Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jesuítas em Romaria à Penha – Por Pe. Fernão Cardim, S.J.

Na barra deste porto, está uma ermida de Nossa Senhora, chamada de Penha, e certo que representa a Nossa Senhora da Penha de Sintra, por estar fundada sobre uma altíssima rocha de grande vista para o mar e para a terra

Acompanhado de alguns confrades, o Pe. Fernão Cardim, S.J subiu à Penha aos 30 de novembro de 1584, relatando suas impressões

A vida do Pe. Cardim é quase desconhecida. Não consta a data de seu nascimento. Natural de Viana de Alvito-Évora, entrou na Companhia de Jesus, em 1566. Já sacerdote, passou para o Brasil em 1583 como companheiro do Visitador Pe. Cristóvão de Gouveia. Passando pela Penha do Espírito Santo, transmitiu à posteridade as suas impressões sobre o célebre Santuário Mariano. Na sua Ordem, desempenhou cargos de confiança como o de reitor e provincial, chegando a falecer na Bahia, quando da invasão holandesa, a 27 de janeiro de 1625.

 

Acompanhado de alguns confrades, o Pe. Fernão Cardim, S.J subiu à Penha aos 30 de novembro de 1584, relatando em seguida as impressões em carta ao Provincial Pe. Sebastião de Morais em Portugal. O confronto com a Penha de Sintra diz apenas respeito à localização topográfica de ambos os santuários, não porém à semelhança das imagens.

Fonte: Pe. Fernão Cardim Tratados da Terra e Gente do Brasil, Rio de Janeiro, 1925 pág. 343s.

Na barra deste porto, está uma ermida de Nossa Senhora, chamada de Penha, e certo que representa a Nossa Senhora da Penha de Sintra, por estar fundada sobre uma altíssima rocha de grande vista para o mar e para a terra. A capela é de abóboda pequena, mas de obra graciosa e bem acabada. Aqui fomos em romaria, dia de Santo André e todos dissemos missa com muita consolação, e V. Revma foi bem encomendada à Senhora com toda essa Província, o que também fazíamos em mais romarias e continuamente em nossos sacrifícios, e eu sou o que ganho pela muita consolação que tenho com tal lembrança.

Do Espírito Santo partimos para o Rio de Janeiro que dista ali oitenta léguas. Dois ou três dias tivemos bom tempo e logo nos deu um temporal tão forte que foi necessário fincarmos árvores secas quase dois dias com muito perigo por estarmos sobre uns baixos dos Guaitacazes mui perigosos e não muito longo da costa. Ali estivemos a Deus misericórdia e  cada um se encomendava a Nossa Senhora quanto podia por vermos perto a morte. Deste perigo nos livrou Deus, por sua bondade, e as 20 de dezembro de 1684, véspera de Sto. Tomé, arribamos ao Rio.

 

Fonte: Antologia do Convento da Penha, ano 1974
Autor: Frei Venâncio Willeke O. F. M.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Convento da Penha

O desaparecimento do painel da virgem

O desaparecimento do painel da virgem

"Ofegantes e desacoroçoados, chegando ao pé da Penha, não tendo achado o painel, nem fragmentos dele, os companheiros resolveram dar por concluída a sua tarefa naquele dia"...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Carta de Pe. Anchieta sobre Frei Pedro Palácios

Ao pé do Convento fez uma casinha pequenina à honra de São Francisco, na qual morreu com mostras de muita santidade

Ver Artigo
Frei Vicente do Salvador , O.F.M. e a Penha do Espírito Santo

Há muito bom açúcar e algodão, gado vacum, e tanto mantimento que lhe chamava o mesmo Vasco Fernandes o meu vilão farto

Ver Artigo
O Pregador do Evangelho – Por Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM

Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM (1695-1779), compôs a sua famosa obra NOVO ORBE SERÁFICO BRASÍLICO, em meados do século XVIII

Ver Artigo
O Penitente Frei Palácios – Por Frei Manuel da Ilha, OFM

Tendo recebido do menino a vela acessa, ajoelhou-se na sua sela perante o altar do Pai São Francisco que lá se achava construída

Ver Artigo
As maravilhas da Penha – Por Joaquim José Gomes da Silva Neto

A imagem de Nossa Senhora da Penha, encomendada por Frei Pedro Palácios em Portugal e inaugurada em 1570

Ver Artigo
Um autor corrige outro – Por Frei Apolinário da Conceição, OFM

Nascido em Lisboa a 23 de julho de 1692, emigrou com a família para o Brasil, onde tomou o burel seráfico aos 3 de setembro de 1711

Ver Artigo
Pe. Jorge Cardoso trata de Frei Palácios

Pe. Jorge Cardoso (1606-1669), dedicou-se publicando a sua imortal obra “Agiológio Lusitano dos Santos e varões ilustres em virtude do reino de Portugal e suas conquistas.”

Ver Artigo
A Serra da Arrábida - Frei Agostinho da Cruz, OFM

Descubra o segredo porque Frei Palácios escolheu o morro da Penha para nele prosseguir a vida contemplativa

Ver Artigo