Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Instalação dos serviços da Coroa – Vasco Coutinho

Vasco Fernandes Coutinho

No rol das providências dos primeiros dias cabe citar a instalação dos serviços que pertenciam ao poder real: almoxarifado e feitoria, com seus escrivães, incumbidos de arrecadar as rendas da Coroa.(15) Sebastião Lopes, “escudeiro e morador em Muge”, e Antônio Espera, “cavaleiro da Ordem de S. Tiago” foram nomeados a dois de setembro de 1534, respectivamente, escrivães da feitoria e do almoxarifado da capitania.(16) Teriam feito parte, portanto, da comitiva do donatário. Não se tem notícia das nomeações do feitor e do almoxarife. Entretanto, bem podia acontecer que o soberano se limitasse àqueles dois atos, conservando vagos os outros dois lugares, para os quais, sabe-se, “foi nomeado, a vinte e quatro de fevereiro de 1546, Belchior Correia, filho de Gomes Eanes de Freitas, escrivão da câmara”.(17) Lá está, na carta de foral, a confirmação de que, à data de sua assinatura (7-10-1534), o soberano não nomeara ainda o feitor do senhorio de Coutinho: “enquanto na dita Capitania não houver feitor”. Facilmente se entrevê nessas palavras a disposição de retardar a designação do funcionário.(18)

 

NOTAS

(15) - CAPISTRANO, Capítulos, 42.

(16) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 202.

(17) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 202.

(18) - Na carta datada “do espirito samto a vinte e seis de setembro de 1545” (ver foot-note n.º 13, do capítulo III), Ambrósio de Meira informava ao rei: “tomey pose de feytor e almoxarife por nam aver na terra outro hofyçyall”. Por quanto tempo ele exerceu o cargo, não se sabe. Há, isto sim, documentos provando que, ao morrer, Ambrósio de Meira devia ao soberano algum dinheiro “pelo encerramento de Sua Conta”. Os mandados de vinte e sete de fevereiro e sete de março de 1550, respectivamente dirigidos ao feitor e almoxarife do Espírito Santo, e ao provedor de Porto Seguro, determinavam: ao primeiro, que “carregasse sobre si, em Receita 46$436, que deve Vasco Fernandes Coutinho a Ambrósio de Meira defunto feitor, que foi na dita Capitania”; ao segundo, que “fizesse arrecadar de Diogo Alves, testamenteiro de Ambrósio de Meira, o seguinte; a saber 10$804 em dinheiro, e o serviço de onze peças de escravos, que lhe foram entregues; e assim mais uma escrava por nome Felippa, que lhe não foi carregada no encontro, e um conhecimento, que Manoel Fernandes morador, que foi nesta dita Capitania do Espírito Santo passou ao dito defunto em sua vida de tres mil e quinhentos reis; e assim um Livro de lembranças de dividas feito e escripto da Letra do dito Ambrósio de Meira como dito é conteudo em uma Certidão, que passou o Contador Gaspar Lamego, que se achou todo ficar devendo pela conta que lhe foi tomada pelo dito inventario” (DH, XXXVIII, 197-9).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Calendário mostra evolução de Vitória

Calendário mostra evolução de Vitória

Curiosas fotos registram histórias do cotidiano da urbanização da capital de Espírito Santo no calendário impresso pela Prefeitura Municipal de Vitória em 1995

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1822 – Por Basílio Daemon

Colocou-se em frente a Palácio, onde o escriturário de Fazenda Carlos Augusto Nogueira da Gama leu em voz alta, ao povo e soldados, a proclamação feita por D. Pedro I

Ver Artigo
A trajetória dos partidos políticos capixabas até 1930

A partir de 1822 foi instituído o regime monárquico em nosso País e as capitanias receberam a denominação de províncias

Ver Artigo
Basílio Daemon - Biografia

Por seus filhos capitão Dr. Ticiano Corrégio Daemon e tenente Daemon

Ver Artigo
Viana, O Convento, O retorno ao Rio de Janeiro – Por Saint-Hilaire

Vêem-se o mar em frente ao Morro da Penha, o Monte Moreno e a foz do Ribeirão da Costa, cujas águas, vão entulhar a baía com as areias que carregam

Ver Artigo
Antônio Pacheco de Almeida, alcaide-mor da vila do Espírito Santo, 1707

Antônio Pacheco, para o lugar de alcaide-mor da vila do Espírito Santo, cabeça e comarca da capitania do mesmo nome, de que sou donatário

Ver Artigo