio Borges De Oliveira
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Conselho Editorial - Álvaro Jose Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Bibliotecárias - Lígia Maria Mello Nagato, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lourdes Badke Ferreira
Revisão - Reinaldo Santos Neves, Miguel Marvilla
Capa - Remadores do barco Oito do Álvares Cabral, comemorando a vitória Baía de Vitória - 1992 Foto: Chico Guedes
Editoração - Eletrônica Edson Malfez Heringer
Impressão - Gráfica Ita
Fonte: Escritos de Vitória, nº 13 – Esportes- Prefeitura Municipal de Vitória e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, 1996
Autor: Július César Carvalho Silva.
Nascido em Cachoeiro de Itapemirim (ES). Jornalista.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2020

O Esporte na História do ES

No Maracanã, 1950 e 2014

No Maracanã, 1950 e 2014

Elça Melo Soares, escritora de 92 anos que esteve na dramática final da Copa do Mundo de 1950 mostra suas lembranças daquele dia e suas esperanças para a Seleção Brasileira neste ano

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo
Fluminensinho, uma lição para a vida - Por Marcelo Bonfim Dessane

Os encontros continuavam na Prefeitura, perto da secular palmeira que enfeitava a praça, no bar do Olímpio, depois no Britz, na Sapataria Musiello

Ver Artigo
A influência do esporte na vida do ser humano - Vitor Buaiz

Da turma da Rua Sete nasceu um dos melhores times de futebol de salão da década: o Fluminensinho

Ver Artigo
Domingo de Remo - Por Július César Carvalho Silva

Domingo de regata de remo em Vitória é domingo diferente

Ver Artigo
Histórias dos craques - Por Július César Carvalho Silva

Tudo acalmado quando o treinador Beto Pretti resolveu se virar para a torcida e fazer o sinal do V numa alusão à paz e o amor

Ver Artigo