Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Instalação dos serviços da Coroa – Vasco Coutinho

Vasco Fernandes Coutinho

No rol das providências dos primeiros dias cabe citar a instalação dos serviços que pertenciam ao poder real: almoxarifado e feitoria, com seus escrivães, incumbidos de arrecadar as rendas da Coroa.(15) Sebastião Lopes, “escudeiro e morador em Muge”, e Antônio Espera, “cavaleiro da Ordem de S. Tiago” foram nomeados a dois de setembro de 1534, respectivamente, escrivães da feitoria e do almoxarifado da capitania.(16) Teriam feito parte, portanto, da comitiva do donatário. Não se tem notícia das nomeações do feitor e do almoxarife. Entretanto, bem podia acontecer que o soberano se limitasse àqueles dois atos, conservando vagos os outros dois lugares, para os quais, sabe-se, “foi nomeado, a vinte e quatro de fevereiro de 1546, Belchior Correia, filho de Gomes Eanes de Freitas, escrivão da câmara”.(17) Lá está, na carta de foral, a confirmação de que, à data de sua assinatura (7-10-1534), o soberano não nomeara ainda o feitor do senhorio de Coutinho: “enquanto na dita Capitania não houver feitor”. Facilmente se entrevê nessas palavras a disposição de retardar a designação do funcionário.(18)

 

NOTAS

(15) - CAPISTRANO, Capítulos, 42.

(16) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 202.

(17) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 202.

(18) - Na carta datada “do espirito samto a vinte e seis de setembro de 1545” (ver foot-note n.º 13, do capítulo III), Ambrósio de Meira informava ao rei: “tomey pose de feytor e almoxarife por nam aver na terra outro hofyçyall”. Por quanto tempo ele exerceu o cargo, não se sabe. Há, isto sim, documentos provando que, ao morrer, Ambrósio de Meira devia ao soberano algum dinheiro “pelo encerramento de Sua Conta”. Os mandados de vinte e sete de fevereiro e sete de março de 1550, respectivamente dirigidos ao feitor e almoxarife do Espírito Santo, e ao provedor de Porto Seguro, determinavam: ao primeiro, que “carregasse sobre si, em Receita 46$436, que deve Vasco Fernandes Coutinho a Ambrósio de Meira defunto feitor, que foi na dita Capitania”; ao segundo, que “fizesse arrecadar de Diogo Alves, testamenteiro de Ambrósio de Meira, o seguinte; a saber 10$804 em dinheiro, e o serviço de onze peças de escravos, que lhe foram entregues; e assim mais uma escrava por nome Felippa, que lhe não foi carregada no encontro, e um conhecimento, que Manoel Fernandes morador, que foi nesta dita Capitania do Espírito Santo passou ao dito defunto em sua vida de tres mil e quinhentos reis; e assim um Livro de lembranças de dividas feito e escripto da Letra do dito Ambrósio de Meira como dito é conteudo em uma Certidão, que passou o Contador Gaspar Lamego, que se achou todo ficar devendo pela conta que lhe foi tomada pelo dito inventario” (DH, XXXVIII, 197-9).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Rio Doce: o Nilo Brasiliense

Rio Doce: o Nilo Brasiliense

Seu nome atual deriva de uma lenda, segundo a qual alguns navegadores portugueses, encontrando água doce defronte à foz deste rio, a seis milhas da barra, deram-lhe o nome de RIO DOCE

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Minha FICHA - Por Eurico Resende

Sempre admiti que a partir de certo momento do primeiro governo revolucionário, não tinha a estabilidade da simpatia do "Sistema"

Ver Artigo
Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, 1696

1696. Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, em que se provia[m] seus serviços na ilha do Funchal e na capitania de Cabo Frio, dando dela notícias históricas de muito valor

Ver Artigo
Colher de prata que D.Pedro II lançou na Lagoa Juparanã em 1860

Na ocasião, o monarca almoçou na atual Ilha do Imperador, onde, após o almoço, colocou alguns objetos em uma garrafa de champanhe e a jogou na água

Ver Artigo