Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Muniz Freire

Muniz Freire (1892 – 1896) – (1900 – 1904) Freire governou o Estado por dois mandatos

Quando assumiu a presidência do Estado pela primeira vez, em 1892, Muniz Freire anunciou que suas duas prioridades seriam o povoamento do solo espírito-santense e a construção de linhas ferroviárias.

Sua primeira meta foi cumprida em parte, tendo sido interrompida, em 1895, em virtude do escândalo provocado pelo Dossiê Nagar. As denúncias do cônsul italiano levaram o governo de seu país a proibir a migração para o Espírito Santo.

Para a construção da tão desejada Estrada de Ferro Sul do Espírito Santo, que ligaria Vitória a Cachoeiro pela Região Serrana, foi negociado um empréstimo com bancos franceses. Não suportando o ônus da obra, o Estado privatizou a ferrovia, em 1896, transferindo-a para a Leopoldina Railway Company. Para os cofres públicos estaduais, ficou um enorme prejuízo, em dívidas. Arrependendo-se da iniciativa, Muniz Freire declarou que "estava longe de supor que metia ombros à empresa gigantesca de construir uma das vias férreas mais caras e mais difíceis do nosso país".

Com o governo mineiro, foi assinado um protocolo de intenções para construir uma ferrovia ligando Alegre até a fronteira com Minas Gerais e outra de Vitória a Teófilo Otoni. Em 1903, já no segundo mandato de Muniz Freire, a Estrada de Ferro Vitória a Minas começou a ser construída e, nesse mesmo ano, a Leopoldina Railway terminou a conexão entre Rio de Janeiro e Cachoeiro.

Fora suas duas grandes metas, Muniz Freire investiu em outros projetos, buscando modernizar o Espírito Santo e, especialmente, a capital.

Por intermédio de uma historiadora da arte, Almerinda Lopes, ficamos sabendo que o Estado era considerado, na época, um dos mais atrasados da federação brasileira, "onde faltava tudo, até cemitérios dignos para sepultar os mortos". Vitória era uma cidade pacata e insalubre, com ruas estreitas e tortuosas, cercada por "pardieiros infectos". Por isso, o presidente Muniz Freire deu início a um processo de expansão do centro urbano da capital, com um trabalho de drenagem, saneamento e aterro de áreas pantanosas e alagadiças. Esse projeto urbanístico foi chamado de Novo Arrabalde.

O Teatro Melpômene foi construído, transformando-se em importante casa de espetáculos.

O porto de Vitória, que era um simples cais de madeira com instalações precárias, recebeu uma primeira tentativa de estruturação. Projetou-se a montagem de um engenho central de cana, no vale do Itapemirim, e a criação de duas fábricas de tecidos: uma em Vila Velha e outra na Serra. Eram projeções otimistas, que os fatos não consumaram.

Em 1900, quando foi eleito pela segunda vez, Muniz Freire encontrou o orçamento do Estado em condições caóticas. Além das dívidas acumuladas de sua primeira gestão (1892-1896), em 1898 o presidente Marcelino Vasconcellos, para tentar saldá-las, fizera um novo empréstimo, dessa vez com os banqueiros ingleses. Fora isso, a agricultura estava em crise: o café não encontrava boa cotação no mercado externo naquele momento. Para piorar, uma seca prolongada agravava o quadro econômico.

Isso posto, a solução encontrada por Muniz Freire foi solicitar uma moratória aos credores internacionais. Foi preciso “congelar as contas” externas do Estado, negociando novos prazos de pagamentos. Na esfera federal, o presidente Campos Salles (1898-1902) enfrentava o mesmo problema, que foi resolvido com o funding loan, ou seja, com a suspensão momentânea do pagamento da dívida externa, renegociando juros e prazos com as casas bancárias estrangeiras.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

História do ES

Um Estado virtual

Um Estado virtual

Udelino Alves de Matos, retirante do sul da Bahia, chegou ao povoado de Cotaxé, em Ecoporanga, aproximadamente em 1940. Como milhares de outros lavradores, transformou-se em posseiro de terra...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
Jesuítas no Espírito Santo

Em 1549 partiram da Bahia – escalaram no porto da “povoação do Espírito Santo” Leonardo Nunes e Diogo Jácome

Ver Artigo
Origem do nome das cidades do ES

Muitas vezes, por um simples motivo, surge a origem do nome de uma cidade, como por exemplo, o hábito dos moradores de tomar um cafezinho que, de tão ralo, mais parecia água doce. Daí veio o nome da cidade de Água Doce. E o nome da cidade de Águia Branca, de onde surgiu essa idéia? 

Ver Artigo
Araribóia X Villegagnon

Araribóia, comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon

Ver Artigo