Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Imigrantes Italianos – Venda Nova dos Imigrantes

Fonte: Livro - Venda Nova do Imigrante de Máximo Zandonadi,1992

Percorri 70% desta caminhada e passo a relatar as mudanças que ocorreram nessa gloriosa época. Quem conhece a origem e o início dela, cem anos atrás, acha necessário que ela seja conhecida na posteridade. As famílias que colonizaram Venda Nova saíram, todas, da comunidade de Treviso, norte da Itália, sendo que lá não havia famílias bem assentadas; eram pobres e algumas passavam fome, trabalhando sob o regime feudal da agricultura latifundiária, nos grandes centros produtores de trigo e vinho. A maioria da população vivia marginalizada sob o comando dos latifundiários, donos de extensas áreas de terras. A classe operária não tinha perspectivas de melhoria se continuasse a viver na Itália. Sabe-se que diversas famílias que colonizaram Venda Nova (Falqueto, Caliman e Zandonadi), entre tantas outras, trabalhavam até 12 horas no serviço das lavouras de trigo e vinhedos e, à noite, ainda faziam artesanato. Para o sustento próprio, tinham apenas uma refeição por dia. Não havia diferença de nível entre os camponeses desta imigração. Pobres, honestos, com grande amor pelo trabalho e, principalmente, acostumados a enfrentar os maiores sacrifícios. A vinda para a América os fascinava. Antes que viessem para o Espírito Santo, com a epopéia de um patrício, o célebre Garibaldi, já tinham ido para o sul do país levas e mais levas de imigrantes, colonizadores de vastas áreas do interior do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. No Estado de São Paulo, com a crescente produção de café, os grandes fazendeiros tinham necessidade de reforçar a mão-de-obra e buscavam trabalho de alemães e italianos. Com relação ao Espírito Santo, cujo interior, quase todo, era formado por densas florestas, houve interesse do Governo Imperial em colonizar esta vasta região, através da doação de cinco alqueires de mata para cada imigrante, dividindo a região em territórios. Os que saíram de Treviso e vieram para o Espírito Santo chegaram aqui quando as regiões ao redor de Alfredo Chaves, mais cômodas e férteis, tinham sido ocupadas por imigrantes que haviam vindo de outras regiões da Itália. Os nossos familiares ocuparam a região da Estação de Matildes, no município de Alfredo Chaves e parte do município de Domingos Martins. As terras que eles ganharam não eram as terras dos seus sonhos que traduziam as Belas canções na Itália. Por outro lado, pobres, sempre foram, e passaram a ser donos de terras de pura floresta virgem representava a liberdade, a emancipação. Eles ainda acalentavam o belo sonho de livres, com o passar dos anos, virem a conquistar a grande área de preciosas terras da mata Atlântica capixaba que estava a espera deles. Os arredores de Matildes e quase toda comunidade coesa de São Pedro de Matildes trabalhavam de sol a sol, seis dias por semana. Aos domingos e nos dias santos, todos juntos, ao redor da humilde capela, expressavam, em primeiro lugar, o sentimento de agradecimento a Deus pelos dons concedidos a eles; todos concentrados em longas preces na Capelinha e depois na praça, a efusão de sentimentos presos, o abraço amigo e sincero, o bate-papo cordial, cada qual contando as proezas da semana. Na Itália, não tinham liberdade de ir à caça, de encontrarem frutos silvestres: a bananeira, a goiabeira e o pé de maracujá. Além disso, ainda na Itália, para que todos tivessem o necessário para o sustento, os mais idosos, os pais de família, reservavam parte da minguada marmita para levá-las para os lares, a fim de dividi-la com a esposa e filhos.

