Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Jardim da Penha anos 70 Conjunto dos Bancários

A natureza crítica das dificuldades que permeiam o cotidiano da maior parte da população mundial vem conduzindo a formação de agrupamentos de pessoas em torno de movimentos que debatam, expressem e reivindiquem alternativas às extremas necessidades a que estão submetidas. Assim, são constantes e legítimas as manifestações em busca de terra, teto, água, luz, transporte, tratamento sanitário e médico, emprego... No entanto, o sentido básico e emergencial dessas ausências faz com que sejam desconsiderados ou deixados em plano menos relevante outros elementos geradores de subjetividade, delineadores da identidade, definidores de expressão e significativos de uma comunidade, de uma época. Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções que, ao serem erguidas, poderão constituir, ao contracenar com o meio existente, a imagem de um querer coletivo.

Em nosso país e em nossa cidade, essa é uma rara atitude, que torna especiais os movimentos de bairro que tangenciam a questão do desenho da paisagem urbana. O pioneiro e mais ativo, nesses termos, em Vitória, é o da Associação de Moradores de Jardim da Penha - AMJAP. Criada em 1983, em função da reação contra o aumento das prestações do Sistema Financeiro de Habitação, a AMJAP passou em seguida a reivindicar infra-estrutura urbana e defender a manutenção do gabarito de quatro pavimentos no bairro, o que equivalia, segundo a Associação, a preservar o caráter de comunidade. Estes foram seus principais argumentos não só na defesa desse caráter, mas também na consolidação de expressiva atuação político-partidária e na construção de oposição à administração municipal.

Nessa trama, de todos os temas abordados pela AMJAP, o mais constante e sempre atual, dado o interesse imobiliário pelo bairro, vem sendo, então, evitar a verticalização das construções, marcando uma imagem que se quer própria, diferenciada de seus vizinhos Praia do Canto e orla de Mata da Praia. O modelo de ocupação do bairro, caracterizado pela continuidade arquitetônica de edifícios de quatro ou cinco pavimentos, tornou-se, então, definidor de um território, marco de ação política. Esse foi o exercício que inseriu em Vitória a atuação de movimentos de bairro na discussão sobre a altura das edificações na cidade, decisão que até então era tomada pelo poder público sob forte pressão do mercado construtor e incorporador, sem a participação de outros agentes. Nesse sentido, a AMJAP, além de emprestar experiência técnica e política a outras associações de moradores, como a de Jardim Camburi, garantiu para Jardim da Penha seu atual desenho volumétrico, fazendo contrastar, na paisagem de Camburi, a linha de altura de seus edifícios com o de setores urbanos próximos.

É fato que a qualidade do ambiente urbano abrange elementos que transcendem a questão relativa à altura das edificações. É fato, também, que o setor imobiliário, mesmo negociando com outros atores urbanos, mantém força e insistência no argumento de verticalização da cidade. No entanto, ver desenhado, construído na paisagem, o perfil urbano tramado por um movimento de bairro torna possível imaginar ações mais amplas: movimentos que, ao desenhar a cidade, zelem pela vida, aliando manifestações de cunho básico, e até de sobrevivência, ao desenvolvimento da experiência estética de dialogar com os elementos naturais e construídos desse lugar.

 

Este texto origina-se de trabalho anterior da autora: Transformação planejada de territórios urbanos em Vitória (ES): o bairro Camburi. Dissertação de mestrado, São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 1995.

 

Escritos de Vitória – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.
Prefeito Municipal: Paulo Hartung
Secretária Municipal de Cultura e Turismo: Silvia Helena Selvátici
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo: Rômulo Musiello Filho
Diretor do Departamento de Cultura: Rogério Borges de Oliveira
Diretoria do Departamento de Turismo: Rosemary Bebber Grigatto
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias: Elizete Terezinha Caser Rocha
Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial: Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão: Reinaldo Santos Neves, Miguel Marvilla
Capa: Vitória Propaganda
Editoração Eletrônica: Edson Maltez Heringer
Impressão: Gráfica e Encadernadora Sodré

 

Fonte: Escritos de Vitória, nº 16 Movimentos Sociais, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV
Texto: Eneida Maria Souza Mendonça
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2018

Bairros e Ruas

Nova Itaparica

Nova Itaparica

Na década de 70, Nova Itaparica, em Vila Velha, fazia parte de uma grande fazenda, conhecida como Baixada Guaranhus. Foram os donos da terra que fizeram os primeiros loteamentos do bairro. A imobiliária Nova Itaparica ficou responsável pela venda dos lotes e também inspirou o nome do bairro.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vila Rubim

A Cidade de palha, sítio do Dr. Leopoldo Cunha, era composta de casas de sapé. Talvez a primeira favela de Vitória

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo