Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Instrução Pública - Período Provincial no ES

Livro antigo

Dois fatores concorreram para que os passos do Espírito Santo fossem curtos no vencer a distância entre as necessidades fundamentais do povo e a grandeza econômica da Província: - Educação e Saúde.

Faltavam-lhe escolas e médicos. As epidemias castigavam impiedosamente os habitantes: febre amarela, peste bubônica, paludismo, disenteria, varíola, E o povo a sofrer sem recursos materiais que lhe minorassem a miséria.

O curso primário era ministrado em dois anos, O secundário, elementaríssimo consistia em aulas de Latim, Filosofia, Retórica, Matemática, Geografia, História e Música. De Ciências, nem sombra. O Presidente Dr. Luiz Pereira Couto Ferraz, depois agraciado com o título de Visconde de Bom Retiro, no seu Relatório de 1846, comunica haver na Província vinte e sete aulas das quais duas de latim, uma em Vitória, outra em S. Mateus, com vinte e sete matrículas, nesses cursos, e 1847 alunos, com frequência nas aulas primárias. O Conselheiro Presidente Costa Pereira, em 1864, lamenta haver apenas cinquenta alunos nos cursos secundários para uma população de 45.000 almas. Nesse Relatório à Assembleia Provincial faz esplêndida dissertação sobre a importância das letras clássicas e encarece a necessidade do estudo da língua portuguesa. Havia na capital duas aulas masculinas, uma regida pelo professor Veríssimo Manuel Aguiar, com 93 matrículas, e outra, por Frei João Nepomuceno Valadares com 68. Uma escola feminina, regida por Vitória Antunes da Penha, com 44 meninas. Nesse ano, foi criada a Diretoria da Instrução Pública, cujo titular vencia o ordenado de 1:000$000 por ano.

Passou o ensino a ter relativa organização, com inspetores escolares (Delegados Literários), classificação de escolas por entrâncias e material escolar. O mecanismo foi-se aperfeiçoando aos poucos, principalmente, sob os governos dos Drs. João Tomé (1873) e Eliseu de Souza Martins (1880). Professores particulares cooperam com eficiência e aparecem as primeiras iniciativas privadas, algumas das quais se tornaram famosas como veremos mais adiante, no último quarto do século.

A fumaça espessa, que encobriu a Província do Espírito Santo, do cenário político nacional, plenamente justificada, origina-se na fraquíssima percentagem de alfabetizados. Em 1871, cinquenta e cinco anos após a proclamação da Independência, o Espírito Santo apenas superava as Províncias de Mato Grosso, Amazonas e Piauí em números de escolas e alunos matriculados,

 

O quadro abaixo define, por si só, o panorama educacional brasileiro:

 

Províncias

Escolas

Matrículas

1 – Minas Gerais

601

13.949

2 – São Paulo

423

11.562

3-Pernambuco

419

13.443

4-Rio de Janeiro

401

10.880

5-Rio Grande do Sul

361

12.139

6-Bahia

322

13.560

7-Ceará

244

14.520

8-Alagoas

188

6.311

9-Pará

187

5.685

10-Município Neutro

185

14.426

11-Maranhão

177

6.509

12-Sergipe

169

4.817

13-Santa Catarina

132

4.150

14-Paraíba

118

3.545

15-Paraná

92

1.621

16-Goiás

78

1.998

17-Rio Grande do Norte

70

2.805

18-Espírito Santo

69

1.414

19-Piauí

69

1.400

20-Amazonas

43

887

21-Mato Grosso

29

1.032

Total

4.428

147.621

 

A política e os favores administrativos seriam, naturalmente, monopolizados pelas províncias mais cultas, Foi o que aconteceu.

 

Fonte: Biografia de uma Ilha,1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

História do ES

Capitanias Hereditárias

Capitanias Hereditárias

Quando Vasco Fernandes Coutinho chegou à sua capitania, 35 anos após o descobrimento, todo o litoral brasileiro já era conhecido pelos principais navegadores europeus. Em 1501, o rei D. Manoel organizou uma frota de três caravelas com a missão de fazer a primeira exploração de todo o litoral das terras enunciadas por Cabral, cujo comando principal entregou ao experiente navegador português , Gonçalo Coelho...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo