Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Luiz Buaiz - No Centro de Saúde

Centro de Saude

As coisas aconteceram assim: primeiro Luiz Buaiz voltou à sua cidade. Depois, chegando, teve uma primeira oportunidade. Ele conta: “Eu comecei na Santa Casa, em 1947. Depois, em 1948, é que fui para o Centro de Saúde, onde fiz Venereologia”.

“Os grandes males da época eram sífilis, doenças venéreas, tuberculose (quem tivesse se confinava até morrer) e lepra. Hoje você abre uma gaveta e pega uns comprimidos e manda o cara pra tomar em casa. Você fazia arsênico na veia. Cansei de fazer arsênico na veia... Eu morava lá na Santa Clara. Em frente tinha a casa que foi de um governador, Nestor Gomes. Ali era um centro de tratamento rápido. O sujeito que tinha sífilis ia pra lá pra tomar arsênico na veia todo dia. E não curava”.

Para Luiz Buaiz, desumanizaram a Medicina: “Eu sou do tempo em que se confiava no médico. A relação médico-paciente desapareceu. Há coisa de uns três ou quatro anos, uma senhora já idosa, Dona Ilca, que tinha tido indicação pra ser internada, chamou o filho e disse: ‘Só interno se o Dr. Luiz Buaiz disser que preciso internar.’ E realmente eu fui vê-la, na Rua Barão de Monjardim. Pouco tempo depois ela morreu, mas percebia-se a confiança que a pessoa tinha no médico e no farmacêutico. O médico de família saía visitando todo mundo a troco de nada, ninguém ficou rico. O próprio Dório Silva, que foi o ídolo das gerações de médicos que eu vivi, não enriqueceu. Os médicos, eles eram vocacionados. O médico tinha orgulho de saber que era médico. Havia humildade entre nós. Quando o caso era complicado, todo mundo se reunia pra discutir, pra chegar a uma conclusão”.

A pressa substituiu a cuidadosa e devotada atenção a cada paciente, lembra ainda Dr. Luiz: “Eu me lembro muito. Você examinava o doente, abria uma chave de diagnóstico diferencial. Pode ser isso, isso e aquilo. O exames de laboratório eram pouquíssimos. Era um raio X simples, exame de urina, glicose, ureia... Hoje o sujeito está com uma dor de cabeça, vai fazer uma tomografia, uma ressonância, muito médico não sabe nem interpretar aquilo. E a coisa foi se especializando, até com justas razões, mas o cara tem que ser formado médico pra entender de tudo pra depois se especializar no que ele queria, que era o que a gente fazia. Dório fazia ortopedia, cirurgia, ginecologia, obstetrícia, clínica. Fazia tudo e nunca deixou de atender ninguém. Ninguém voltava”.

 

PRODUÇÃO

 

Copyright by © Luiz Buaiz – 2012

 

Coordenação do Projeto: Angela Buaiz

 

Captação de Recursos: ABZ Projetos

 

Texto e Edição: Sandra Medeiros

 

Colaboraram nas entrevistas:

Leonardo Quarto

Angela Buaiz

Ruth Vieira Gabriel

 

Revisão: Herbert Farias

 

Projeto e Edição Gráfica: Sandra Medeiros

 

Editoração Eletrônica: Rafael Teixeira e Sandra Medeiros

 

Digitalização: Shan Med

 

Tratamento de Imagens: TrioStudio; Shan Med

 

Fonte: Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum – Vitória, ES – 2012.
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2020

 

Especiais

Vitória na visão de estrangeiros

Vitória na visão de estrangeiros

Dois estrangeiros ilustres documentaram as mudanças promovidas na cidade de Vitória pelo governador Francisco Alberto Rubim (governou de 1812 a 1819): o príncipe Maximiliano e o naturalista Auguste Saint Hilaire

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Luiz Buaiz - No Centro de Saúde

A pressa substituiu a cuidadosa e devotada atenção a cada paciente, lembra Dr. Luiz

Ver Artigo
A origem da Praia da Costa

Ao tomar posse da Capitania do Espírito Santo em 1535, Vasco Fernandes Coutinho reservou para si uma área que veio a ser conhecida como " Fazenda da Costa".

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Hospitais e preventórios

Pra mim, a mais dignificante profissão é a de médico. É a que mais nos aproxima de Deus

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Preparação para ser médico

O irmão mais velho, José, já estava no Rio quando Luiz Buaiz foi para lá, para estudar como interno no Colégio São José, dos Irmãos Maristas

Ver Artigo
Viagem ao Espírito Santo (1888) - Princesa Teresa da Baviera (PARTE VI)

Um pouco mais tarde, ouvimos a voz exótica de uma saracura, isto é, de um raleiro que poderia ser uma Aramides chiricote Vieill

Ver Artigo