Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mr. Jacarandá, o senhor das matas

Com seu exército de motosserristas ele devastou todas as florestas que encontrou pela frente. Foi o carrasco das florestas tropicais, embora tenha cortado árvores até em países de clima gelado, na antiga Cortina de ferro. Só de Mata Atlântica derrubou 60 milhões de árvore – durante 75 anos não fez outra coisa na vida.

Estamos falando de Rainor Grecco, um descendente de italiano que nasceu no distrito de Matilde, em Alfredo Chaves, em 1926. Afirmo certa vez que “o madeireiro é tão perigoso quanto um assassino vulgar: ele mata e mata muito”. Como um bárbaro redivivo, Rainor deixou um rastro de destruição por onde passou, tornou-se um mito entre os madeireiros do país por ter sido o pioneiro de quase todos os ciclos de extração de madeira iniciados nas décadas de 50 e 60 do século XX.

A PARTIR DE 1958, Rainor liquidou com as reservas de jacarandá no norte do Espírito Santo, sul da Bahia e leste de Minas Gerais. O jacarandá era, na época, a madeira mais cobiçada do planeta – usavam-na para enfeitar palácios e luxuosas residências mundo afora. Rainor exportou 57,7% do que existia desta espécie vegetal. A fortuna arrecadada permitiu –lhe fazer extravagâncias, como a de alugar, durante três dias, para si e seus convidados, uma das mais famosas boates do mundo, a Moulin Rouge, de Paris, a 16,5 mil dólares por noite.

Nos anos 1970, em entrevista concedida ao Jornal do Brasil, Rainor Grecco, analisando a repercussão de seus atos, foi taxativo:

 

“Nas conseqüências eu nunca pensei. A conseqüência foi sempre o lucro e, depois, o hábito do lucro. Homens como eu deveriam ser eliminados da face da Terra.”

 

Com o estigma de ter sido o maior destruidor de árvores de todos os tempos, Rainor Grecco morreu, desolado e amargurado, em junho de 2001. Foi enterrado fora do Espírito Santo, em Itabuna, no sul da Bahia. O fim do rei da devastação das florestas lembra bem um personagem de Mil e uma noites que perseguia obstinadamente um tesouro sem saber de seus efeitos malignos – ele acarretava o mal às pessoas que o encontravam (...)

 

 

Fonte: História da Espírito Santo – Uma Abordagem didática e atualizada 1535-2002
Autor: José P. Schayder
Apud Rogério Medeiros. “Vida e morte do Senhor das Matas”. Revista Século, Vitória, nº 17, pp. 6-17 – adaptado por Schayder
Compilado por: Walter de Aguiar Filho, abril/2012 

Ecologia

ES (in) sustentável? 20 anos pós – Eco 92

ES (in) sustentável? 20 anos pós – Eco 92

Apesar de muita água ter passado pelas pontes nos últimos vinte anos, a vazão das ações sustentáveis não passa de pingos de água diante da magnitude das degradações ambientais

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens de Passagens - Por Rubens Câmara Gomes

A Praia de Camburi sem nenhuma construção também era muito melhor, embora eu tivesse freqüentado pouco quanto ela ainda era virgem. Lembro que o acesso era pela Ponte da Passagem

Ver Artigo
Marinha desmonta o farol de Regência - 1998

Foi iniciado ontem, em Regência, o processo de desmontagem do farol que foi instalado no local em 1888

Ver Artigo
Turismo no Campo - Por Cacau Monjardim em 1975

Nestas propriedades seriam mantidas as tradições que poderiam vir a ser incluídas  na programação e formação de uma rede estadual de turismo rural ou melhor, de turismo-natureza

Ver Artigo
Medidas para ajudar a salvar o Rio Doce

Especialistas sugeriram em encontro o reflorestamento das margens e recuperação de nascentes para preservar o rio

Ver Artigo
Regência é eleita a 6ª melhor praia do Brasil para surfar

O portal analisou os melhores picos para a prática do esporte, com a supervisão do surfista profissional Bino Lopes, campeão brasileiro de 2015. Fernando de Noronha, em Pernambuco, lidera o ranking

Ver Artigo