Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maximiliano, Saint-Hilaire e Rubim

Pedra de Jucutuquara. Desenho de autor desconhecido com base em desenho original de Maximiliano. Em

Vale demorar um pouco para apreciarmos a situação da capitania tal qual a viram três observadores: o príncipe de Wied Neuwied, Auguste de Saint-Hilaire e Francisco Alberto Rubim.

O primeiro, autor da Viagem ao Brasil – livro que é, “sem contestação possível, um dos mais preciosos e encantadores”(62) – visitou o Espírito Santo em 1816. Ao lado dos apontamentos de ordem essencialmente científica, sua obra contém as mais variadas informações sobre a terra e a gente da região que percorreu. De cada lugarejo ou fazenda registrou deficiências e manifestações de progresso, sem esquecer a vida comercial, a psicologia do povo, a beleza da paisagem, o conforto ou miséria das casas.

Em Muribeca, encontrou trezentos escravos negros, dos quais uns cinquenta aproveitáveis para o trabalho, que era bastante árduo e, quase todo, dedicado à derrubada das matas. Verificou, outrossim, haver ali cultura de mandioca, milho, algodão e um pouco de café.(63) Surpreendeu-se, em Piúma, com uma ponte de madeira – “verdadeira raridade nessas paragens”.(64) Vitória pareceu-lhe, embora “um tanto morta”, “lugar limpo e bonito, com bons edifícios construídos no velho estilo português”.(65) Alarmou-se com a insegurança dos habitantes das margens do rio Doce, onde todos levavam consigo as espingardas quando iam às plantações,(66) escandalizando-se, também, em Linhares, cujos moradores não podiam viajar sem licença prévia, nem lhes era permitido consumir mais de uma garrafa de aguardente, por família, em três meses.(67)

Saint-Hilaire, de justificado conceito, perlustrando o Espírito Santo de sul a norte, em 1818, anotou números, dados históricos, observações sobre indústria, agricultura, comércio, alinhou reflexões a respeito da civilização dos índios, costumes dos brancos etc. etc. Segundo o naturalista francês, a faixa média de território cultivado não ia além de quatro léguas do mar.(68) As florestas e os temíveis botocudos mantinham a quase totalidade dos brancos agarrados à praia, como os caranguejos de que nos fala frei Vicente do Salvador. As condições alimentares eram precaríssimas. Só os ricos comiam carne. A grande massa da população vivia de farinha de mandioca, peixe fresco ou seco, marisco, feijão.(69) Referindo-se a Guarapari, diz que, quando de sua viagem, uma embarcação que viera da Bahia, para levar farinha, achava-se havia três meses ali sem ter podido completar seu carregamento.(70) O comércio de Vitória se limitava à exportação – para o Rio de Janeiro e Bahia – dos produtos da terra e tecido de algodão rústico. Importava-se, principalmente, ferro em barra e instrumentos de agricultura. Entre as praças do Rio e Vitória havia uma diferença para mais, nesta última, de trinta a cinqüenta por cento nos preços das utilidades.(71) Por certo, não existiam lojas de artigos de luxo, pois os homens trajavam-se com uma calça de algodão e camisa do mesmo tecido; as mulheres vestiam camisa de algodão e “saia indígena”.(72)

Rubim ampliou e atualizou os dados remetidos ao conde da Barca em 1816,(73) compondo as Memórias, publicadas em 1840.(74) O livrinho do operoso governador – na parte denominada Breve Estatística – contém informações de muito merecimento, todas assim resumidas:

 

Ver imagem do quadro logo abaixo da matéria.

Vilas 6                                           Ordens Terceiras 2

Povoações 6                                  Portos do mar 7

Freguesias 8                                  Rios principais 10

Capelania curada 1                         Engenhos 75

Colégios de extintos jesuítas 3          Engenhocas 66

Santa Casa da Misericórdia 1            Fogos 3.729

Igrejas de particulares 4                   Almas 24.585

Igrejas filiais 5                                Batizados em 1817 1.087

Conventos franciscanos 2              Óbitos em 1817 824

Conventos do Carmo 1                 Casamentos em 1817 273(75)

 

NOTAS

(62) - OLIVÉRIO PINTO, Prefácio da Viagem ao Brasil, 3.

