Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

Rua Nestor Gomes

Quando da sucessão de Bernardino Monteiro, a política provocou, novamente, agitação e desassossego.

Numa tentativa de apaziguamento – diante do embate que se prenunciava apaixonado e violento – os partidos acordaram em apresentar o nome do coronel Nestor Gomes como candidato único à presidência do Estado. Mais tarde, entretanto, surgiu nova candidatura: a de Filomeno José Ribeiro.

O pleito decorreu em ambiente calmo, mas, quando da reunião do Congresso Legislativo Estadual para reconhecimento e posse do presidente eleito, estourou uma crise de tamanhas proporções que culminou na secção da Assembléia.

Parte desta, dirigida pelo deputado Geraldo Viana, reconheceu a validade da eleição de Nestor Gomes e continuou funcionando no paço do Congresso. A outra ala elegeu seu presidente o deputado Francisco Etienne Dessaune, que se proclamou chefe do executivo estadual.

No dia vinte e três de maio de 1920, pela manhã, parte do Batalhão de Polícia revoltou-se. Imediatamente, Bernardino Monteiro telegrafou ao presidente da República, solicitando o apoio da força federal. À tarde, transmitiu o cargo a Nestor Gomes.

As duas correntes assentiram, então, em entregar o governo a uma pessoa de confiança do chefe da Nação, que não aceitou a sugestão, por inconstitucional.

A vinte e seis de maio começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções.

Diante da nova situação, o presidente da República decretou a intervenção federal no Estado,(42) fazendo cessar o movimento armado.

Finalmente, a vinte e um de julho, foi sancionada, pelo presidente Epitácio Pessoa, a lei que reconhecia Nestor Gomes como presidente do Estado, depois de o Congresso Nacional se ter manifestado pela legitimidade de sua eleição.(43)

 

NOTAS

(42) - Decreto executivo número 14.191, de vinte e sete de maio de 1920.

(43) - O mesmo ato reconheceu a João de Deus Rodrigues Neto como vice-presidente.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, setembro/2017

História do ES

Literatura no ES - Conclusões

Literatura no ES - Conclusões

Por quê a  literatura produzida no Espírito Santo pode ser considerada “marginal” ou “periférica” ?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo