Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Novamente embarcados - Imigração Americana

Capa do Livro: Nossa Vida no Brasil (IMIGRAÇÃO NORTE-AMERICANA NO ESPÍRITO SANTO 1867-1870) - Autor: Julia Louisa Keyes - Tradutor: Célio Antônio Alcântara Silva

Soubemos que para alcançar nosso destino deveríamos navegar o rio Doce acima em canoas, após desembarcarmos do vapor sobre a barra. Nós não sabíamos como a viagem em canoas seria. Mas nós soubemos em pouco tempo.

Novamente embarcamos, em 26 de maio. Dessa vez em um vapor brasileiro, o Juparanã, pronuncia-se Juparanah, que rumava a São Mateus, uma cidade portuária a diversas milhas acima do Rio de Janeiro e além da província para a qual estávamos indo4. O vapor nos deixaria na foz do rio Doce. Nós não estávamos animados com essa viagem, na medida em que a pressa e a exasperação deram-nos lamentáveis dores de cabeça, mas estávamos gratos por estarmos sentados no convés, finalmente, e ouvir os sons do vapor e o tilintar de correntes, preparando para deixar a cidade. Estávamos cercados por amigos, alguns do lar que deixamos no Alabama, alguns de diferentes partes dos estados do sul, que haviam sido agradáveis companheiros na viagem de chegada. A novidade estava à nossa volta. A novidade estava à nossa frente. Preciso dizer que apreensões obscureceram nossos pensamentos quando soubemos que tentaríamos, pela primeira vez, a experiência de uma vida pioneira?

Nosso tempo estava inteiramente ocupado pois as crianças deveriam ser vigiadas, refeições deveriam ser ingeridas e desejávamos aproveitar plenamente a deliciosa brisa do mar, então permanecemos no convés o máximo possível. O enjôo era compreensível, ele veio, e quando a noite se aproximou e as estrelas surgiram, não podíamos aproveitar a serenidade de uma noite ao mar; estávamos sofrendo muito mais do que no Marmion. O vapor era menor, o movimento era mais abrupto e nossa cabine ficava na popa, o que fazia com que a arfagem fosse mais sentida.

Tudo estava arrumado. Os quartos cedidos pelo Estado eram confortáveis e lindamente organizados, e um comissário negro atendia aos nossos comandos. O cheiro de óleo do maquinário misturado ao odor de comida parecia penetrar todo o navio, agravando o enjôo, sendo então difícil permanecer abaixo do convés por qualquer período de tempo.

Após os horrores da noite chegou a manhã e todos nós nos vestimos apressadamente para irmos ao convés. O ar era fresco e delicioso, pensamos que havia chovido, pois a atmosfera estava úmida e apreciamos muito a mudança. Estávamos contentes, pois o salão de jantar era inteiramente diferente de nossa cabine, localizado além da maquinaria, no meio do navio. As cabines para os capitães e oficiais se localizavam na parte frontal da embarcação. Havia duas longas mesas no salão de jantar, bem dispostas e a comida apropriadamente preparada e caprichosamente servida. Havia carne seca preparada de diversas formas, grelhada e refogada. Carne fresca assada e preparada em bifes. Feijões pretos, assemelhando-se ao nosso feijão fradinho (5) em sabor. Esse é um prato muito saboroso e deve ser acompanhado com a farinha ou arroz. Eles cozinham arroz, não como nós o fazemos, mas com temperos e algumas vezes acrescentam sabor e cor com uma folha, que dá uma tonalidade rósea. As folhas também são colocadas sobre o topo do prato. A farinha se parece com nossa farinha de milho, em aparência, mas o processo de tostá-la deixa-a sempre pronta para utilização. É colocada sobre a mesa, fria, em pratos e os brasileiros usam-na, em geral, como substituta para o pão. Eles compram pão, como nós depois aprendemos, mas nunca o fazem em suas casas.

Suportes ornamentados, feitos de porcelana chinesa, contendo palitos de dentes ornamentavam as mesas e nós, de uma só vez, adotamos o costume de retirar um de seu receptáculo ao nos retirarmos de nossas refeições. Eles chamam suas sobremesas de doces, compotas geralmente feitas com as frutas do país.


Fonte: Nossa vida no Brasil – Imigração Norte-Americana no Espírito Santo 1867-1870
Autora: Julia Louisa Keyes
Tradução e notas: Célio Antônio Alcântara Silva
Publicação: Arquivo Público do Espírito Santo, 2003

Imigração no ES

O capixaba, uma pré-visão antropológica - Por Renato Pacheco

O capixaba, uma pré-visão antropológica - Por Renato Pacheco

Já para o folclorista Hermógenes Lima Fonseca o capixaba é antes de tudo um critico, um gozador, um satírico, e não é qualquer artista que consegue arrancar alguns aplausos nosso, "o cabra deve ser bom"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Imigrantes Italianos – Venda Nova dos Imigrantes

A classe operária não tinha perspectivas de melhoria se continuasse a viver na Itália. Sabe-se que diversas famílias que colonizaram Venda Nova (Falqueto, Caliman e Zandonadi). A vinda para a América os fascinava.

Ver Artigo
Colonização Polonesa no ES

Com a construção da ponte sobre o Rio Doce, em Colatina, uma das soluções encontradas pelo Governo Estadual foi fomentar a imigração para povoar aquela região

Ver Artigo
Emigrantes Portugueses de Origem Judaica - Ester Abreu

A autora fala a respeito das diásporas judaicas, os percalços desse povo para conservar seu estilo de vida e religião e da presença desse povo no Espírito Santo, oriundos de Portugal

Ver Artigo
Fotógrafo Cilmar Franceschetto pesquisa comunidade italiana

A beleza do biótipo de influência italiana é tema permanente no trabalho de antropologia visual de Cilmar Franceschetto

Ver Artigo
Imigrantes deixaram portugueses para trás

Na opinião de Renato Pacheco, lusos perderam o bonde da história e foram suplantados por uma cultura mais forte, que fez o desenvolvimento do Estado

Ver Artigo