Aqui no Brasil, se colheita do café mal atendia a subsistência, pelo menos tinham, nos arredores da casa, caça à vontade e cabeças de palmito em profusão. Acabara-se o perigo de passar fome. No período de uns 20 anos, nas terras áridas e montanhosas que eles se apossaram quando chegaram, apesar da inexperiência no trato com a natureza, a exemplo das derrubadas de matas, o plantio de culturas tão diversas daquelas de além-mar ficou-lhes na mente como a certeza de que seriam vitoriosos. Estavam eles longe da estagnação em que viveram, período aquele, sem futuro na Itália. Na fase inicial, puderam conhecer o segredo de onde assegurar o futuro, procurando áreas mais férteis e Venda Nova, a100 quilômetros mais distante pelo interior, e ao tema das conversas domingueiras. Com isto, houve quem se arriscasse a percorrer picadas na mata virgem e, após três jornadas, encontraram a tão desejada terra dos sonhos. Iniciaram esta epopéia membros das famílias Venturim, Carnielli, Zorzal e Mascarelloe, num prazo de três anos, toda colônia de imigrantes localizada em Araguaia, Santo André, São José do Iriritimirim, São Martinho, Matildes, São Marcos Maravilha, Carolina e, principalmente, São Pedro de Matildes, ficou de posse de toda região da Mata Atlântica do alto Castelo, terras férteis, sobretudo, em Venda Nova do Imigrante. Com esta imigração, levada pelo afã de alargarem, a área para o futuro dos filhos, é que, neste recanto do centro-sul do Espírito Santo, iniciou-se, talvez no Brasil, a verdadeira Reforma Agrária, com propriedades bem trabalhadas em regime de mão-de-obra familiar, cuja área não ultrapassava 100 hectares por família. Aqui, em Venda Nova, e em toda região do Alto Castelo, estavam as grandes fazendas recém-fundadas por poderosos fazendeiros produtores de café no Rio de Janeiro e Minas que começavam a ter um futuro promissor, construindo suntuosas sedes, tudo feito por mãos de escravos. Eles obrigavam os donos a vender as propriedades, restando apenas áreas ao redor da sede do município que estão nas mãos dos descendentes destes fazendeiros.

Vinte anos após a chegada dos imigrantes de origem italiana nesta região do Alto Castelo, não ficou sequer um palmo de terras devolutas. A extensa floresta virgem começou a ter milhares de pequenas clareiras onde eram construídas as sedes de pau-a-pique ou os casarões que abrigaram famílias numerosas. Em geral, as sedes tinham um projeto unificado de construção: a casa-sede (sobrado), para melhor garantir o descanso noturno, tinha o dormitório na parte de cima, protegendo, assim, contra o ataque de animais; o moinho bem aproveitado, por pequena que fosse a queda d’água; pequena área de pastagem, cercada de arame farpado, onde ficavam uma ou duas vaquinhas de elite, e um touro reprodutor, uma junta de bois e um animal de sala; o estábulo, onde eram presos os bezerros, à noite, e ordenhadas as vacas, pela manhã; o chiqueiro e o galinheiro para a engorda de porcos e para prender as galinhas, no período de plantio, respectivamente.

Na primeira fase da imigração, já em Matildes, formaram-se técnicos competentes para todas as atividades do campo. Chegando aqui em Venda Nova, todos os adultos eram bons obreiros, sabiam distribuir tarefas para todos os membros da família: marceneiros, pedreiros, machadeiros; construíam moinhos, engenhos de açúcar e monjolos; lavravam a madeira e faziam tabuinhas (não havia telhas de barro) para as coberturas; construíam as paredes de estuque; manejavam a serra para confeccionar peças de madeira para as casas; faziam fornos caseiros para a fabricação do pão, a mêscola para dona de casa mexer a polenta e o caprichado rolo de madeira para a feitura do macarrão. Estavam preparados para tudo: fabricavam calçados (com ferramentas próprias), os socoli, as bolsas para irem à caça com os cartuchos de espingarda, que eles mesmos carregavam. Um detalhe: papai fazia as navalhas de uso da família e até espingarda de dois canos.

Tudo isso e tantas outras invenções e trabalhos próprios dos imigrantes estarão, em breve, em exposição no Museu do Imigrante, já em adiantada fase de construção no prédio da Casa da Cultura. O projeto foi elaborado e está sendo executado pela organização dos universitários do lugar, a AMENA.

