Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nas trilhas do Mestre Álvaro

Ele está lá, imponente, e pode ser visto de qualquer lugar da Serra. É o Mestre Álvaro, o grande anfitrião do município. E como é bonito vê-lo ao entardecer, quando o sol se põe e forma atrás da montanha aquele vermelho-alaranjado. Imagine então, ver esse cenário do seu topo. Sim, é maravilhoso (mas só suba com um guia).

Aliás, para descobrir os segredos dessa montanha, nada melhor do que conversar com os antigos moradores da região, que contam que o monumento recebeu esse nome porque ali morava um mestre de carpintaria, de nome Álvaro, e quando alguém desejava algum serviço dele, dizia: "Vou no Morro do Mestre Álvaro".

Além disso, os nativos explicam que ele serve de orientação aos pescadores, que se sentem seguros de seguirem pelo mar enquanto conseguem ter ao alcance dos olhos o topo do Mestre, que chamam de "Mestre Alvo".

Uma lenda sobre o morro envolve duas tribos indígenas inimigas: temiminós e botocudos e um jovem casal pertencente a elas, o índio Guaraci e a índia Jaciara. Eles foram transformados por Tupã em duas montanhas, Mestre Álvaro e Mochuara, a última em Cariacica, por terem sido impedidos de viver sua história de amor. Conta-se que nas noites de São João um pássaro de fogo vai do Mestre Álvaro ao Mochuara para abençoar o amor eterno dos dois.

Lendas à parte, no entorno do Mestre ÁLvaro pode-se fazer um delicioso roteiro pelas propriedade rurais, que abrem suas porteiras à visitação, com direito a degustação de produtos caseiros. São três: Pitanga, Muriceba e Garanhus.

Fonte: A Gazeta (27/01/2010)

LINKS RELACIONADOS:

>> Imperador por um dia 
>> Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES
>> 
Por quê Morro do Moreno?



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

O Anacoreta Pedro Palácios

O Anacoreta Pedro Palácios

Em Medina do Rio Seco nasceu,
Na vila de Vasco Coutinho trabalhou e viveu;
O curumim e o índio da tribo salvou,
Na Prainha, aos colonos as mãos estendeu,
Mas foi na capela da Penha que seu nome escreveu.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Deputados capixabas nas duas constituintes imperiais

Em 1823, tomou assento na Assembléia Constituinte brasileira, como representante capixaba, o Dr. Manuel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, membro do Supremo Tribunal de Justiça, era nascido em Vitória

Ver Artigo
Zé Pretinho

Fica ali, exatamente na esquina da Aleixo Neto com a José Teixeira. Do lado de Santa Lúcia. Não tem placa que o identifique. Mas há quarenta anos toda a redondeza cohece o Zé Pretinho

Ver Artigo
E por falar em saudade

Tenho saudades do torrone, da Garoto, um tablete de docinho recoberto de chocolate e com recheio pastoso de castanha, amêndoa ou amendoim, já não me lembro mais. Só sei que era uma delícia e que guardava todas as minhas pequenas economias para comer um a casa quinze dias. Era a época do leite-mel, da pastilha forte, da groselha, do sorvete de coco verde do Michel, guloseimas,...

Ver Artigo
Origem do Carnaval no Brasil

Fomos influenciados inicialmente pelos portugueses da Ilha da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de loucas correrias. No Brasil, com a criação dos Trios Elétricos pelos baianos, uma nova caracteristica de carnaval se disseminou

Ver Artigo
A âncora da Prainha

A âncora da Praça Tamandaré que fica localizada em frente ao Fórum e a Casa da Memória na Prainha, em Vila Velha, foi presenteada pela Marinha ao município de Vila Velha

Ver Artigo