Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nossa Senhora do Rosário e o Congo

Autora Catarina Zambe

Embora alguns autores atribuam a gênese do Congado a uma influência européia, ligando-a as lutas religiosas da Idade Média, a hipótese mais forte é que defende a origem afro-brasileira do culto. É importante lembrar que o processo de catequese, através de missionários dominicanos, levara Nossa Senhora do Rosário à África, impondo seu culto aos negros. O acréscimo dos elementos de coroação de reis, lutas e bailados guerreiros é a contribuição africana, numa rememoração das  práticas da Terra-Mãe, cristianizando suas práticas de culto à Natureza.

A festa de Nossa Senhora do Rosário, no Brasil, está ligada a grupos negros que realizam os autos populares conhecidos pelos nomes de Congadas, Congado ou Congos. Por essa vinculação aos negros, as Congadas se tornaram também uma festa de santos de cor, como São Benedito e Santa Efigênia

O culto das Congadas tem origem afro-brasileira. A África pré-colonial recebeu a influência dos religiosos Missionários Dominicanos, que levaram, junto com sua Catequese, a devoção à Nossa Senhora do Rosário aos negros africanos.,. O modelo religioso dominicano foi recriado com elementos próprios da cultura africana, dando origem às chamadas congadas. 

A devoção à Senhora do Rosário tem a ver com luta, com vitória e, sobretudo com a PAZ. Os Congadeiros expressam tudo isto com as suas danças: a confiança naquela que é força nas suas lutas e a vitória como acordo festivo entre adversários. A Congada contém, inclusive, um significado muito atual. O mundo de hoje vive, de fato, uma profunda tensão religiosa com nuances de dominação política e econômica. Em Fátima, a mesma que diz “Eu sou a Senhora do Rosário” também se titula a Rainha da Paz. Sua mensagem fala de muitos rosários pela PAZ. A espiritualidade quase pueril das Congadas na sua devoção a Nossa Senhora do Rosário tem muito a nos ensinar como um apelo a tomarmos nosso Terço na mão e conquistarmos, com Nossa Senhora, muitas vitórias pela paz. 

 

Autor: Gether Lima, maio/2011

Variedades

Lição, UFES 65 Anos - Antonio Rocha Neto

Lição, UFES 65 Anos - Antonio Rocha Neto

Saibamos aproveitar as melhores aulas que podemos ter no principal curso que podemos fazer em nossas vidas

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo
Trianon: um souvenir - Por Luís de Almeida

Abrir um cinema em Jucutuquara, ora direis, acaso perdeste o tino. Pois vos digo que o Georges Henri Delanos perdeu sim e ergueu ali o Cine Trianon

Ver Artigo
Território livre da Ufes - Por José Roberto Santos Neves

Eram as tardes garimpando livros na Biblioteca Central, as sessões no Planetário, as visitas aos colegas do Centro de Artes, o ócio nas pedrinhas

Ver Artigo
Minhas memórias da Ufes - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Montamos uma equipe com Ana Lúcia Junqueira, Neusa Mendes, Paulo de Paula, Marcos Valério, Terezinha Dora, Karel, Washington, Élia Marli, Reinaldo e Joca Leonor e Márcia, Leia Pandolfi 

Ver Artigo
UFES 65 anos - Por Ester Abreu

A Faculdade de Direito, fundada pelo pernambucano, Carlos Xavier Paes Barreto, um dos fundadores do IHGES e da AEL

Ver Artigo