Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nossa Senhora da Penha – Vitória, 4º Centenário de fundação

Nossa Senhora da Penha sendo transportada - Quarto Centenário de Vitória, 1951

Aproximavam-se as comemorações de outra efeméride extraordinária da terra espírito-santense, — o Quarto Centenário da fundação desta Cidade, primitivamente, Vila Nova, depois Vila da Vitória e, finalmente, Cidade da Vitória.

Projetou-se um programa festivo de trinta dias, estendido portanto a todo o mês de Setembro de 1951, embora dados históricos indicassem o dia 2 de Abril, como o certo, da passagem de real importância, na evolução social e histórica do lugar. Justificava-se, porém, o fato pela supremacia da tradição, ligada à vitória dos colonizadores sobre os silvícolas e conseqüente consolidação da vida administrativa, na Ilha de Duarte de Lemos.

Voltou-se, muito justamente, o pensamento das autoridades civis e religiosas para Nossa Senhora da Penha, — a Padroeira do Espírito Santo, e uma viagem triunfal da estátua que, desde 1570, representa a jóia mais preciosa do nosso relicário histórico, foi incluída, em destaque, no programa comemorativo.

Assim, pela terceira vez, Nossa Senhora da Penha veio à Cidade da Vitória, conduzida pela Fé e pelo Amor do povo capixaba. Dia inesquecível! À tarde, enquanto espocavam os fogos, repicavam os sinos e vibravam, no ar, as exclamações jubilosas do povo, surgia, ao longe do Penedo, o barco embandeirado, festivo, capitania da procissão marítima, portadora da imagem. Delírio da multidão apinhada em todos os cais, praças, ruas marginais e outros pontos acessíveis à visão do grandioso espetáculo de Amor e Confiança! ...

Viva Nossa Senhora da Penha! ...

E o barco avança lentamente e belo! ...

Lanchas rápidas singram a baía, em todos os sentidos.

Evoluções graciosas! Bandas de música rompem marchas, que eletrizam o entusiasmo da multidão! Vozes se elevam! Hinos a Nossa Senhora da Penha!

Ela vem. E o povo comprime-se para recebê-la, no cais fronteiro à Praça 8 de Setembro.

Brotam ali e aqui, lágrimas de júbilo, de gratidão, de todos as vibrações, nos recônditos do coração humano!

Forma-se a procissão até a catedral. Procissão comovente e bela, nunca presenciada, em Vitória, acompanha o carro-monumento.

 Durante uma novena de preces, Nossa Senhora da Penha recebeu, no primeiro templo do Estado, a visita contínua do seu povo estremecido. Velhos, moços, pobres, ricos, doente e crianças, em desfile ininterrupto, foram prestar-lhe suas homenagens. Quanta gente, impossibilitada de subir a montanha, em Vila Velha, hauriu o conforto inefável de ver Nossa Senhora da Penha.

No dia 8, realizou-se a coroação da imagem, na Praça da Catedral. Houve, em seguida, a procissão pela Cidade.

Finalmente, o regresso de Nossa Senhora ao seu templo tradicional, no rochedo, assinalou o apogeu das comemorações relativas ao Quarto Centenário de Vitória. Um adeus comovido do povo acompanhou o carro até a ponte, até a estrada, até longe, muito longe! ...

Cessaram, então, os Vivas! ... porque a saudade, na despedida, repontava e diluia-se, nas lágrimas que brotavam em milhares de órbitas. "Que pena! Ela vai-se embora"! ... era a exclamação geral.

Sim. Nossa Senhora da Penha regressou ao seu templo sagrado; mas, o sentimento puro e sincero do seu povo guardará imperecível a recordação daqueles dias venturosos da sua visita; e as gerações futuras hão de ler sempre, com enlevo, este soneto inspirado naquele dia de deslumbramento e de Fé: —

 

A VISITA DE NOSSA SENHORA DA PENHA A VITÓRIA

Augusto Lins

 

Quando chegastes, os que em Vós confiam

A Virgem Milagrosa ovacionavam,

Foguetes, entre nuvens, espocavam,

Lábios e olhares, sem querer, sorriam...

 

Festas de igual fulgor jamais haviam

Constado, entre as que as crônicas narravam,

Os habitantes da Ilha vos saudavam,

Muitos, em Vós, a Hóspede Insigne viam.

 

Então, horas de dor já nos rondavam

E um oceano de prantos escondiam.

Quando voltastes, novamente atroavam

 

Foguetes no ar e bombas estrugiam,

Mas, só preces, que os lábios balbuciavam,

E adeuses, entre as lágrimas, se ouviam...

 

Fonte: O Relicário de um povo – O Santuário de Nossa Senhora da Penha, 2ª edição, 1958
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

Parabéns, Vitória (desde 8 de setembro de 1551)

A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Nossa Senhora da Penha – Vitória, 4º Centenário de fundação

Projetou-se um programa festivo de trinta dias, estendido portanto a todo o mês de Setembro de 1951

Ver Artigo
Outras versões da origem do nome Vitória

A origem do nome Vitória é assunto sobre o qual não são unânimes as opiniões dos historiadores. Na opinião de Basílio Daemon, citada por Luiz Serafim Derenzi, “houve uma batalha com os índios. Sobre estes foi conseguida a vitória e, por essa motivo, deu-se o nome de Vitória à nova sede do governo”.

Ver Artigo
A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada

Ver Artigo
Inovação na Vida Urbana de Vitória no início do Século XX

Os Serviços de Melhoramentos introduziram certas normas técnicas, que marcaram diretrizes novas em Vitória

Ver Artigo
Vitória - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Extra-oficialmente, consagrou-se a canção “Cidade Sol”, de Pedro Caetano, como o hino afetivo ou emocional de Vitória e, a partir daí, não mais se referiram à nossa bela capital como “Cidade presépio” mas, sim como “Cidade sol”

Ver Artigo