Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Imprensa quebra-peito - Por Levy Rocha

É fácil estirar o corpo numa poltrona macia e fazer a critica das modestas publicações do interior, observando os semanários provincianos, assinalando suas deficiências de impressão, resultantes de um mau aparelhamento técnico.

Antes da incondicional preferência pelas publicações das metrópoles e do desprezo ostensivo aos esforços dos locais, conviria que se meditasse sobre as dificuldades que esses heróis anônimos enfrentam na imprensa "quebra-peito".

A falta de prelos é tamanha, no interior, que nos ocorre a certeza: se o que imprimiu o primeiro jornal do Maranhão e livros de Gonçalves Dias não estivesse recolhido a um Museu, ele poderia ser encontrado ainda hoje, funcionando em algum cafundó-de-Judas, ou, quem sabe, talvez mesmo em Cachoeiro...

Pasmo de admiração e respeito ao lembrar cenas vividas do trabalho nos bastidores das oficinas.

Invoco a figura de Eugênio Lima, catando e escolhendo tipos grandes de madeira, para títulos e cabeçalhos dos jornalzinhos que ele gostava de fundar. Escrevia, compunha, imprimia, agenciava anúncios, e ficava no bar "Belas Artes", fiscalizando, de longe, os meninos a apregoarem a venda do jornal.

Penso no Trófanes Ramos, gerente de "A Cruzada" e chefe das oficinas, arrancando o paletó, na hora do aperto, pegando no componidor e ajudando o Sagrilo, que cochilava, deixando dúvidas se era devido ao cansaço da noite emendada com o dia ou se por causa da garrafa de cachaça vazia, debaixo da Marinoni.

Vejo o Hermílio Rocha, de velha tarimba, a consertar as plaquetes com a pinça, traído pela miopia e falta de luz do porão das oficinas, vermelho e envergonhado por provocar um pastel, como se fora inábil aprendiz.

Lembro-me das canseiras do Solimar e Herauto de Oliveira, nas oficinas do Asilo, a catar tipos, trabalho para eles sempre maior do que o de encontrar as chaves de ouro dos seus alexandrinos.

Imagino o Pery Vieira, malabarista na confecção da "Revista de Cachoeiro", ou de "O Cachoeiro", jornal do Dr. Elimário imprimindo duas vezes a mesma página, devido ao pequeno tamanho da rama da impressora.

Como me enchia de admiração o trabalho quotidiano de Hélio Ramos, ajuntando e espalhando letra por letra, imprimindo sozinho, duas vezes por semana, o "Correio do Sul", anos a fio, sem esmorecimentos. Newton Braga, redatoriando o jornal, nas edições especiais da enchente do Itapemirim ou da vitória do Estrela F. C., sabia caprichar nas manchetes que o maestro Hélio era forçado a contrariar: — Esse título, Doutor, não pode ser: acabaram-se os AA...

E a nobreza dos Semprini, sacrificando o interesse da papelaria, atrasando os impressos comerciais de blocos e faturas, para mobilizar os empregados na impressão dos jornaizinhos estudantis.

Eurípedes Silva, fleumático e filósofo, caprichoso no trabalho, mas difícil de se entusiasmar. Se, então, os piaus ou piabanhas davam sinal de presença, no rio, ele podia estar com excesso de serviço, mas apanhava o anzol, metia-se na canoa e ia-se plantar nos remansos ou no meio do Itapemirim, caniço tenso, atenção concentrada na pescaria, tempo esquecido.

— Eurípedes! — gritava-lhe da margem um freguês — é trabalho urgente!

Enquanto o peixe mordesse o queijo ou a banana do anzol, não adiantava chamar.

Mas, se o serviço era algum jornalzinho crítico ou estudantil, trabalho entremeado de anedotas e pequenas brincadeiras, os peixes ficavam esquecidos; ele metia mãos à obra, com entusiasmo, e fazia prodígios como mestre do ofício.

Recordo-me de um livro que imprimimos, de Pérsio Morais: "Águas Passadas..." Duas páginas de cada vez, devido ao tamanho almaço da rama da impressora. Com a escassez de tipos, não era possível compor além de três páginas... E o livro saiu bonito.

Essas dificuldades são comuns aos jornais do interior: "pasquins" dos "poetas de água doce", frutos de puro ideal, forjas do jornalismo brasileiro.

 

Fonte: Crônicas de Cachoeiro, 1966
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

Literatura e Crônicas

Quando o Penedo falava, 1927 - Por Elpídio Pimentel - Parte I

Quando o Penedo falava, 1927 - Por Elpídio Pimentel - Parte I

Glauro é um menino de 10 anos. Seu avozinho depois de esgotar o repertório das histórias de feiticeiros passou as lendas das fadas Melusina e Morgana e as proezas de Dom Quixote  

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Muqui de antigamente – Por Levy Rocha

Podia até fazer uma referência à casa onde a cegonha lhe deixou o presente de um menino, no ano de 1916, mas a modéstia me aconselha... 

Ver Artigo
O primeiro jornal de Cachoeiro – Por Levy Rocha

O volume que as traças haviam começado a destruir, reunia 24 números, inclusive o precioso primeiro, editado em 4 de julho de 1866

Ver Artigo
A Estrada de Ferro Caravelas – Por Levy Rocha

O privilégio para a primeira via férrea projetada, no Espírito Santo, foi requerido em agosto de 1872

Ver Artigo
O Quartel da Barca – Por Levy Rocha

O povoamento das margens do rio Itapemirim, trecho navegável, sem embargo, para as canoas, até os Caxoeiros (como se dizia, antigamente), deve retroceder aos tempos de Vasco Coutinho

Ver Artigo
O nome da cidade – Por Levy Rocha

Sabe-se que não existe, no rio Itapemirim, no local onde se situa a "Princesa do Sul", nenhuma cachoeira

Ver Artigo
Festa das Canoas – Por Levy Rocha

Antigamente, o burburinho de gente chegava no trem de Cachoeiro. Hoje, são os ônibus, caminhões e automóveis que enchem a praia de visitantes

Ver Artigo
A primeira crônica de Rubem Braga – Por Levy Rocha

Caiu-me às mãos o número doze do jornalzinho "O Itapemirim", do Colégio Pedro Palácios, dezembro de 1926 

Ver Artigo
Duas cartas de Newton Braga – Por Levy Rocha

A segunda carta que guardo de Newton Braga, mais extensa, enchendo duas laudas, ele a datou de 30 de setembro de 56 

Ver Artigo
Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Ver Artigo
Os Barões de Itapemirim – Por Levy Rocha

Quem viajasse pela Estrada de Ferro Itapemirim poderia observar um palacete "construído no feitio dos castelos medievais", que servira de residência ao Barão de Itapemirim

Ver Artigo
Um antigo morador do Caxoeiro - Por Levy Rocha

Se pudéssemos encontrar outros documentos da fazenda desse imigrante suíço, quantas luzes viriam aclarar a história do Caxoeiro

Ver Artigo