A primeira etapa da colonização de Venda Nova do Imigrante estabeleceu, nesta forte união da comunidade, o marco de independência por ela tanto desejada. Saindo das terras improdutivas dos arredores das estações ferroviárias de Araguaia e Matildes, em dois decênios de duro trabalho no desbravamento da floresta, eles conseguiram implantar, no Estado, uma colônia sui generis, dando início a uma arrancada que marcou o futuro do Espírito Santo. Houve um progresso extraordinário no setor agrícola, nas atividades culturais e políticas, vencendo, sobretudo, os duros obstáculos pela união dos esforços, não como na Itália, subsidiados pelos grandes senhores, mas crescendo juntos, formando um contingente humano de primeira ordem, para o prosseguimento da colonização no interior do estado. Apoiando-se em bases sólidas, a partir de 1930 até 1950, ocorreram mudanças notáveis. Aqui, em Venda Nova, outra vez, foi a família Altoé a iniciar esta segunda etapa. Canalizando a água do córrego Viçosa por uma distância de um quilômetro, a família de Angelo Altoé conseguiu colocar em funcionamento, com uma queda de poucos metros, primeira usina elétrica movida à força hidráulica, gerando energia para movimentar máquinas de beneficiamento de café e arroz e, à noite, a iluminação elétrica das casas dos familiares; a rede foi estendida até a capela local, numa distância de um quilômetro e meio. Isto, se na me engano, por volta de 1920. Após a construção da primeira usina dos Altoé, foram surgindo pequenas forças hidráulicas na Providência, com os Carnielli; em Pindobas, com os Scabello; na fazenda União, com os Bissoli; na fazenda Tapera, com os Lourenção; na Lavrinhas, com os Caliman; em Bananeiras, com os Falqueto e em São João de Viçosa, com os Venturim. Essas micro usinas movimentavam máquinas de café, moinhos de fubá, engenhos de ferro para moer cana de açúcar mascavo e pequenas fábricas de mandioca. Na nossa propriedade, com papai e titio Miguel Zandonadi à frente, o córrego Lavrinhas não tinha queda d’água relevante, mas os dois fizeram um projeto audacioso: represaram o córrego na divisa com o vizinho, titio Fioravante Caliman, e as águas da represa foram desviadas por um canal feito pela força braçal de um quilômetro de distância até a sede da propriedade. Bicas de madeira escavadas e suspensas levavam as águas para uma queda de um metro e meio de altura. Esta queda fazia girar uma roda d’água, na qual estava fixado um eixo vertical de cerca de 6 metros de comprimento onde foram adaptados três pilões de madeira. Estes, suspensos e soltos, com o girar da roda, batiam numa grande cuba de madeira e, assim, socavam café em cascas ou espigas de milho debulhadas. Em outro canto, outra engenhoca bolada por eles movimentava um ventilador que limpava o café da casca e o milho dos sabugos; dali o produto era ensacado e vendido. Um trabalho enorme e bem feito que fez nossos pais sorrirem de satisfação e sabem por que? Trabalharam a maquinaria por dois anos, sobrando tempo para prepararem o café do proprietário vizinho. Uma vez, contudo, foram atuados pela fiscalização municipal e obrigados a pagar imposto acrescido de multa, que lhes ficou muito além do que tinham usufruído. Era criança, mas pelo visto, compreendi que foi a maior decepção que papai sofreu na vida. A roda d’água parou, a construção foi remodelada para tulha de milho e aquela bela obra serviu para nós, crianças; no interior da roda, brincava-se de girar até cansar, aproveitando as horas que eles não podiam nos vigiar, o que era um divertimento muito gostoso.

Foi também nesta época, que nós, crianças, saímos de casa curiosos até a beira da estrada onde avistamos um homem sentado em cima de um troço com duas rodas, uma na frente e outra atrás. Ele estava agarrado nas duas orelhas do bicho, sentado nas costas dele cutucando a barriga com os pés. Era a primeira bicicleta a entrar na região, conduzida pelo primo Joaquim Falqueto.

Da colonização de Venda Nova do Imigrante até o início do transporte rodoviário da produção agrícola e da madeira de lei (cedro) em pranchões, a princípio por estradas de chão, na década de 40, a tropa foi o único transporte possível para longas distâncias. Ela era constituída por lotes de burros, cada qual com 10 animais. Café, feijão, milho, madeira serrada, eram vendidos na praça de Castelo, onde seguiam para o Rio de Janeiro em estrada de ferro (a via férrea chegou a Castelo em 1986). “Tropeiro a pé, arrieiro de cavalo acompanhando a tropa para descarregamento de 20 sacos de café nos armazéns Vivácqua”, foi a tônica de quase 30 anos de heroísmo de Constante Venturim, Ernesto Comarella, Atílio, Antônio, Afonso e João Pizzol, na comercialização dos produtos primários entre Venda Nova e os centros consumidores.

