Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maraçapeba ou Maria Sapeba – Por Maria Stella Novaes

Fonte: http://evoluahomosapiens.blogspot.com.br/

É um peixe muito conhecido, em Vitória. Chama-se, igualmente, linguado. Parece uma grande fina e tem a boca torta

Segundo a sabedoria popular, o "defeito" resultou de um castigo à insolência do peixe, porque "arremedou" Nossa Senhora, quando estava no mundo e precisava atravessar um canal pedregoso, durante a maré baixa.

O peixe estava apanhando Sol, reclinado numa pedra, à flor-d'água. A Virgem perguntou-lhe:

— Maraçapeba, a maré sobe, ou desce?

O linguado, assim chamado pela forma apresentada, respondeu-lhe, desdenhoso, repetindo a pergunta, como se criticasse da Virgem.

Desde então, ficou de boca torta.

Há variantes dessa lenda.

O Des. Afonso Cláudio diz que "quando Jesus Cristo andou pelo mundo, certa vez, no mar, em companhia de São Pedro, desejou saber que horas seriam, porque a maré parecia não encher nem vazar.

São Pedro, vendo-o assim, tão preocupado, lhe disse:

— Senhor, qualquer peixe dirá que horas serão, porque todos eles têm as horas de suas refeições marcadas.

Jesus, ouvindo-o, passou os olhos pelo mar e, vendo um linguado ou maraçapeba à superfície, indagou:

- Maraçapeba, a maré enche ou vaza?

O peixe por inqualificável desdém, procurou imitar a voz do Salvador e fazendo um trejeito, como quem torce o queixo para um lado, reproduziu a pergunta, sem lhe dar resposta. Então, Jesus, assim falou:

- De hoje em diante, como pena à zombaria e afronta que fizeste ao teu Criador, te arrastarás, na lama, como uma folha que o vento arrasta ao lado, para granjear o teu sustento, e a tua boca será torta, a fim de que todos os teus irmãos te evitem e contigo jamais se confundam.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Espírito Santo – Folclore e Artesanato

O folclorista Hermógenes Lima Fonseca acentua que o Estado possui folclore de origem afro, bíblica e européia

Ver Artigo
As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Anchieta e seus milagres – Por Adelpho Monjardim

Muitos os milagres realizados por Anchieta; assim como os sucedidos com ele, reveladores do seu estado de Graças

Ver Artigo
A Lenda dos Tesouros dos Jesuítas – Por Serafim Derenzi

Criou-se a lenda de que os Jesuítas, avisados por correio secreto, da expulsão e confisco, enterraram tesouros fabulosos em suas propriedades

Ver Artigo
Crendices, Orações e Benzimentos

As orações, rezas, benzimentos, e responsos eram muito usados pelos nossos antepassados. E nesse gênero também, o nosso folclore é rico

Ver Artigo