Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maria Nilce ou o tiro que calou Vitória

Maria Nilce - Colunista Social

O volume um pouco alto da TV fez-me acordar mal-humorado naquela manhã de 5 de julho de 1989. Os apresentadores do programa Bom Dia Espírito Santo, transmitido pela TV Gazeta, anunciavam que a jornalista Maria Nilce tinha sido baleada e levada às pressas para o Hospital das Clínicas. Vítima de crime encomendado, ela foi covardemente assassinada na rua Aleixo Neto, onde se exercitava todas as manhãs. Seu corpo foi sepultado, no mesmo dia, no Cemitério Jardim da Paz. O crime nunca foi esclarecido, assim como os culpados também não foram punidos.

“Entre a multidão ela é a escolhida”, escreveu Amylton de Almeida. Já Milson Henriques a achava “Presença, personalidade, sofisticação, charme, dinamismo, temperamental, voluntariosa, dominadora”. Maria Nilce, a colunista social que agitava Vitória, na verdade era tudo isso e muito mais.

“Existem muitas Marias em mim, que todas juntas formam um coquetel de Marias. Eu gosto muito da Maria romântica, poética, sonhadora. A que faz versos quando a madrugada vem chegando.”

Maria Nilce foi a mais importante colunista social de Vitória. Sua coluna diária no Jornal da Cidade era lida por milhares de pessoas. Não havia concorrentes para ela. Em seu jornal cresceram outros colunistas sociais como Tão Mendes (in memorian), Nirlan Coelho, Carlos Vaccari, Jorginho Santos, Geraldo Bulau e Cesar Viola, que desenvolveu um estilo informativo mais bem elaborado para o colunismo social, até então muito arcaico, e foi quem me apresentou à Maria Nilce.

Com personalidade de muitas facetas, às vezes estava alegre como uma criança, querendo abraçar a todos. No dia seguinte, caía em fossas terríveis e chorava sem saber por quê. Não se penteava, recusava-se a atender aos telefonemas, vagava pela casa, triste e descabelada. Mas de repente, transformava-se. Quando amiga, era sincera e não invejava nada e ninguém. Sentia uma intensa vontade de viver. Era do tipo de pessoa que não podia pensar em parar jamais e por isso sempre estava fazendo alguma coisa, sentindo a vida e vibrando com tudo.

Desconfiava sempre das pessoas que não a encaravam nos olhos e nem apertavam a sua mão com firmeza. Detestava a classificação de boazinha, bonitinha, engraçadinha. Não havia meio termo para ela. Costumava confessar-se alegre, extrovertida e dinâmica, conseguindo tudo o que queria, e jamais ter encontrado portas fechadas. “Quem trabalha não conhece fracassos”, afirmava.

Maria Nilce nasceu em 23 de julho de 1941, na fazenda Fundão dos Índios, distrito de Timbuí, em Fundão, Espírito Santo. Filha de Tertuliano Tauríbio dos Santos e Ana Cleta dos Santos. Era a nona filha de uma prole de onze. Casou-se com o jornalista Djalma Juarez Magalhães em 29 de abril de 1961 e veio morar em Vitória, onde teve quatro filhos: Fernanda, Milla, Juca e Paloma.

Começou sua vida profissional em 1967, escrevendo uma coluna social diária no jornal A Tribuna, intitulada “M.S.M”, galgando rapidamente o sucesso devido à sua versatilidade e espírito irônico, que de certa forma provocaram uma transformação naquele tipo de jornalismo provinciano de Vitória. Ela também produziu e apresentou, durante um bom tempo, o programa Coisas e Gente Muito Importante, na TV Vitória.

Ainda na televisão, Maria Nilce foi a primeira mulher-jornalista a aparecer no vídeo em âmbito nacional, integrando o júri do Chacrinha na Hora da Buzina, apresentado aos domingos na TV Globo, Rio de Janeiro. Em 1969 saiu de A Tribuna para, junto ao esposo, comprar o Jornal da Cidade, que se tornou muito importante para Vitória.

Escreveu vários livros: Eu, Maria Nilce, uma autobiografia; Crônica de uma ilha muito doida; Como o Diabo gosta; entre outros de crônicas de suas viagens ao exterior e sobre destaques e personalidade de Vitória.

