Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Novas insurreições dos íncolas na Capitania do ES

Insurreição: A idéia dos jesuítas era catequizar os índios, porém alguns confundiram isso e transformavam escrava, a sua mão-de-obra

Outra matéria que ocupou logo a atenção do donatário foi a guerra que os índios da capitania reiniciavam naqueles dias contra os brancos. É outra valiosa notícia contida na carta do padre Luís da Grã. Comunicava este aos da sua confraria os excelentes resultados obtidos por Brás Lourenço nas suas atividades junto aos moradores brancos, no seio dos quais conseguira “enxergada mudança”, lamentando, outrossim, que “com os Indios não se pode ateguora assi fazer, porque estão mui apartados”. Atribuía tal conduta à “grande cobiça que teem quá os brancos de lhos averem por escravos”. A guerra começou no princípio daquele milésimo, conseguindo os atacantes, logo nos primeiros assaltos, levar sete pessoas.(34) Viviam em pé de guerra, esperando, para qualquer momento, a investida dos bárbaros, e isto, “no Brasil,” acentuava o jesuíta, “era o mais forte da guerra, este sobressalto em que estão, com que não ousão ir às roças nem a pescar”.(35)

Prata, ouro e “certas pedras”

Preciosa por todos os títulos, a epístola do famoso jesuíta contém, ainda, esta notícia sensacional: “Estão os moradores mui contentes, porque alem do metal, que se na mesma Villa achou que se quá tem por prata, e muito ferro, mandou o Capitão Vasco Fernandez Coutinho descobrir, pello sertão, e acharão ouro e certas pedras, que dizem que serão de preço, e que dum e doutro aa muita copia”.(36)

É surpreendente que as notícias desses achados não tenham provocado grande afluência de aventureiros, como se verificou nas outras capitanias. Pelo menos não se conhecem informações.

 

NOTAS

(34) - “...ainda que nenhuma era algum dos brancos, senam um moço mamaluco” (GRÃ, Cartas, II, 224).

(35) - GRÃ, idem, ibidem.

(36) - Encerrando o parágrafo, escreveu estas palavras judiciosas: “Cousa hé por que devemos de dar muitas graças a Deus, porque além de ser bem commum, temos quá todos por mui averiguado que o fructo neste gentio aa-de ser com vir tanta gente a estas terras que os possão sugiguar” (Cartas, II, 225).

– Até certo ponto valem pelo reconhecimento de que o Evangelho era insuficiente para conquistar o gentio.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

A Dívida Externa do Espírito Santo

A Dívida Externa do Espírito Santo

Juros que sacrificariam da todo o trabalho de uma população inteira, canalizando o nosso curo para o exterior por empréstimos onerosos 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo