Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Itapemirim

Itapemirim

A sede de Itapemirim não fica à beira-mar como a de Piúma, mas oferece um mergulho inesquecível para aqueles que querem ir além da cerveja e do peroá: um mergulho na história da colonização capixaba.

As atrações são tantas que vale a pena abrir mão de um dia de praia para conhecer o lugar. Só a centenária igreja matriz, fundada em 1853, já vale o passeio. Mas há ainda outra surpresa: dois óleos sobre tela com a imagem de D. Pedro II e de Dona Teresa Cristina. Os quadros foram comprados por Joaquim Marcelino da Silva Lima, o Barão de Itapemirim, e doados em setembro de 1860, à Câmara Municipal, marcando a inauguração da casa de leis e a passagem do imperador pela cidade. É um dos poucos quadros que retratam D. Pedro II ainda jovem, aos 30 anos.

Os quadros foram restaurados e estão expostos à apreciação pública no mesmo lugar onde sempre estiveram - o plenário da Câmara. A Câmara funciona no mesmo endereço, o primeiro pavimento do sobrado adquirido por 10 contos de dona Josefa Souto Belo. A única diferença é que em 1860 funcionava no térreo a cadeia e o quartel de polícia.

Quando D. Pedro II visitou Itapemirim, as ruas eram iluminadas com óleo de mamona. Havia na vila um porto para desembarque e dois hotéis - Gibóia e Garibaldi - e dois sobrados luxuosos: o de dona Josefa, onde passou a funcionar a Câmara, e o da família Brum, onde o imperador ficou hospedado.

O rio Itapemirim margeia a cidade e em sua foz, hoje município de Marataízes, estão os escombros do trapiche do outrora maior porto do Espírito Santo. Ali estão também as ruínas da estação de cargas da Leopoldina. O local foi inaugurado em 1930 e recebia toda carga destinada à exportação para o Rio de Janeiro. Hoje abriga restos de carros alegóricos de um bloco carnavalesco.

Pocuo acima de Itapemirim, às margens do rio, está a usina Paineiras, um marco histórico da industrialização capixaba. As instalações lembram o estilo vitoriano das antigas fábricas inglesas. Fundada em 1912 com recursos do Governo do Estado e privatizada em 1937, a usina funciona nas mesmas instalações erquidas há 94 anos e é também uma atração turística do município.

 

Fonte: Jornal A Tribuna.

Links Relacionados:

>> Férias em Itapemirim
>>
 
Visita de D. Pedro II ao ES
>>
 
D. Pedro II e o Rio da Costa
>>
 
Imperador por um dia 
>>
 
L e R - Leopoldina Railways 
>>
 
O Palácio do Barão de Itapemirim 
 

Cidades do ES

Alfredo Chaves

Alfredo Chaves

A história do município de Alfredo Chaves teve início com a colonização dos portugueses, no século XIX, quando Dom Pedro II doou ao guarda de honra da corte, o português Augusto José Álvares e Silva

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Era um pequeno povoado, com casas muito simples, feitas de madeira, onde é Piúma, haviam mais pessoas

Ver Artigo
Iconha

O Município de Iconha, localizado na BR 101, região de montanha do ES, teve início nas povoações de Piúma, no vale do rio Orobó, fundadas pelo Padre José de Anchieta

Ver Artigo
Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Mas Iconha me encanta pelo seu milagre pastoril. A pracinha é dominada por um morro alto, muito verde, cortado diante de nós por um talude de terra vermelha

Ver Artigo
A política e o coronelismo em Iconha - Por Luciana Maximo

O Jornal conversou com Aldieris Braz Amorim Caprini, que cedeu alguns artigos de sua tese de mestrado que descreve com detalhes a história política do município de Iconha

Ver Artigo
Vila do Riacho - Por Maurilen de Paulo Cruz

A origem da Vila do Riacho se situa em 1800, quando foi instalado um quartel na confluência dos Rio Riacho e Comboios, pelo Capitão-mor Antônio Pires da Silva

Ver Artigo