Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lágrimas em frente ao Mercado São Sebastião

Mercado São Sebastião, Jucutuquara anos 50

Na tarde de 6 de março de 1965, eu andava despreocupadamente pelas ruas da nação de Jucutuquara. Apesar de ter morado lá a maior parte da minha vida, cada passeio era uma descoberta para mim. A maior de todas, foi quando passei em frente ao mercado São Sebastião. Tive a impressão que algo me mandou olhar para o alto de seu portão para descobrir que uma das construções mais tradicionais de Vitória tinha a mesma idade que eu; ambos somos de 1949. Veja só! Eu, um simples capixaba, da mesma idade que uma das mais importantes "estrelas" da nossa capital! Eu era só alegria até descer meu olhar para a calçada em frente. Aí tudo se transformou numa imensa tristeza, numa imensa decepção. Uma senhora e duas garotinhas, chorando, pediam esmola. Minha maior frustração foi perceber que não tinha uma única moeda para lhes dar. Não que o meu gesto fosse resolver o problema delas, mas seria um SIM onde a vida tantas vezes disse NÃO.

Várias pessoas que por ali passavam, e eu conhecia a maioria delas, eram pessoas de recursos, que poderiam ter ajudado e nada fizeram.

O bairro cresceu, foi descaracterizado pelo progresso. Eu cresci com aquela imagem gravada em minha mente, constatando, dia após dia, que os que nada tinham continuam tendo nada, que desde muito, mas muito tempo mesmo, o Clube dos Sofredores da Renda Mal Distribuída só faz aumentar neste país. E o pior é que, por amor a Jucutuquara, vou continuar passando por suas ruas e certamente vou perder a conta de quantas vezes mais eu verei a súplica dos pedintes se transformando em lágrimas em frente ao mercado.

 

Fonte: Escritos de Vitória 11 – Mercados e Feiras – Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV – 1995
Autor do Texto: Hércules Dutra De C. Filho
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

O capixabíssimo peroá – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O capixabíssimo peroá – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O peixe comido pelo povo capixaba e os turistas que nos visitam no verão é o capixabíssimo peroá, peixe que nunca vi fora daqui

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cruzeiro Esporte Clube - Por Sérgio Figueira Sarkis

Havia um terreno de grandes dimensões, com frentes para duas ruas: 7 de Setembro e Graciano Neves

Ver Artigo
Instituto do Bem-Estar- Social – Ibes

O conjunto habitacional deveria ser denominado Núcleo Alda dos Santos Neves. Mas hoje é conhecido como Ibes

Ver Artigo
A grande enxova - Por Sérgio Figueira Sarkis

A maior parte — Adamastor Bonfim, Doutor Beleza, Mário Pretti e Políbio Andrade — iria de automóvel.

Ver Artigo
O casamento do Adelpho Monjardim - Por Sérgio Figueira Sarkis

Durante sua juventude, desenvolveu hábitos sadios, praticando esportes no Clube Saldanha da Gama, principalmente o halterofilismo

Ver Artigo
Silk, o filho de Gandhi - Por Sérgio Figueira Sarkis

Alugou loja na Rua do Rosário, quase esquina com a então Avenida Capixaba — hoje, Avenida Jerônimo Monteiro

Ver Artigo