Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Invasão das minas do Castelo

Ponte sobre o Rio Itapemirim

A indústria da mineração sofreu rude golpe quando, em 1771, os puris atacaram as minas do Castelo, obrigando quantos ali trabalhavam a abandonar a região.

A fim de assegurarem às mulheres e crianças retirada mais ou menos segura, os homens monopolizaram a atenção dos atacantes em renhida resistência, destruindo – ao partirem – casas, canais e pontes, outrora construídos com enorme sacrifício.

Vieram, os sobreviventes, instalar-se na barra do rio Itapemirim, fazendo surgir a freguesia de N. S. do Patrocínio.(35)  O governo não acudiu com auxílio de espécie alguma. Parece mesmo que, intimamente, aplaudiu a façanha dos silvícolas.(36)

 

NOTAS

(35) - FREIRE, Capitania, 121-2.

(36) - É o que se infere de uma passagem da informação dirigida, a onze de julho de 1790, pelo capitão-mor Inácio João Mongeardino, ao governador da Bahia, onde aquela autoridade diz que as “Minas do Castello se achão cheias de mattos, por eu impedir a limpa dellas, a fim de evitar a sua communicação” (apud ALMEIDA, Inventário, III, 178).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1842 – Por Basílio Daemon

Chegam para cumprirem degredo o ex-regente padre Diogo Antônio Feijó e o deputado Nicolau Pereira de Campos Vergueiro   

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo
Bibliotecas públicas e jornais na República

A Biblioteca Pública Provincial, em 1889, era servida por um amanuense-bibliotecário e um porteiro

Ver Artigo