(63) - MAXIMILIANO, Viagem, 123.

(64) - MAXIMILIANO, Viagem, 132.

(65) - MAXIMILIANO, Viagem, 140.

(66) - MAXIMILIANO, Viagem, 154.

(67) - MAXIMILIANO, Viagem, 158.

(68) - Segunda Viagem, 29.

– “Em fim os Sertões não estão ainda penetrados alem de seis léguas da beira Mar, e em partes menos”, informaria INÁCIO ACIOLI DE VASCONCELOS ao ministro Maciel da Costa, em trinta e um de agosto de 1824 (Pres. ES, III, 81).

(69) - “...feijão que juntam ao peixe, sem mesmo incluir toucinho, de que não fazem uso, porque a preguiça os impede de criar porcos”, conclui SAINT-HILAIRE (Segunda Viagem, 35).

– O príncipe de WIED-NEUWIED depôs: “Nos cerrados que margeiam a costa, habitam famílias pobres e esparsas, que vivem da pesca e da colheita de suas plantações. São em geral negros, mulatos e outras gentes de cor: há muito poucos brancos entre eles; queixam logo ao forasteiro de pobreza e indigência, que só podem provir da preguiça e da falta de iniciativa, porque o solo é fértil. Pobres demais para comprar escravos, e demasiadamente indolentes para o trabalho, preferem morrer de fome” (Viagem, 146).

– Referindo-se aos soldados do Quartel da Regência, anotou: “Essa gente passa muito mal; peixe, farinha de mandioca, feijão preto e, por vezes, um pouco de carne seca, constituem a sua única alimentação. São todos de cor, crioulos, índios, mamelucos ou mulatos” (Viagem, 152).

(70) - Segunda Viagem, 76.

(71) - SAINT-HILAIRE, Segunda Viagem, 100-1.

(72) - SAINT-HILAIRE, Segunda Viagem, 37.

– Viajantes Estrangeiros no Espírito Santo, de Levy Rocha, oferece cuidadoso e rigoroso resumo de quanto foi escrito no século passado pelos que, vindos de outras terras, perlustraram a província capixaba. São páginas de leitura amena e proveitosa.

(73) - Publicações do Arquivo Nacional, XIV, 95-110.

(74) - Memórias para servir à história até ao ano de 1817, e breve notícia estatística da Capitania do Espírito Santo, porção integrante do reino do Brasil. Escritas em 1818 e publicadas em 1840 por um capixaba. Lisboa, na Imprensa Nevesiana, 1840.

(75) - Memórias para Servir à História.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Cine Capixaba

Cine Capixaba

Cine Capixaba – em São Torquato, na Av. Graça Aranha, onde repetia muitos filmes que passavam no São Luis em Vitória. Surgiu com o crescimento populacional do Bairro, e acabou no final dos anos 60. A história do cinema no Espírito Santo começa em 1907, ano que ocorreu a primeira apresentação no Éden Cinema, atualmente no local funciona o Teatro Glória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Movimento Estudantil ou AD USUM DELPHINI - Por Fernando Achiamé

Para se falar sobre movimento estudantil em nossa capital pode-se começar e terminar reproduzindo trechos do discurso proferido pelo padre diretor do Colégio Salesiano na formatura do curso ginasial em 1964

Ver Artigo
Minha FICHA - Por Eurico Resende

Sempre admiti que a partir de certo momento do primeiro governo revolucionário, não tinha a estabilidade da simpatia do "Sistema"

Ver Artigo
Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, 1696

1696. Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, em que se provia[m] seus serviços na ilha do Funchal e na capitania de Cabo Frio, dando dela notícias históricas de muito valor

Ver Artigo