Nesta epopéia, não posso omitir o nome do Rei dos Tropeiros: Leovegildo dos Santos, dono de nove lotes de burro. Era um negro de alma branca que se tornou lendário pela sua honestidade. Todos confiavam nele. Transportava o café para o armazém, especulava o melhor preço, recebia, voltava, fazia as contas com o dono do café cobrando o frete e chegava, religiosamente, ao saldo da operação. Leovegildo não sabia ler. De musculatura impressionante, morreu relativamente jovem. A confiança dos Vendanovenses no negro Leovegildo era absoluta. Um outro, também de cor e lendário em Venda Nova, foi o Salomão, cujo sobrenome ninguém conheceu. Este não era tropeiro. Durante toda sua vida até a velhice, foi marinheiro. Dizia ter viajado e conhecido todos os países do mundo daquela época. Sabia falar sete idiomas. Infelizmente, deixou-se dominar pelo vício da bebida e depois dos 60 anos de idade foi dispensado pela Cia. Fluvial na qual trabalhava. Não gravei o nome da família que o acolheu em Aracê, Domingos Martins. Mas sempre aparecia em Venda Nova nas festas e funções religiosas. Era cercado por todos que queriam ouvir o que havia presenciado pelo mundo. A primeira vez que veio em Venda Nova, sóbrio, ao entrar na Igreja, um italiano o xingou no dialeto, pensando que ele não entendesse, por ser negro. Ele se virou para o italiano e num dialeto bem compreendido por ele, disse em voz alta: “Si, si, son negro de ma de anima Bianca, mas no come tu, que sei uno talian de anima negra e s’pôrca”. Traduzindo: “Sim, sim, sou negro mas de alma branca, mas não como você, que é um italiano de alma negra e suja”. O italiano quase não teve mais vontade de entrar na Igreja de vergonha.

 

Fonte: Venda Nova do Imigrante – 100 anos da colonização italiana no Sul do Espírito Santo. 1992
Autor: Máximo Zonadonadi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011
Nota: Este livro foi doado para a Casa da Memória de Vila Velha pela Família de Almir Agostini,1995



GALERIA:

📷
📷


Imigração no ES

Poloneses no ES

Poloneses no ES

Não foi diferente a situação enfrentada pelos poloneses: os mesmos desafios que este Novo Mundo lhes oferecia

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

A Extração da Madeira de Lei - Venda Nova do Imigrante

Fracassando a tentativa de diversificação de culturas, o período entre 1930 e 1955 foi favorável a extração de madeira. Essa atividade concentrou-se numa só espécie, o cedro, abundante em toda região do Alto Castelo que, na época, junto com o jacarandá, foram as espécies comercialmente econômicas

Ver Artigo
Carlos Menditti, herói de Castelo

A história dos imigrantes italianos não se deu única e exclusivamente nas regiões de florestas desabitadas que conquistaram e onde criaram suas propriedades

Ver Artigo
A Estrada de Venda Nova do Imigrante a Castelo

Os voluntários compareciam aos sábados munidos de foices, machados, enxadas, enxadões, pás e picaretas, dentre eles o comendador Camilo Cola, na época residente na Fazenda Pindobas, calejou as mãos manejando o enxadão e cavando barrancos

Ver Artigo
Eletrificação rural em Castelo é mais barata

Ao invés de contratar os serviços de eletrificação do município, o prefeito Paulo Galvão decidiu convocar a participação dos proprietários rurais

Ver Artigo
Fazenda em Castelo

A Fazenda do Centro, localizada no município de Castelo (ES), é uma antiga fazenda dos barões do café, que nos áureos tempos tiveram em torno de 600 escravos

Ver Artigo
Também Eles - Por Judith Leão Castelo Ribeiro

Éramos treze... não estou parodiando o romancista. Éramos, de fato, treze irmãos. Tudo veio do interior e ficou numa casa de sobrado, na extinta Rua José Marcelino, engaiolado

Ver Artigo