Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nossa Senhora da Penha – Vitória, 4º Centenário de fundação

Nossa Senhora da Penha sendo transportada - Quarto Centenário de Vitória, 1951

Aproximavam-se as comemorações de outra efeméride extraordinária da terra espírito-santense, — o Quarto Centenário da fundação desta Cidade, primitivamente, Vila Nova, depois Vila da Vitória e, finalmente, Cidade da Vitória.

Projetou-se um programa festivo de trinta dias, estendido portanto a todo o mês de Setembro de 1951, embora dados históricos indicassem o dia 2 de Abril, como o certo, da passagem de real importância, na evolução social e histórica do lugar. Justificava-se, porém, o fato pela supremacia da tradição, ligada à vitória dos colonizadores sobre os silvícolas e conseqüente consolidação da vida administrativa, na Ilha de Duarte de Lemos.

Voltou-se, muito justamente, o pensamento das autoridades civis e religiosas para Nossa Senhora da Penha, — a Padroeira do Espírito Santo, e uma viagem triunfal da estátua que, desde 1570, representa a jóia mais preciosa do nosso relicário histórico, foi incluída, em destaque, no programa comemorativo.

Assim, pela terceira vez, Nossa Senhora da Penha veio à Cidade da Vitória, conduzida pela Fé e pelo Amor do povo capixaba. Dia inesquecível! À tarde, enquanto espocavam os fogos, repicavam os sinos e vibravam, no ar, as exclamações jubilosas do povo, surgia, ao longe do Penedo, o barco embandeirado, festivo, capitania da procissão marítima, portadora da imagem. Delírio da multidão apinhada em todos os cais, praças, ruas marginais e outros pontos acessíveis à visão do grandioso espetáculo de Amor e Confiança! ...

Viva Nossa Senhora da Penha! ...

E o barco avança lentamente e belo! ...

Lanchas rápidas singram a baía, em todos os sentidos.

Evoluções graciosas! Bandas de música rompem marchas, que eletrizam o entusiasmo da multidão! Vozes se elevam! Hinos a Nossa Senhora da Penha!

Ela vem. E o povo comprime-se para recebê-la, no cais fronteiro à Praça 8 de Setembro.

Brotam ali e aqui, lágrimas de júbilo, de gratidão, de todos as vibrações, nos recônditos do coração humano!

Forma-se a procissão até a catedral. Procissão comovente e bela, nunca presenciada, em Vitória, acompanha o carro-monumento.

 Durante uma novena de preces, Nossa Senhora da Penha recebeu, no primeiro templo do Estado, a visita contínua do seu povo estremecido. Velhos, moços, pobres, ricos, doente e crianças, em desfile ininterrupto, foram prestar-lhe suas homenagens. Quanta gente, impossibilitada de subir a montanha, em Vila Velha, hauriu o conforto inefável de ver Nossa Senhora da Penha.

No dia 8, realizou-se a coroação da imagem, na Praça da Catedral. Houve, em seguida, a procissão pela Cidade.

Finalmente, o regresso de Nossa Senhora ao seu templo tradicional, no rochedo, assinalou o apogeu das comemorações relativas ao Quarto Centenário de Vitória. Um adeus comovido do povo acompanhou o carro até a ponte, até a estrada, até longe, muito longe! ...

Cessaram, então, os Vivas! ... porque a saudade, na despedida, repontava e diluia-se, nas lágrimas que brotavam em milhares de órbitas. "Que pena! Ela vai-se embora"! ... era a exclamação geral.

Sim. Nossa Senhora da Penha regressou ao seu templo sagrado; mas, o sentimento puro e sincero do seu povo guardará imperecível a recordação daqueles dias venturosos da sua visita; e as gerações futuras hão de ler sempre, com enlevo, este soneto inspirado naquele dia de deslumbramento e de Fé: —

 

A VISITA DE NOSSA SENHORA DA PENHA A VITÓRIA

Augusto Lins

 

Quando chegastes, os que em Vós confiam

A Virgem Milagrosa ovacionavam,

Foguetes, entre nuvens, espocavam,

Lábios e olhares, sem querer, sorriam...

 

Festas de igual fulgor jamais haviam

Constado, entre as que as crônicas narravam,

Os habitantes da Ilha vos saudavam,

Muitos, em Vós, a Hóspede Insigne viam.

 

Então, horas de dor já nos rondavam

E um oceano de prantos escondiam.

Quando voltastes, novamente atroavam

 

Foguetes no ar e bombas estrugiam,

Mas, só preces, que os lábios balbuciavam,

E adeuses, entre as lágrimas, se ouviam...

 

Fonte: O Relicário de um povo – O Santuário de Nossa Senhora da Penha, 2ª edição, 1958
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

Convento da Penha

A lenda de Frei Pedro e Nossa Senhora

A lenda de Frei Pedro e Nossa Senhora

A maneira como Nossa Senhora passou a ser a padroeira do Espírito Santo, venerada como Nossa Senhora da Penha, é contada numa comovente lenda conhecida por todos os vila-velhenses.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedro Palácios – Por Solimar de Oliveira

Ave, condor da fé, que aos píncaros supremos elevastes, a arder na religiosa unção

Ver Artigo
O Roubo de 1925 ao Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

O Convento foi assaltado e roubado por mãos criminosas que levaram o manto, a coroa e as jóias da imagem de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O Saque Holandês – Por Norbertino Bahiense

Conta ainda Frei Basílio, citando Jaboatão, que "um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora

Ver Artigo
Últimos Acontecimentos – Por Norbertino Bahiense

Isto é o que afirma a história e dessa afirmativa retirou Benedito Calixto a inspiração de belo quadro existente no Convento da Penha 

Ver Artigo
O Tombo do Convento da Penha – Por Norbertino Bahiense

Muito se comenta sobre o primitivo Tombo do Convento da Penha, onde muita coisa interessante deve figurar

Ver Artigo