Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maysa e o Barão de Monjardim

Estampa da artista plástica Mônica Boiteux

Impossível não aproveitar a exposição que a mídia tem dado à cantora Maysa (que era paulista) para falar um pouco sobre o Barão de Monjardim, afinal, Maysa era Monjardim, descendente do Barão. Conheça mais a história e importância do Barão de Monjardim.

O Barão de Monjardim

Alfeu Adolfo Monjardim de Andrade e Almeida, primeiro e único barão de Monjardim, (Vitória, 20 de abril de 1836 — Vitória, 7 de junho de 1924) foi um nobre e político brasileiro.

Era filho do coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim e Ana Francisca de Paula. Foi inspetor da Alfândega do Rio de Janeiro, aposentado em 1881. Era Cavaleiro da Ordem de Cristo, Rosa e Cruzeiro. Deputado provincial e federal. Foi durante quatro períodos presidente da província do Espírito Santo e uma vez presidente do estado após a República.

Foi vice-presidente da província do Espírito Santo, presidindo-a interinamente, de 19 de fevereiro a 4 de abril de 1878, de 2 de janeiro a 7 de março de 1879, de 19 de julho a 6 de agosto de 1880, de 13 de fevereiro a 2 de abril de 1882, de 17 de março a 1 de maio de 1884, de 29 de janeiro a 3 de março de 1885, de 28 de julho a 21 de agosto de 1885 e de 18 de julho a 19 de julho de 1889. Primeiro presidente do estado eleito, de 7 de junho a 18 de dezembro de 1891.

Teve numerosa descendência, dentre os quais a cantora Maysa.

O Museu Solar Monjardim

O Museu Solar Monjardim é considerado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como um dos melhores exemplos de arquitetura rural da região sudeste. O Museu situa-se em Vitória, no bairro de Jucutuquara (em tupi guarani significa "pedra com buraco na ponta" ou "pássaro de buraco de pedra") e foi construído no final do século XVIII por determinação do capitão-mor Francisco Pinto Homem de Azevedo, homem que exerceu cargos políticos como deputado provincial e substituto de presidentes da província do Espírito Santo.

A fazenda onde se situa o museu denominava-se Fazenda de Jucutuquara. Essa fazenda produzia cana-de-açúcar, algodão, mamona, mandioca, cereais, hortifrutigranjeiros, além da produção de sal e gado.

A posse da fazenda não se restringiu aos Monjardins. Segundo Felisberto Freire em seu livro História Territorial do Brasil, volume 1, a fazenda pertenceu a jesuítas até meados do século XVI, sendo considerada uma fazenda muito importante para a época.

Na segunda metade do século XVIII, a posse da fazenda ficou a cargo de Gonçalo Pereira Porto, proprietário rural e rico comerciante, dono de terras que se estendiam do Morro do Capixaba até a Fazenda Piraen. Já no final do século XVIII, sua filha, Francisca Sampaio Porto, casou-se com Francisco Pinto Homem de Azevedo, e então, recebeu a Fazenda Jucutuquara como dote de casamento.

Em 1816, a Fazenda Jucutuquara passou a pertencer aos Monjardins devido ao casamento de Ana Francisca Maria da Penha Homem de Azevedo, filha de Francisco Pinto Homem de Azevedo, com José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, filho do capitão-mor governador do Espírito Santo Inácio João Monjardino.

No período de 1816 a 1940, a fazenda permaneceu sob a propriedade dos Monjardins, destacando-se o Coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim e seu filho Alpheu Adelpho Monjardim de Andrade e Almeida conhecido como Barão de Monjardim. Em 1924, após a morte do Barão de Monjardim, a fazenda foi desmembrada e denominada Vila de Monjardim, Chácara Barão de Monjardim e/ou Solar ou Chácara Monjardim.

Em 25 de outubro de 1940, a residência é tombada como patrimônio histórico pelo IPHAN. Em 1942, o conjunto foi alugado ao governo do Estado do Espírito Santo. Em 1944, o Solar abriga o Museu Capixaba, cujo acervo foi proveniente de coleções do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e também do acervo de Olinto Aguirre.

Em 1966, o Solar se reúne ao Museu de Arte Sacra da Universidade Federal do Espírito Santo ( UFES), tornando-se um único museu. No ano de 1969, ocorre a restauração do museu. Em 1974, o museu tem sua gestão dividida entre o IPHAN e a UFES.

Em 1980, ocorre a reabertura do Museu com o nome de Museu Solar Monjardim. Em 1981, a UFES transferiu a área do terreno e o acervo a então Fundação Nacional Pró- Memória e a universidade ficou com a gestão administrativa.

A residência dos Monjardins onde hoje se localiza o Museu foi construída ao final do século XVIII. Os materiais utilizados foram blocos de pedra argamassados com cal de ostra, tijolos maciços, taipá-de-mão e tijolos rústicos, madeiras de peroba e paraju. Os pisos são de terra batida, estrume de vaca e argila com tábua corrida no topo e atijolado nas áreas de serviço.

Personalidades Capixabas

Antônio José Peixoto Miguel

Antônio José Peixoto Miguel

Mas embora as coisas fossem tão difíceis por causa da divisão ferrenha na política, as pessoas eram mais amigas e havia também muito mais sinceridade do que hoje

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gente de Cachoeiro: Samuel Levy

Seu túmulo no cemitério local, ostenta uma grande cruz, em cuja lápide está registrada a gratidão de sua filha Carly

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Amigo de todos, até dos inimigos

Meu pai tem uma capacidade de perdão muito grande. Lembro um sujeito de Vitória que não gostava nada do meu pai e deixava isso muito claro

Ver Artigo
Maysa e o Barão de Monjardim

Impossível não aproveitar a exposição que a mídia tem dado à cantora Maysa (que era paulista) para falar um pouco sobre o Barão de Monjardim, afinal, Maysa era Monjardim, descendente do Barão

Ver Artigo
A Grandeza de Luiz Buaiz - Por Dr. Arnaldo Ferreira e Dr. Jorge Abikair

Pai maravilhoso, amigo desinteressado, excelente médico, uma pessoa simples. Assim o médico Arnaldo Ferreira, ginecologista e obstetra, define Luiz Buaiz

Ver Artigo
Prefácio do Livro - Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum

Luiz Buaiz fez da Medicina um apostolado. Ele é um médico humanitário, que atenua e cura doenças sem pensar em outra recompensa que não seja o bem-estar do paciente

Ver Artigo