Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O 2º donatário: Vasco Fernandes Coutinho Filho

Igreja do Rosário Vila Vleha ES, uma das mais antigas do Brasil

A administração de Vasco Fernandes Coutinho Filho propiciou um período de tranqüilidade à Capitania: novas construções de engenhos, desenvolvimento da catequese e levantamento da igreja dos jesuítas. Os colonos, voltados para as suas diversas tarefas, pareciam menos agressivos e mais preocupados com os seus próprios afazeres.

As riquezas da época, nesta parte do mundo, seriam as pedras e os metais preciosos ou a lavoura da cana-de-açúcar. Os primeiros não foram encontrados. Era preciso pensar na segunda, e a cultura da cana vicejava. O algodão também trazia divisas para a Capitania, bem como as cabeças de gado.

O historiador Rower chama a atenção para o zelo com que os franciscanos trabalhavam nos conventos e missões do Norte do Brasil. E acrescenta que Vasco Coutinho Filho, impressionado com as notícias de tanta dedicação por parte desses religiosos, pediu ao chefe daquela Ordem, na Bahia, a vinda de alguns frades franciscanos para o Espírito Santo.

O trabalho religioso dos franciscanos no Espírito Santo, tivera início com Frei Pedro Palácios.

E teve continuidade com a chegada de Antônio dos Mártires e Antônio das Chagas que já não encontraram o donatário Vasco Coutinho Filho, falecido meses antes.

Os franciscanos foram recebidos festivamente pela nova governadora, Luísa Grinalda, e pelo seu adjunto, o Capitão Miguel Azeredo; pelo vigário da Vila de Vitória, Padre Francisco Pinto, e por demais autoridades da terra.

Tempos após a chegada, os franciscanos iniciaram a construção, em Vitória, do Convento de São Francisco, em terreno doado à Ordem, por escritura assinada pela governadora, pelo seu adjunto e demais autoridades constituídas.

 

Fonte: Espírito Santo - História de suas lutas e conquistas, 2002
Autora: Neida Lúcia Moraes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2013 

Vasco Fernandes Coutinho

Vida Escolar - Grupo Escolar Vasco Coutinho - (Parte I)

Vida Escolar - Grupo Escolar Vasco Coutinho - (Parte I)

No Grupo Escolar Vasco Coutinho cada carteira acomodava confortavelmente dois alunos.Essas carteiras eram compostas de duas partes distintas: do assento, na frente, e do tampo, que servia de mesa e depósito para cadernos e livros dos alunos que se sentavam na carteira de trás, e que era localizada na parte posterior do móvel

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo
Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Em 1931, surge o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”, pelo Decreto n° 1.720 de 23 de outubro. O diretor de então era Flávio Moraes. Em 1932 é iniciada a construção do prédio atual da escola

Ver Artigo
No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo