Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Humberto de Campos - Por Roberto de Abreu

Humberto de Campos - Desenho feito por Dilermando Lemos, 2010

Humberto de Campos Veras

Escritor, nasceu em Muritiba, Maranhão, a 25/10/1886, e faleceu no Rio de Janeiro, a 25/12/1934.

Com seis anos de idade foi levado por sua família para a Paraíba, no Piauí. Estudou no Externato de São José e no Colégio Saraiva. Em 1889 empregou-se como tipógrafo, na tipografia "O Comercial". A serviço da "Casa Trasmontana" e do "Jornal do Maranhão", voltou nesse mesmo ano ao seu estado natal. Em 1902 esteve novamente no Piauí. Em 1903 percorreu os rios Puruas, Madeira e Iuruá desempenhando incumbências recebidas de um escritório de Belém. Embora com a saúde abalada, visitou a seguir, obras contra a seca no Ceará, Piauí e Maranhão. Em 1908 volta ao Amazonas a fim de dirigir a exploração de seringais. As deploráveis condições de vida dos homens empregados nesse serviço revoltaram a Humberto de Campos, que escreveu sobre o assunto numa série de artigos para a "Folha do Norte", de Belém.

O valor do jovem escritor foi revelado por esses artigos ao Senador Antônio Lemos, que o fez seu secretário particular, redator da "Província do Pará", chefe de seção da Prefeitura da Capital, diretor da Secretaria do Conselho Municipal, Secretário da Comissão Executiva do Partido Republicano Paranaense e secretário da municipalidade. Em 1912, porém, com a queda do partido a que pertencia aquele senador, veio Humbeto de Campos para o Rio, passando a trabalhar na redação do "Imparcial". Em 1919 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. Entre os inúmeros livros que publicou, destacam-se:

- Poeira em 1911;
- Serra de Booz em 1918;
- Tonel de Diógenes em 1919;
- A Serpente de Bronze em 1921;
- A Bacia de Pilatos em 1923;
- A Funda de Davi em 1924;
- Antologia dos Humoristas Galantes em 1926;
- Alcova e Salão em 1927;
- Memórias em 1932;
- O Monstro e Outros Contos em 1932;
- O Brasil Anedótico;
- O Conceito e a Imagem da Poesia Brasileira;
- Crítica em 1933.

Deixou no prelo "Destino" e "Os Donos dos Nossos Versos".

Humberto de Campos escrevia as suas crônicas sempre impregnadas de um sentido humano extraordinário. A bem dizer nunca foi grande poeta, nem romancista, foi um dos maiores cronistas do Brasil.

Ao que consta, nunca veio ao Espírito Santo, apesar de ser homenageado com a denominação em Vila Velha de um espaço cultural com seu nome: Academia de Letras Humberto de Campos.

 

Por: Roberto Brochado Abreu - Membro da Casa da Memória de Vila Velha (31/07/2007)



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Rio da Costa

Rio da Costa

O Rio da Costa tinha ânsia de chegar ao mar. Desprezando os beirais dos lajedos do Morro do Batalha, seguia em frente, no sentido leste, numa linha reta ligeiramente sinuosa, sem perder de vista seu eixo, até atingir o local conhecido como Flechal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Ver Artigo
Tempos derradeiros do período colonial

A vida multiforme da capitania ao final do período colonial

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
O território do ES entre 1700 e 1800

Entre 1700 e 1800 o Espírito Santo perdeu a porção de território compreendida entre os rios Mucuri e Doce

Ver Artigo
Limites do Espírito Santo no período colonial

O instrumento para qualificar o ES é Carta de Doação de Vasco Fernandes Coutinho, assinada a 1° de junho de 1534

Ver Artigo