Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

Carta Régia de 1549 - 01

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio. Confira a primeira matéria, que é um resumo dos primeiros tempos na capitania do Espírito Santo:

A história toda começa numa Carta Régia, enviada em 1534 por D. João III, rei de Portugal, para Vasco Fernandes Coutinho, tornando-o donatário de uma das capitanias da costa brasileira.

Menos de um ano depois, no dia 23 de maio de 1535, a nau Glória atravessava a baía capixaba. Orientando-se pela serra do Mestre Álvaro, Vasco Fernandes ancorou numa pequena enseada situada à esquerda, nas fraldas do morro da Penha, ao norte do morro de João Moreno.

Vasco Fernandes Coutinho desembarcou em terras capixabas com aproximadamente 60 homens, entre eles, fidalgos e criados do rei. Na chegada ao Espírito Santo, ao invés de riquezas, ele e seus homens encontraram a ferocidade dos índios goitacazes.

O desembarque não se fez com facilidade, pois os índios só recuaram depois do rugir dos canhões.

Aquele primeiro núcleo de colonização recebeu o nome de Vila de Nossa Senhora da Vitória. No dia 13 de junho de 1535, após explorar os arredores da ilha, os colonizadores descobriram uma grande ilha (atual ilha de Vitória), dando-lhe o nome de Santo Antônio, em comemoração ao dia do santo católico.

Em 1537, Coutinho doou a ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos, um dos homens de sua comitiva colonizadora. Entrre os presenteados, D. Jorge de Menezes ficou com a primeira ilha junto à Barra (Ilha do Boi) e Valentim Nunes com a atual Ilha do Frade.

Assim foi iniciada a povoação na ilha de Vitória. Duarte de Lemos instalou-se na parte alta da ilha, fazendo construir em sua fazenda, ao lado da residência, uma igrejinha para o culto de Santa Luzia.

Mas, com a partida do donatário para Portugal, por volta de 1550, a Ilha de Santo Antônio ficou abandonada. As famílias de colonos, alojadas na Vila do Espírito Santo, fugindo dos atques dos índios, passaram a habitar a ilha de Duarte de Lemos, que lhes oferecia segurança e guarita estratégica.

Vasco Coutinho transferiu a sede da capitania para a Vila de Nossa Senhora da Vitória, até então denominada Vila Nova, para se diferenciar da primeira, Vila Velha.

 

Fonte: A Tribuna - 08/09/2001
Por: Lúcia Marins

Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2015



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Braz Rubim

Braz Rubim

Registra o historiador Cesar Marques que Braz Rubim remeteu, do Rio, onde residia, quatrocentos volumes destinados à criação de uma biblioteca pública em sua terra natal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Minha FICHA - Por Eurico Resende

Sempre admiti que a partir de certo momento do primeiro governo revolucionário, não tinha a estabilidade da simpatia do "Sistema"

Ver Artigo
Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, 1696

1696. Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, em que se provia[m] seus serviços na ilha do Funchal e na capitania de Cabo Frio, dando dela notícias históricas de muito valor

Ver Artigo
Colher de prata que D.Pedro II lançou na Lagoa Juparanã em 1860

Na ocasião, o monarca almoçou na atual Ilha do Imperador, onde, após o almoço, colocou alguns objetos em uma garrafa de champanhe e a jogou na água

Ver Artigo