Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Milagres da Penha - A fonte de Nossa Senhora

Convento da Penha - Foto: Alair Caliari

"Conta-se que, durante os meses de trabalho na edificação da capela, faltou água para beber-se; faltou nas fontes naturais - lagoas e rios. O frade ajoelhou-se sobre a rocha isolada que servia de base à ermida; pediu a Nossa Senhora que socorresse os fiéis. A água rebentou no meio do granito, e ainda hoje os devotos visitam o lugar e bebem dessa milagrosa água. [Maravilhas, p. 237]

"É tradicional que esta nascente desapareceu imediatamente que foram concluídas as obras da igreja e do convento. Agora [1888], debaixo da muralha que guarnece o pavimento do alpendre da igreja, existe um olho d'água muito cristalina, cujo manancial borbulha em uma das dobras nuas do rochedo. O fio corrente é tão delgado que, para encher-se uma garrafa, no pequeno cavado da terra, são precisos muitos minutos, esperando-se que o líquido avulte na estreita concha. [Maravilhas, p. 276]

Em seu livro Relicário de um povo [p. 35], escreve a Prof. Maria Stella de Novaes: "Ainda em princípios deste século [1906], vimos, em Cachoeiro de ltapemirim, vidrinhos de 'Água de Nossa Senhora da Penha', em mãos de pessoas que visitaram o Convento. Deparou-se-nos, depois, a oportunidade de observar, em 1907, um pequeno depósito, numa escavação natural da rocha, na base do edifício, quase à entrada da capela - a Fonte de Nossa Senhora, [...] O Santuário da Penha, de 15 de março de 1925, divulga uma referência ao veio líquido existente ainda, nesse tempo, 'brotando no píncaro da rocha'. Atribuía-se-lhe, igualmente, uma originalidade confirmada pelo mesmo autor do artigo - o capelão da Penha - a de secar, quando se praticavam atos ignominiosos ou profanação naquele sítio sagrado."

 

Autor: Guilherme Santos Neves
Fonte: História Popular do Convento da Penha - 3ª Edição ampliada, Vitória - 2008
 

Convento da Penha

A Sala dos Milagres - Por Frei Venâncio Willeke O. F. M.

A Sala dos Milagres - Por Frei Venâncio Willeke O. F. M.

Cada centro de peregrinações possui a sua capela ou a sala de "inflas". Os ex-votos aí expostos à apreciação dos romeiros contam e ilustram graças atribuídas à intercessão de N. Sra. da Penha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo