Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Imprensa Oficial – Governo Punaro Bley

Tem o Estado do Espírito Santo o seu órgão oficial denominado Diário Official, um dos melhores do Brasil, em confronto com os demais do país. De grandes proporções, distribuindo em todas as localidades espírito-santenses, reflete a atuação administrativa nos negócios públicos.

O funcionalismo estadual é seu assinante obrigatório, para difusão das atividades governamentais entre todos os elementos dessa importante classe cooperadora do desenvolvimento do Estado. Assim, é superior a 4.000 o número das assinaturas obrigatórias do órgão oficial, jornal de aspecto definitivo, bem impresso e de tamanho racionalmente indicado, idêntico aos dos grandes centros do Brasil e do mundo.

A Imprensa Oficial compreende além do Diário, a seção de obras, onde se executam todos os serviços das repartições públicas, e se editam as melhoras obras do Estado. Aparelhada com linotipos e máquinas impressoras mecânicas, possuindo uma Buhler automática para grandes tiragens do jornal, e um corpo técnico de grandes recursos profissionais, está a Imprensa Oficial instalada no Edíficio do Palácio do Governo, justamente onde fora, outrora a igreja de São Tiago.

É seu diretor, o Sr. Dário Araujo, alto funcionário do Estado, que já tem ocupado na Administração Pública, outros cargos de relevo.

A Imprensa Oficial do Estado do Espírito Santo foi fundada em 1907, tendo sido seu primeiro diretor o Cel. Augusto Calmon, e sucessivamente, passaram por seu alto posto, os nomes mais evidentes do jornalismo capichaba. Da sua fundação ainda existem nas oficinas elementos destacados que ali permaneceram dando sua atividade durante toda uma vida, à vida do órgão oficial.

Nas coleções do Diário da Manhã, folha noticiosa que se editava anteriormente a 1930, desde sua fundação, existe o documentário de toda a história literária do Espírito Santo.

Tal departamento dos mais importantes do Estado, está subordinado à Secretaria do Interior e Justiça do Espírito Santo.

 

Fonte: Revista Annuário do Espírito Santo, 1937
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2017

História do ES

Igreja em Santa Cruz

Igreja em Santa Cruz

Navegantes que passavam pela baía de Santa Cruz também tinham a impressão de estar vendo uma grande igreja e uma vila cheia de riquezas e fazendeiros poderosos, o que não era verdade.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O ES em meados do século XVIII

Seria o caso de se perguntar – em que estágio de civilização vivia o homem, neste pedaço de Brasil, em meados do século XVIII?

Ver Artigo
Estende-se a jurisdição da ouvidoria

Pelos fins de 1743, o ouvidor Ferreira de Veras, acompanhado de outras autoridades, piloto e gente do povo, demarcou as terras que, pelo ato instituidor da ouvidoria, passaram à jurisdição do foro capixaba

Ver Artigo
Revolta dos índios de Iriritiba – Aldeia de Orobó

Consequência dessas lutas foi a fundação da aldeia de Orobó, “nas cabeceiras do rio Reritigba, a três léguas do mar"

Ver Artigo
Minas do Castelo

Ao se iniciar a segunda metade do século XVIII, o ouvidor do Espírito Santo estabeleceu as minas do Castelo

Ver Artigo
Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Ver Artigo