Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro: o culto à personalidade

Bandeira do Espírito Santo

Por contraditório que pareça, Jerônimo Monteiro, mesmo tendo arruinado as finanças do Estado, firmou-se como líder político. Seu nome converteu-se numa grife. Ele próprio tinha consciência da importância de projetar para a posteridade uma imagem de político inovador e moderno. Com esse intuito, criou uma espécie de departamento de marketing e propaganda. Todas as suas obras eram fotografadas, para futuras exposições itinerantes pelo Estado. Nas cerimônias públicas, uma chuva de pétalas de rosas recepcionava-o.

Para estabelecer o seu governo como início de uma nova era, criou os primeiros símbolos do Estado: selo, brasão das armas e distintivo presidencial – o hino e a bandeira tricolor estadual foram oficializados depois, em 1947. O branco, o azul e o rosa deveriam ornamentar todas as insígnias estaduais e, seguindo a filosofia positivista do lema nacional, “Ordem e progresso”, determinou a inscrição da divisa “Trabalha e Confia” nos símbolos do Espírito Santo. De acordo com a tradição, tal slogan foi inspirado na sua formação religiosa em colégios jesuítas: “Trabalha, como se tudo dependesse de ti. Confia, como se tudo dependesse de Deus”. Stella de Novaes classifica o lema como “belo, profético, vibrante e glorioso”. Tamanha exaltação é, em parte, compreensível, pois a historiadora é sobrinha de Jerônimo Monteiro.

Ícone maior da República Velha no Espírito Santo, Jerônimo Monteiro praticamente nasceu (1870) e morreu (1933) com ela. Hoje, além de seu nome “batizar” uma cidade inteira, no sul do Estado, em muitas outras a avenida principal traz a sua marca. De certa forma, fazemos, mesmo que inconscientemente, o culto à personalidade e à memória de um “coronel ilustrado” que conseguiu sua própria grandeza. O monteirismo sobreviveu ao seu fundador.

 

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – UMA ABORDAGEM DIDÁTICA E ATUALIZADA 1535 – 2002 
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Símbolos do ES
>>
 
A oligarquia dos Monteiro
>>
 
100 Anos de Jerônimo Monteiro 
>>
 
Jerônimo Monteiro
>>
 
Origem da família Monteiro 
>>
 
Pacto entre as elites 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Ouro e Açúcar

Ouro e Açúcar

A maioria das capitanias foi entregue a pessoas de recursos médios, sem alto crédito financeiro que lhes desse condições de montar engenhos que ao produzirem, oferecessem, pelo menos a médio prazo, retorno no investimento propício ao pagamento das dívidas contraídas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Diretrizes republicanas e Governo Afonso Cláudio

Uma constante presidiu aos atos dos governos espírito-santenses na primeira metade do século – a conquista do hinterland

Ver Artigo
Outras versões da origem do nome Vitória

A origem do nome Vitória é assunto sobre o qual não são unânimes as opiniões dos historiadores. Na opinião de Basílio Daemon, citada por Luiz Serafim Derenzi, “houve uma batalha com os índios. Sobre estes foi conseguida a vitória e, por essa motivo, deu-se o nome de Vitória à nova sede do governo”.

Ver Artigo
O desporto na Universidade – Por Mário Cantarino

Há esperanças de que do meio universitário saiam os futuros representantes das equipes brasileiras nos confrontos desportivos internacionais

Ver Artigo
Notícia histórica: São Maurício, Padroeiro da Vila do Espírito Santo nos tempos coloniais

Inobstante ao fato dessa onipresente proteção Mariana, o padroeiro de ambas as povoações da Capitania do Espírito Santo, naqueles tempos iniciais, foi o mártir São Maurício

Ver Artigo
Vitória ao limiar do século XVII – Por Serafim Derenzi

Ao limiar do século XVII a vila de Vitória é ainda uma aldeia construída de taipa, cujas casas são cobertas de sapé ou palhas da pindoba

Ver Artigo