Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Navegantes da costa do ES

Caravela

O Barão do Rio Branco, nas "Efemérides Brasileiras", anota no dia 13 de dezembro de 1501, que "André Gonçalves e Américo Vespucci descobrem a baía, a que deram o nome de Santa Luzia e onde, em 1535, Vasco Fernandes Coutinho fundou a vila do Espírito Santo".

O Padre Raphael Maria Galanti S. J., no Tomo I do seu Compêndio de História do Brasil, referiindo-se à armada em questão, diz que "não se sabe ao certo quem foi seu comandante. A maioria dos cronistas afirmam com pouca exatidão que fora Gonçalves Coelho, e outros, Cristóvão Jacques. Varnhagen cita Nuno Manuel; parece, todavia, mais provável ter sido André Gonçalves, o qual tivera ocasião de conhecer parte da costa na viagem que acabava de fazer, levando a fausta nova do descobrimento.

Aires do Casal prefere dar essa missão a Gaspar de Lemos e confirma ter sido Gonçalves Coelho o encarregado do primeiro reconhecimento. Nessa frota, escreve o jesuíta, "a única vez que D. Manoel mandou pelo fim já mencionado, veio a primeira vez ao Brasil o célebre navegante florentino Américo Vespucci". Essa expedição batizou no dia 13 de dezembro o Rio de Santa Luzia, "talvez o Rio Doce", diz o jesuíta. Tanto o padre, embora mais cauteloso, como o prudente e erudito consolidador de nossas fronteiras, não documentam a marcação do acidente geográfico, assinalado no dia 13 de dezembro, de modo a nos convencer que se trata da baía de Vitória e não da foz do Rio Doce.

A dúvida denota prudência justificável. O dito rio, no diário de navegação, da armada atribuída a Américo Vespucci, está situado na latitude de 19º, figurando ao lado do Monte Pascoal, no mapa de 1507, publicado por Waldseemuller. Esse mapa foi elaborado pelas informações do florentino. O rio próximo ao Monte Pascoal, naquele documento é o Rio Pardo, cuja latitude demora no paralelo 16 e 30 minutos, na antiga capitania de Porto Seguro. Levando-se em conta a imperfeição dos astrolábios, a diferença de latitude não é apreciável, pois a de Regência Augusta (nome da foz do Rio Doce desde 1800 em homenagem ao governo de D. João VI, antes de acender ao trono) é de 19 e 35 e a de Vitória é 20 e 19. O chocante está, justamente, na aproximação do Rio com o monte famoso. A costa espiritosantense deve ter sido reconhecida por Cristóvão Jacques, opinião esposada também por Carlos Xavier Paes Barreto em "Feriados do Brasil". Mário Freire também diz: "Códice algum, ao que sabemos, permite afirmar, com segurança, quem primeiro contemplou a costa do atual Estado do Espírito Santo".

O que se pode afirmar é que, em 1532, todo o litoral brasileiro estava explorado.

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenze

LINKS RELACIONADOS:

>> Vasco Coutinho veio na certa
>> Baixo de Pargos
>>
 
Atlas de Miller 
>>
 
Mapa ao contrário?
>> Galeria de Fotos: Vasco Coutinho 
>> Estranhos hábitos Portugueses 
>> Perfil - Vasco Coutinho
>> 
4º Centenário de Vila Velha

História do ES

Impostos – Vida social – Início do Século XVIII

Impostos – Vida social – Início do Século XVIII

No Forte de São Francisco Xavier ou de Pertenimga chamado também da Barra mandei levantar seus parapeitos por estarem muito demolidos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Basílio Daemon - Biografia

Por seus filhos capitão Dr. Ticiano Corrégio Daemon e tenente Daemon

Ver Artigo
Viana, O Convento, O retorno ao Rio de Janeiro – Por Saint-Hilaire

Vêem-se o mar em frente ao Morro da Penha, o Monte Moreno e a foz do Ribeirão da Costa, cujas águas, vão entulhar a baía com as areias que carregam

Ver Artigo
Antônio Pacheco de Almeida, alcaide-mor da vila do Espírito Santo, 1707

Antônio Pacheco, para o lugar de alcaide-mor da vila do Espírito Santo, cabeça e comarca da capitania do mesmo nome, de que sou donatário

Ver Artigo
Governador Rubim se dirigindo às diversas autoridades da capitania,1817

Sejam isentos do pagamento de dízimo o terreno que não estiver cultivado, ou concedido por sesmaria, mas que...

Ver Artigo
Proclamação da Independência do Brasil na vila de São Mateus,1823

A vila de São Mateus custou a decidir-se a fazer a proclamação, em consequência de parte da população baiana quererem pertencer à Bahia

Ver Artigo