Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

Praia do Suá, década de 40

Além da Mibra, outra empresa atuava na extração e beneficiamento de monazita e ilmenita no Espírito Santo: a Orquima (Indústrias Químicas Reunidas), com sede em São Paulo. Seu proprietário, Augusto Frederico Schmidt, também foi convocado a depor na CPI da Energia Atômica, quando se recusou a divulgar os nomes dos principais acionistas da empresa.

Schmidt era bastante influente no meio político, foi assessor direto e amigo pessoal do presidente Juscelino Kubitschek e, depois, do general Humberto Castelo Branco, primeiro presidente da ditadura militar.

Enquanto que a Mibra de Boris concentrava a exploração de monazita ao Sul do Espírito Santo, a Orquima obteve licença para extração na faixa que seguia de Vitória até o extremo norte capixaba, em Conceição da Barra, além do Sul da Bahia.

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia até mesmo na Praia do Suá (Vitória), Nova Almeida, Regência (Linhares) e São Mateus. Mais tarde, a empresa também explorou areias de Ponta da Fruta, em Vila Velha.

O relatório final da CPI da Energia Atômica, de qualquer modo, acabou por não atingir criminalmente nenhum dos empresários nem autoridades.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A bomba atômica de Guarapari, 30/08/2015
Autores: Aglisson Lopes e Natália Bourguignon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016

Portos do ES

A Pedra da Vigia

A Pedra da Vigia

Como largo rio adormecido a baía deixa-se dominar de ponta a ponta. Esmeraldas engastadas em prata líquida, as illhas surgem aos olhos maravilhados. O Moreno, a montanha sagrada da Penha, o taciturno Penedo

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Contrabando nos porões dos navios em Guarapari

A desculpa era de que a areia fazia peso nas embarcações. “Fomos saqueados durante anos”, afirma historiadora

Ver Artigo
Areia monazítica de Guarapari - Fim da exploração

Na década de 80, prefeito de Guarapari fez campanha para tornar a cidade referência no tratamento de doenças reumáticas

Ver Artigo
Material radioativo de Guarapari está armazenado em latas nos EUA

Foi na época de bastante movimento no porto de Guarapari que foram criados os hotéis Torium, Radium e Monazita

Ver Artigo
Areias de Guarapari viraram bomba

Areia monazítica explorada em Guarapari foi exportada e usada pelos Estados Unidos na fabricação de bombas

Ver Artigo
Areia de Guarapari vira problema ambiental em Chicago

Não é difícil presumir que grande parte do polêmico material enterrado em Chicago tenha sido retirado de Guarapari

Ver Artigo
Russo era o barão da monazita de Guarapari

Um só homem foi acusado de ter faturado milhões de dólares em Guarapari com a extração de areia monazítica praticamente de graça, durante quase 30 anos

Ver Artigo