Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Capa do Livro O Espírito Santo Na História, Na Lenda e No Folclore

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno.

Duendes e assombrações foram sempre temas de gosto popular, assim como histórias de tesouros ocultos em subterrâneos, cavernas tenebrosas ou em velhas herdades.

Aqui as lendas são as de todo o Brasil, exceto aquelas exclusivas do extremo norte, tais corno a boiúna, uirapuru e outras.

O lobisomem é universal e muita gente boa acredita na sua existência. Certo reverendo, senhor de apreciável cultura, não só acreditava como aludia a um encontro com um deles, em uma noite enluarada, no caminho da sua fazenda, lá para as bandas do Jucu.

O saci-pererê, lenda aqui bem difundida, também não é prioridade nossa. Da simplória e rústica gente do campo ouvimos relatos de encontros com o ativo negrinho de uma perna só e solitário olho no meio da testa. O indefectível e fumegante cachimbo exige abastecimento contínuo e ai do infeliz que, no indesejável encontro, não lhe satisfaça a exigência. Algumas vítimas do pretenso encontro costumam exibir marcas das sevícias recebidas.

O caipora ou caapora, duende dos nossos indígenas, o das matas, portador da má sorte e causador de desgraças, é nosso conhecido, porém ausente do folclore capixaba. Possuía dois calcanhares em cada pé, de modo que não se podia saber qual a direção por ele tomada. Manso, quando jovem, com o tempo se ia tornando selvagem. As presas cresciam e o predador surgia pleno e terrível.

A mula-sem-cabeça pertence ao folclore geral, bem difundido entre nós. Em uma das suas interessantes histórias, descrevendo a mula, disse Paulo Setúbal ter a mesma uma estrela na testa. Cochilos de Homero.

O Boitatá, constante do folclore, é fenômeno da natureza ao qual o vulgo empresta caráter sobrenatural. É comum aos cemitérios, causado pela decomposição da matéria orgânica; sucedendo o mesmo às madeiras apodrecidas.

A Pata é outro abusão em curso, em nosso meio, nas camadas mais simples e as suas origens são idênticas às do lobisomem. Só vai acontecer com a sétima filha de um casal. Quando homem o sétimo filho vira lobisomem, o que cientificamente se denomina licantropia, metamorfose imaginária do homem em lobo ou cão. A crença foi introduzida no Brasil pelos portugueses. É lenda universalmente difundida e já mencionada por Heródoto, Plínio, o Velho, Plauto, Ovídio e outros.

Pouco a pouco os abusões e lendas se vão esbatendo no tempo à medida que a instrução se difunde em nosso meio, mormente no rural, mais sensível às crendices.

Sem dúvida o fantástico, o sobrenatural, exerce fascínio todo especial, mesmo entre as mentes mais arejadas. É forte a tendência de se buscar para as coisas mais simples uma explicação fantástica, extraterrena. É como que valorização da coisa, correção monetária à moeda da fantasia.

De todas as superstições a mais difundida é a do lobisomem. Conhecemos pessoas razoavelmente cultas que acreditam na sua existência e afirmam tê-lo visto. Contou-nos uma senhora, que certa noite, na antiga Vitória, aí por volta da meia-noite, ter sido despertada por latidos de cães, como se uma matilha perseguisse um animal qualquer. Desperta, distinguiu, perfeitamente, o ruído de uma corrente arrastada. Curiosa correu à janela. Temerosa de abri-la, espiou pela veneziana. O que viu fêz-la estremecer de horror. Monstruoso cão negro e peludo, grande como um novilho, olhos rubros e coruscantes como dois faróis, passava a rosnar e a babar alva saliva. Visão apocalíptica que jamais se apagou da sua memória. Arrastando a corrente o monstro enveredou-se por um beco próximo, seguido pela matilha que não o largava.

Hoje essas histórias permanecem, em nosso folclore, como patrimônio comum, pertinente a todas as nossas Províncias e ao mundo em geral, mas sem o mesmo crédito, graças à cultura que vem alcançando o povo. Nos sertões, nos povoados distantes, graças à influência da própria natureza, no ermo as sextas-feiras são consideradas perigosas, quando, para a imaginação exaltada do sertanejo, as forças do mal campeiam à solta.

Todavia, resistindo às idades, as histórias de assombrações e tesouros ocultos persistem com todo o vigor, arraigando-se, mais e mais, na mente humana. Quem não viu uma assombração? Quantos caçadores de tesouros conhecemos? À Companhia de Jesus cabe o maior acervo dessas histórias de fabulosos tesouros escondidos quando da sua expulsão por ordem de Pombal. Surpreendidos nada puderam levar. Daí a lenda. Se non è vero è ben trovato.

Superando todos os relatos, as lendas sobre tesouros ocultos e assombrações sugestionam e exaltam a imaginação do povo e não são poucos os seus caçadores.

Aqui, como na loura Albion, os duendes são obrigatórios nas velhas mansões, como um quê de nobreza e autenticidade. Tanto quanto nos permite a memória, vamos relatar alguns desses fatos, na impossibilidade de abrangê-los todos, tão rico é o manancial.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Conversa Barrense - Por Bernadette Lyra

Conversa Barrense - Por Bernadette Lyra

Quando esta crônica estiver publicada, já passou do tempo em que, numa camurcenta tarde cor de milho dourada, Hermógenes Fonseca voltou de uma vez para Conceição da Barra

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo