Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010

• Comarca da capital

1. Bacharel Joaquim José do Amaral

2. Bacharel Francisco Jorge Monteiro

3. Bacharel José Inácio Acióli de Vasconcelos

4. Bacharel Antônio Tomás de Godói

5. Bacharel João Paulo Monteiro de Andrade

6. Bacharel Antônio Augusto Pereira da Cunha

7. Bacharel Teodoro Machado Freire Pereira da Silva

8. Bacharel Dídimo Agapito da Veiga

9. Bacharel Francisco de Souza Cirne Lima

10. Bacharel Manoel Rodrigues Jardim

11. Bacharel Luís Duarte Pereira

12. Bacharel Epaminondas de Souza Gouveia

• Comarca dos Reis Magos

1. Bacharel Antônio Gomes Vilaça

2. Bacharel Bento Luís de Oliveira Lisboa

3. Bacharel Epaminondas de Souza Gouveia

4. Bacharel Carlos José Pereira Bastos

• Comarca de Santa Cruz

1. Bacharel Joaquim Manoel de Araújo

2. Bacharel Antônio Luís Ferreira Tinoco

3. Bacharel Antônio Francisco Ribeiro

4. Bacharel Fernando Afonso de Melo

5. Bacharel José Pedro Marcondes César

• Comarca de São Mateus

1. Bacharel Manoel Joaquim de Sá Matos

2. Bacharel Júlio César Berenguer de Bittencourt

3. Bacharel Jaime Carlos Leal

4. Bacharel Joaquim Jacinto de Mendonça

5. Bacharel Daniel Acióli de Azevedo

6. Bacharel Manoel José Pinto de Vasconcelos

7. Bacharel Francisco Gonçalves Martins

8. Bacharel Pedro Francelino Guimarães

9. Bacharel Raimundo Furtado de Albuquerque Cavalcanti

10. Bacharel José Maria do Vale Júnior

11. Bacharel Júlio Acióli de Brito

12. Bacharel José Ricardo Gomes de Carvalho

13. Bacharel Antônio Lopes Ferreira da Silva

14. Bacharel Joaquim de Toledo Pisa e Almeida

15. Bacharel Miguel Bernardo Vieira de Amorim

• Comarca de Iriritiba

1. Bacharel Francisco José Cardoso Guimarães

2. Bacharel Pedro Cavalcanti de Albuquerque Maranhão

3. Bacharel Miguel José Tavares

4. Bacharel Joaquim Vitorino Ferreira Alves

• Comarca de Itapemirim

1. Bacharel José Florêncio de Araújo Soares

2. Bacharel Francisco de Paula de Negreiros Saião Lobato (visconde de Niterói)

3. Bacharel José Francisco de Arruda Câmara

4. Bacharel José Norberto dos Santos

5. Bacharel João da Costa Lima e Castro

6. Bacharel Ricardo Pinheiro de Vasconcelos

7. Bacharel Ludgero Gonçalves da Silva

8. Bacharel Carlos Augusto Ferraz de Abreu

9. Bacharel Francisco Xavier Pinto Lima (conselheiro)

10. Bacharel Francisco Ferreira Correia

11. Bacharel Paulo Martins de Almeida

12. Bacharel Francisco Batista da Cunha Madureira

• Comarca de São Pedro do Cachoeiro

1. Bacharel Dídimo Agapito da Veiga Júnior

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2018

História do ES

Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo