Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O anti-retrato de Dorian Gray

O RETRATO DE DORIAN GRAY

No topo da Don Fernando esquina com Padre Nóbrega, ali na cidade alta, continua o velho banco de pedra. Semicircular ele oferece acomodação a quem queira cismar sozinho. Ou a quem prefira namorar, de preferência sob o capote da noite. Não sei há quantos anos ele espia a cidade. Pra mim o banco sempre esteve ali plantado, observador e com a mesma dor imutável de pedra discreta. Indiferentemente às novidades. Granítico. Eternamente novo.

A doce Ilha do Mel, Vitória, faz 442 anos de idade. E me parece sempre a cada vez mais uma menina-moça predestinada a não envelhecer. Assim como uma novelista, que embora não se veja mais, teima em não sair da nossa memória. Com o seu colecionador colado ao peito. Na contracapa interna a estimulante fotografia colorida, arrancada Deus sabe de que Capricho, do ídolo Paul Newman.

No cais, em qualquer pedaço da beira-mar o sensual barulho da água roçando as pedras tem o mesmo tom. O tom que entristece a solidão de quem lamenta um amor perdido. Ou que estimula os sonhos de quem começa uma nova paixão. E a brisa é sempre a mesma. Ás vezes forte, de arrepiar cabelos. Ás vezes miúda, a provocar suspiros diante de uma baía tão grande que cabe uma dezena de navios. E tão pequena pra espraiar uma alegria imensa de quem não tem alma pequena.

Vitória conserva no formol do tempo até mesmo o enorme prazer de um caranguejo – que deve ser numa mesa do Davi, fervendo, vermelho. Gostoso e sensual, com os pelos negros a roçar os lábios de quem come e nem se dá conta disso. Nossos cabelos embranquecem, não os do caranguejo.

Nossos olhos, já opacos se recorrem de lentes pra comprovar que o céu azul da Ilha tem ainda a mesma transparência, acredito, que encantou os primeiros maratimbas.

Nossa memória já rateia, mas o mesmo coentro, com o mesmo sabor, está lhe esperando numa banca qualquer do mercado da Vila Rubim para temperar sua moqueca. A mesma de sempre, como se acabasse de ser criada a sua fórmula divina.

Vitória 442 anos. Como o anti-retrato de Dorian Gray. Enquanto nós envelhecemos ela continua cada vez mais moça, mais linda, mais desejável, mais sensual...

 

 

Nota do site: "O Retrato de Dorian Gray", filme de Oscar Wilde publicado em 1890 em que Dorian uma vez convencido de que juventude e beleza são tudo, realiza um pacto demoníaco pedindo para que seu retrato envelheça, enquanto ele permanece perene em sua beleza. Interessante que esses filmes clássicos com o passar do tempo ganham mais atualidade.

Fonte: Escritos de Vitória - Crônicas publicadas em 1993, na administração de Paulo Artung quando prefeito de Vitória, homenageando os 442 anos da Capital
Autor:Marcos Alencar
Compilação: Walter de Aguiar Filho

Literatura e Crônicas

Filosofia e Poesia - Por General Pacheco de Queiroz

Filosofia e Poesia - Por General Pacheco de Queiroz

Jornal do Comércio traz um artigo sobre os livros Alma e Deus e Travos em Trovas, do nosso conterrâneo Kosciuszko Barbosa Leão

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escritos de Vitória - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Em 2008, o tema escolhido foi "Cidade Sol" e, em 2009, "Cidade Ilha"

Ver Artigo
Caramurus e Peroás – Por Elmo Elton

Sabedor que havia um plano para retirar do São Francisco e levar ao Rosário a imagem de São Benedito, Frei Manoel baixou-a do altar

Ver Artigo
Jogo da vida - Por Maurício Ribeiro de Souza

Sempre me surpreendo quando passo pela Beira-Mar, na altura da Esplanada Capixaba

Ver Artigo
Jogos de botões pelas calçadas... Por Marien Calixte

"Jogos de botões pelas calçadas, eu era feliz e não sabia..."

Ver Artigo
Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo