Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nasce a Companhia Vale do Rio Doce

Cais do Atalaia

Criada em 1º de junho de 1942, no auge da Segunda Guerra, a CVRD a partir desse acordo garantiria a esses países uma produção anual de, no mínimo, 1,5 milhão de toneladas de minério. “Os aliados, em confronto com os países do Eixo, precisavam garantir fontes alternativas de suprimento de minério que iriam consumir na indústria bélica”, explica Abigail Rocha Campos, professora de História do Brasil.

“A Vale então encampou a CBMS, além de assumir a recuperação da Estrada de Ferro Vitória-Minas”, completa.

Empréstimo Americano ajuda a fundar a CVRD

A CVRD nasceu com empréstimos concedido pelo banco americano Export-import Bank of Washington e foi controlada pelo governo brasileiro até sua privatização, em 6 de maio de 1977. De acordo com Abigail Campos, o Cais de Atalaia foi construído com recursos advindos desse acordo.

“Os norte-americanos, por intermédio do Eximbank, transferiram ao Brasil um empréstimo de 14 milhões de dólares destinados, sobretudo, ao prolongamento e restauração da Estrada de Ferro e ao aparelhamento das minas de Itabira, além do novo cais”, revela.

Cais do Atalaia

Apesar de moderno para a época, o sistema operacional do Cais de Atalaia exigia dos estivadores enorme esforço na condução dos aparelhos que abasteciam os navios.

“O trem subia até o alto do maciço do Atalaia e descarregava os vagões numa espécie de funil. O minério caia numa correia e entrava numa dala de ferro, por onde o produto era jogado para dentro do porão do navio”, explica o estivador Arnóbio Rodrigues, 71 anos, que trabalhou no Atalaia.

“O navio não era modernizado como hoje. Éramos 12 homens puxando uma corda para movimentar  a esteira pra lá e pra cá, durante 12 horas de trabalho”, recorda.

Criada por meio do Decreto-Lei 4.352, já em 1949 a Vale do Rio Doce era responsável por 80% das exportações brasileiras de minério de ferro. Um ano depois, eram concluídas as obras do cais de minério do Atalaia. A meta prometida no acordo firmado com os Estados Unidos foi atingida após 10 anos de atividades, em 1952, quando o Governo assumiu o controle definitivo do sistema operacional da empresa.

Cais de Paul

Em 1958, a vale iniciou a operação no seu terminal (Cais de Paul), construindo ao lado do Atalaia, que permitia o início da exportação regular de minérios finos e de “run of mine” (como sai da mina). Naquele ano, foram exportadas 1,5 milhão de toneladas de minérios e, em 1962, a empresa já era responsável pela exportação de 6 milhões de toneladas do produto.

A exportação do minério cresceu tanto que já na década de 60, o Porto de Vitória não conseguia mais atender à demanda pelo produto. Restou à Vale construir um escoadouro maior, inaugurando, em 1966, o Terminal Marítimo de Tubarão, em Vitória.

 

Fonte: A GAZETA 31/06/2006 – 100 Anos de Porto de Vitória
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2012



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Ano de 1854 – Por Basílio Daemon

Ano de 1854 – Por Basílio Daemon

Falece no Riacho e é conduzido seu cadáver para a vila de Santa Cruz, onde foi enterrado, o naturalista francês Dr. João Teodoro Descourtilz 

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Imigração no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

A entrada de imigrantes europeus representou a maior transformação social e econômica que o Espírito Santo passou

Ver Artigo
Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo
Milagres Acontecem - Por Geert Banck

Estamos todos na sala de um sítio de Alto Corumbá, no município de Castelo, Espírito Santo

Ver Artigo
De 1960 a 1967 – Estudos e projetos de água para o ES

Numa atitude corajosa, o engenheiro Jonas Hortélio autorizou a execução da abertura emergencial de um grande orifício na parte lateral da tulipa

Ver Artigo
Por que Canela-Verde?

O nome canela-verde era dado exclusivamente ao cidadão nascido na sede de Vila Velha, estendendo-se hoje para os de todo o município. O termo canela-verde tem sua origem nos portugueses 

Ver Artigo