Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Índios x brancos – Carnificina

Tela da artista Morgana, ilustrando a presença do índio, quando da chegada de Vasco Fernandes Coutinho na Enseada da Prainha.

No contato inicial entre os dois povos, à fase de escambo de utilidades seguiu-se a da caça ao silvícola, para ser utilizado nos trabalhos de lavoura. No Espírito Santo, onde as florestas espessas invadiam as praias e o homem que a habitava era particularmente feroz, o sistema de aliciamento de braços seguiu outro rumo. O padre Manuel da Nóbrega resumiu em poucas palavras o ardil “que foy ensinarem os christãos ao gentio a furtaren-se a sy mesmos e venderen-se por escravos”.(30) A vindita não se fez esperar. Aimorés, goitacás e tupiniquins, no desespero da perseguição, aliaram-se para aniquilar o estrangeiro que os espoliava. Brito Freire nos legou um pequeno trecho que descreve os momentos fatais que abalaram o senhorio até os alicerces: “Pela grande soltura com que vivião lá os Nossos, tratando aos Barbaros, como se forão mais barbaros do que elles, vierão elles a parecer mais Portugueses que nós. E encobrindo o odio costumado a Nação dominante, se com a vontade occulta nos offendião, com a obediencia nos obrigavão.

Até que exasperou de todo os Indios, a intoleravel servidão. E mais gemendo, do que fallando, cançados, ou receosos de se queixar, por verem as queixas sem remedio, encobrirão-nas com silencio, em quanto juntarão das visinhas montanhas, com tão raivosa resolução, tão immensas turbas, que descendo sobre os Nossos, lhes destruirão as fazendas, & matarão entre outros, ao mesmo Dom Jorge.(31)

No posto, & na desgraça, lhe succedeo Dom Simão de Castel-Branco; perdendo com elle a vida, em hum assalto semelhante, a mayor parte da sua gente, por despresar tanto, tão baixos combatentes, que antes de os cometer, suppunha que os tinha vencido: parecendolhe não hia fazer guerra, mas dar castigo”.(32)

Os que não morreram em combate – restrita minoria – fugiram aterrorizados para as capitanias vizinhas ou pereceram transviados na floresta.

Os silvícolas reduziram o trabalho de mais de um decênio a pouco mais de uma tapera.

Sombras e ruínas – O “vilão farto”,(33) de que tanto se orgulhava o donatário, convertera-se em ruínas, depois de ter sido a terra da dor e da morte para os que teimavam em salvá-la.

A desolação da ruína foi o que encontrou Vasco Fernandes Coutinho quando de seu regresso de Portugal. Rubim assevera que, “se trouxe socorros, foram tão escassos que não puzeram a donataria em melhor pé”(34) e Jaboatam acrescenta que “cuidou muito em tomar digna satisfação do levantado Gentio, que com as victorias passadas se achava muy soberbo, e insolente; mas nada pode, porque lhe faltava a gente, que era o mais necessario para continuar a guerra”.(35)

NOTAS

(30) - NÓBREGA, Cartas, III, 79.

(31) - CAPISTRANO DE ABREU asseverou nos Prolegômenos do Livro Segundo da História do Brasil, de frei Vicente do Salvador, que “só nesta segunda fase (depois dos socorros trazidos por Fernão de Sá em 1557) foram mortos D. Jorge de Menezes e D. Simão de Castelo Branco, segundo se deduz da admirável carta de Manuel da Nóbrega a Tomé de Sousa”.

Não chegamos à mesma conclusão, estudando a missiva (Cartas, III, 70 ss.). Nela, Nóbrega demora-se em recordar fatos ocorridos antes, durante e depois do governo de Tomé de Sousa. O trecho em que se refere à capitania do Espírito Santo parece incluir-se quase todo entre os sucessos anteriores à vinda do primeiro governador. Aliás, no parágrafo seguinte, o maioral dos jesuítas fala dos males que afligiram a Bahia e que culminaram na morte do seu donatário – o infeliz Francisco Pereira Coutinho. E, como se sabe, este foi sacrificado pelos silvícolas em 1547. Só dois anos depois Tomé de Sousa aportaria em Todos os Santos.

(32) - BRITO FREIRE, Nova Lusitânia, I, 92.

(33) - VICENTE DO SALVADOR, Hist. Brasil, 96.

(34) - RUBIM, Memórias, 215.

(35) - Orbe Seráfico, I, 76.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

Índios

Os índios selvagens, a Vila de Itapemirim – Por Saint-Hilaire

Os índios selvagens, a Vila de Itapemirim – Por Saint-Hilaire

Algumas léguas além de Agá, chega-se à foz do pequeno Rio de Piúma, diante da qual há três ilhotas de escassa importância 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Matança de ambas as partes no Cricaré

Foi tamanha a mortandade que fizeram entre os silvícolas que Mem de Sá escreveu ao monarca...

Ver Artigo
Doutrinação de brancos e índios

Os trabalhos das edificações não preteriam, contudo, a obra de doutrinação

Ver Artigo
Uma exceção honrosa para o ES

A ação catequizadora dos inacianos tem significado inapreciável na obra ciclópica da conquista da terra capixaba

Ver Artigo
Os índios selvagens, a Vila de Itapemirim – Por Saint-Hilaire

Algumas léguas além de Agá, chega-se à foz do pequeno Rio de Piúma, diante da qual há três ilhotas de escassa importância 

Ver Artigo
Índios x brancos – Carnificina

Capistrano de Abreu asseverou que foram mortos D. Jorge de Menezes e D. Simão de Castelo Branco, segundo a carta de Manuel da Nóbrega a Tomé de Sousa

Ver Artigo