Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Literatura no ES - Conclusões

Capa do livro de Francisco Aurélio Ribeiro

A literatura produzida no Espírito Santo pode ser considerada “marginal” ou “periférica” por dois motivos: geográfica ou culturalmente. Do século XVI ao XX, toda a literatura feita por capixabas ou no Espírito Santo tinha como modelos os centros europeus – Lisboa, Madri ou Paris – ou nacionais – Salvador, Rio de Janeiro ou São Paulo, vivendo à margem desses centros, geográfica ou culturalmente, por pretender copiar ou imitar aqueles modelos.

No século XVI, a literatura brasileira apenas se iniciava, com a literatura jesuítica (catequética ou informativa) ou a literatura informativa sobre o Brasil. O Espírito Santo esteve no centro dessa produção, enquanto capitania promissora, “a mais fértil e a mais provida de todos os mantimentos da terra”, “a terra mais abastada e melhor de toda a costa”, “a melhor e mais fértil do Brasil”, segundo depoimento de Gandavo, Pe. Antônio Pires ou Pe. Afonso Brás.

No entanto, com a descoberta do ouro nas Minas Gerais, o Espírito Santo perdeu grande parte de suas terras e quase todos os habitantes. Durante duzentos anos, tornou-se uma província fantasma, terra de mulheres, índios, crianças, funcionários públicos e escravos, uma barreira natural de florestas e rios para proteger as minas de ouro. Sua literatura nos séculos XVII e XVIII é proporcional à sua riqueza: nula. No século XIX, surgiram os primeiros escritores realmente capixabas que, no entanto, reproduziram os modelos pequeno-burgueses do romantismo nacionalista, imperial e escravocrata. O Pe. Marcelino Duarte e o Dr. Muniz Freire são os protótipos dos intelectuais e políticos capixabas da 1ª e 2ª metades do século passado.

O século XX custou a chegar, no Espírito Santo. O modernismo, através de sua versão antropofágica, poderia ter chegado através de Garcia de Resende, João Calazans, Atílio Vivacqua e Vieira da Cunha, em 1929, num Congresso de Antropofagia que não houve. Carta de Garcia de Resende à Revista de Antropofagia, de 12/06/1929, assim dizia: “Nós aqui somos poucos mas bons. O Espírito Santo tem a vantagem de não estragar talentos com manifestações de amor às letras. Nunca teve literatura. Agora é que estamos formando o pessoal. E tem gente de muito boa brasilidade”.

A literatura do Espírito Santo continua à margem da produzida nos grandes centros do país, à periferia do Rio, São Paulo, Belo Horizonte ou Brasília, assim como a produção cultural de todos os outros estados brasileiros. No entanto, não mais depende cultural, intelectual e economicamente para existir. Ela criou mecanismos para sobreviver.

Podemos, agora, parafrasear/ parodiar Garcia de Resende, afirmando a respeito da literatura feita no Espírito Santo, nos últimos vinte anos: “Nós aqui somos muitos e bons. Temos a vantagem de esbanjar talentos até com manifestações de amor às letras. Temos, agora, literatura. Continuamos formando e divulgando o pessoal. Boa brasilidade é conhecer, também o que fazemos aqui”.

 

Fonte: A Literatura do Espírito Santo – uma marginalidade periférica, 1996
Autor: Francisco Aurélio Ribeiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012 

 

História do ES

Ano de 1871 – Por Basílio Daemon

Ano de 1871 – Por Basílio Daemon

Falece no Convento do Carmo, frei Antônio de Nossa Senhora das Neves, prior do mesmo convento, cargo que ocupava desde 1853

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Auguste François Biard

Na relação dos principais viajantes estrangeiros ilustres que estiveram em nosso país, no segundo meado do século dezenove, sem muito destaque, inclui-se o nome do pintor francês — Auguste François Biard

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES (Cap. I) - Por Bruno César Nascimento

Capítulo I - Brasil: entre o real e o imaginado

Ver Artigo
Introdução do livro Viagens à Capitania do ES

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
República, a grande transformação - Por Cristina Dadalto

No governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru

Ver Artigo