Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nas trilhas do Mestre Álvaro

Ele está lá, imponente, e pode ser visto de qualquer lugar da Serra. É o Mestre Álvaro, o grande anfitrião do município. E como é bonito vê-lo ao entardecer, quando o sol se põe e forma atrás da montanha aquele vermelho-alaranjado. Imagine então, ver esse cenário do seu topo. Sim, é maravilhoso (mas só suba com um guia).

Aliás, para descobrir os segredos dessa montanha, nada melhor do que conversar com os antigos moradores da região, que contam que o monumento recebeu esse nome porque ali morava um mestre de carpintaria, de nome Álvaro, e quando alguém desejava algum serviço dele, dizia: "Vou no Morro do Mestre Álvaro".

Além disso, os nativos explicam que ele serve de orientação aos pescadores, que se sentem seguros de seguirem pelo mar enquanto conseguem ter ao alcance dos olhos o topo do Mestre, que chamam de "Mestre Alvo".

Uma lenda sobre o morro envolve duas tribos indígenas inimigas: temiminós e botocudos e um jovem casal pertencente a elas, o índio Guaraci e a índia Jaciara. Eles foram transformados por Tupã em duas montanhas, Mestre Álvaro e Mochuara, a última em Cariacica, por terem sido impedidos de viver sua história de amor. Conta-se que nas noites de São João um pássaro de fogo vai do Mestre Álvaro ao Mochuara para abençoar o amor eterno dos dois.

Lendas à parte, no entorno do Mestre ÁLvaro pode-se fazer um delicioso roteiro pelas propriedade rurais, que abrem suas porteiras à visitação, com direito a degustação de produtos caseiros. São três: Pitanga, Muriceba e Garanhus.

Fonte: A Gazeta (27/01/2010)

LINKS RELACIONADOS:

>> Imperador por um dia 
>> Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES
>> 
Por quê Morro do Moreno?



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

General das Artes

General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens da Ilha do Mel - Por Maria Isabel Perini Muniz

A paisagem vista e interpretada através da arte nos mostra aspectos que se escondem do nosso olhar descuidado e muitas vezes indiferente

Ver Artigo
Guarapari de ontem

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Ver Artigo
General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Ceia Natalina

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga

Ver Artigo