Os seus desfiles de moda e festas beneficentes agitavam a ilha. Anualmente, realizava almoço para os guardas de trânsito e para o Dia Internacional da Mulher. Quando aparecia nos estádios de futebol, nos festivais de música jovem ou como jurada de Miss Espírito Santo, a platéia a aplaudia de pé e gritava seu nome. Certa vês, no Ginásio do SESC, na praça Misael Pena, centro de Vitória, uma multidão cantou Ave Maria em sua homenagem. A cronista Carmélia Maria de Souza escreveu que as festas da sociedade de Vitória só começavam a existir depois que Maria Nilce chegava.

Todos a consideravam diferente. Até ela. A turma da malhação, classificada por Maria Nilce de “turma do tambor” – devido ao barulho, mas oca -, não lhe perdoava. “A verdade às vezes fere a quem não está habituado a ouvi-la”, escrevia em suas colunas. Muita gente temia o seu temperamento expansivo de quem diz tudo o que quer.

“Algumas pessoas que me malham não têm coragem de abraçar um amigo na rua, como eu faço, mas têm coragem de abraçar um amante na cama. Muitos me acham esnobe, sofisticada, requintada. Considero-me a pessoa mais simples do mundo. Começando pelo nome Maria. Gosto de andar de calça Lee e camiseta Hering, mas também uso um longo rebordado no Libanês.”

Maria Nilce era daquelas mulheres que jamais dão a outra face. Quem lhe desse uma bofetada acabava recebendo muitas outras. “Aprendi cedo a não levar desaforos para casa. Acho que a mulher deve saber se defender e jamais precisar de terceiros. Contudo, apesar das explosões temperamentais, sou incapaz de agredir fisicamente alguém, mas depois tudo passa. Embora não esquecendo, perdôo. Mas a amizade só é possível entre iguais.”

“Muitos nessa cidade julgam-se com o direito de analisá-la, exaltá-la e até criticá-la. Os que analisam não possuem o conhecimento necessário capaz de discernir entre o seu temperamento extrovertido e sua alma simples, imersa em profundos devaneios. Os que a exaltam ainda assim não conhecem a verdadeira Maria Nilce. A que longe dos brilhos dos salões e dos aplausos se transforma em moça simples de Fundão dos Índios, que com méritos reais conquistou um merecido lugar de destaque na sociedade. 

O arrebatamento de alguns diante de sua beleza impede-os de enxergar a Maria Nilce que realmente me arrebata, com sua amizade, com seu imenso coração, com sua lealdade e com sua honradez intocável. Os que a criticam o fazem sempre por incontido despeito ou negra maldade, não encontram onde apoiar sua ridícula observação.

As pessoas em evidência, como ela, estão sempre sujeitas à malícia e antipatias fora de propósitos”. Assim a definiu seu esposo Djalma Magalhães.

 

Fonte: ESCRITOS DE VITÓRIA — Personalidades de Vitória – Volume 15 – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES,1996.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo - Sidnei Louback Rohr
Diretor do Departamento de Cultura - Rogério Borges de Oliveira
Diretora do Departamento de Turismo - Rosemay Bebber Grigatto
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim - Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias - Elizete Terezinha Caser Rocha e Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial - Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão - Reinaldo Santos Neves e Miguel Marvilla
Capa - Vitória Propaganda
Editoração Eletrônica - Edson Maltez Heringer
Impressão - Gráfica e Encadernadora Sodré
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Personalidades Capixabas

Florentino Avidos

Florentino Avidos

O povo tem qualquer coisa de feminino nas suas opiniões e no seu modo de apreciar uns tantos fatos da vida social. 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo
Diretas já! – Por Dionary Sarmento Régis

No comício de Camburi: falei com emoção, me apresentei como comunista, pedi eleições diretas e legalidade para o PCB

Ver Artigo
Movimento Cineclubista – Por Antônio Claudino de Jesus

O "mosquitinho" circulara na véspera no almoço do RU e despertou minha atenção naquele triste ano de 1973

Ver Artigo